Trabalhadores Assistentes Sociais em tempos de acirramento da precarização do trabalho

  • Flávia Barbosa Pardini dos Santos Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio http://orcid.org/0000-0003-4872-7543
  • Inez Terezinha Stampa Departamento de Serviço Social / Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio http://orcid.org/0000-0003-3770-1129
Palavras-chave: Serviço Social. Trabalho. Precarização. Trabalhadores assistentes sociais.

Resumo

Este artigo aborda conceitos que fundamentam a assertiva de que o Serviço Social é trabalho e, tendo como premissa a acepção de que o trabalho possui centralidade na vida humana, menciona a ofensiva neoliberal que incide sobre o conjunto dos trabalhadores, apresentando formas contemporâneas de espoliação dos trabalhadores assistentes sociais no contexto brasileiro. Assevera que a análise das relações e condições de trabalho do assistente social na atual conjuntura torna-se imprescindível para desvelar a exploração imiscuída nesse processo. O trabalho baseia-se em revisão bibliográfica e pesquisa documental como procedimentos de coleta de dados e na análise de conteúdo como método de exame do material selecionado. Os resultados do estudo indicam que o atual contexto, marcado pela expansão do conservadorismo e retrocessos que também impactam o Serviço Social e seus operadores, requer a pesquisa como um imperativo para a elaboração de propostas estratégicas, criativas e transformadoras.

Biografia do Autor

Flávia Barbosa Pardini dos Santos, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio
Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense - UFF (1997). Especialista em Serviço Social e Saúde pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ (2012). Mestre em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio (2018). Atualmente é assistente social da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) e integrante do grupo de pesquisa Trabalho, Políticas Públicas e Serviço Social (TRAPPUS).
Inez Terezinha Stampa, Departamento de Serviço Social / Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio
Assistente Social. Doutora em Serviço Social pela PUC-Rio. Professora do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-graduação em Serviço Social da PUC-Rio. Coordenadora do Centro de Referência das Lutas Políticas no Brasil - Memórias Reveladas/Arquivo Nacional. Bolsista de Produtividade em Pesquisa CNPq.

Referências

ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de; ALENCAR, Mônica Maria Torres de. Serviço Social e trabalho: particularidades do trabalho do assistente social na esfera pública estatal brasileira. O Social em Questão, Ano XVIII, nº 34. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2015, p. 161-180.

ANTUNES, Ricardo. Dimensões da crise e metamorfoses do mundo do trabalho. Serviço Social & Sociedade, Rio de Janeiro, nº 50, p.78-86, abril 1996.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do Mundo do trabalho. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

CARVALHO, Márcia Helena de. O Serviço Social como trabalho: afirmação que ainda provoca debates no interior da profissão. Artigo apresentado no 4º Simpósio Mineiro de Assistentes Sociais. 2016. Disponível em: http://cress-mg.org.br/hotsites/Upload/Pics/45/45362b02-bd65-405d-95d4-d8a37de5c2f1.pdf. Acesso em: 22 set. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). Código de ética do/a assistente social. Lei8.662/93 de regulamentação da profissão. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 1993.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na saúde. Brasília: CFESS, 2010.

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL/7ª REGIÃO/RJ (CRESS/7ª REGIÃO). Contribuições para um exercício profissional comprometido com a defesa dos direitos humanos. Cartilha. 2013.

COSTA, Gilmaísa M. Aproximação ao Serviço Social como Complexo Ideológico. Temporalis, Brasília, v.2, p. 95-117, 2000.

COSTA, Gilmaísa M.Serviço Social em debate: ser social, trabalho e ideologia. Edufal, Maceió, 2011.

COSTA, Renata Gomes da. A práxis do/a assistente social e a materialização do Projeto Ético-Político na sociedade capitalista. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 13, n.2, p. 366-378, jul./dez. 2014.

FREIRE, Lúcia M. de B. Movimentos sociais e controle social em saúde do trabalhador: inflexões, dissensos e assessoria do Serviço Social. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, nº 102, abr./jun., 2010.

GOMES, Márcia Regina Botão. Consultoria social nas empresas: entre a inovação e a precarização silenciosa do Serviço Social. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, nº 122, p.357-380, abr./jun. 2015a.

GOMES, Márcia Regina Botão. Serviço Social e consultoria empresarial: uma possibilidade de intervenção crítica? (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Rio de Janeiro, 2015b.

GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade no trabalho do assistente social. Belo Horizonte, 2007a. Disponível em: http://www.cedeps.com.br/wp-content/uploads/2009/06/Yolanda-Guerra.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

GUERRA, Yolanda. O projeto profissional crítico: estratégia de enfrentamento das condições contemporâneas da prática profissional. Serviço Social e Sociedade, nº 91, São Paulo, p.05-33, 2007b.

IAMAMOTO, Marilda Villela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 1999.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

IAMAMOTO, Marilda Villela; CARVALHO, Raul. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 8. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

LESSA, Sérgio. Serviço Social e trabalho: do que se trata? Temporalis, v.1, n.1 pp. 35-58, Brasília, 2000.

LESSA, Sérgio. Serviço Social e trabalho: porque o Serviço Social não é trabalho. 2. ed.São Paulo: Instituto Lukács, 2012

LUCE, Mathias Seibel. Brasil: nova classe média ou novas formas de superexploração da classe trabalhadora? Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 145-166, jan/abr. 2013.

MARX, Karl. O Capital: Livro I, Capítulo VI (inédito). 2. ed. São Paulo: Ciências Humanas, 1978.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. 2. ed.São Paulo: Nova Cultural, 1985. Livro Primeiro, Tomo 1. (Os Economistas).

MATOS, Maurílio Castro de. Assessoria e consultoria: reflexões para o Serviço Social. In: BRAVO, M. I. S.; MATOS, M. C. de. Assessoria, consultoria & Serviço Social. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1992.

OLIVAR, Mônica Simone Pereira. O campo político da saúde do trabalhador e o Serviço Social. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, nº 102, abr./jun., 2010.

RAICHELIS, Raquel. O assistente social como trabalhador assalariado: desafios frente às violações de seus direitos. Serviço Social e Sociedade, n. 107. São Paulo: Cortez, 2011, p. 420-437.

SANTOS, Flávia Barbosa Pardini; STAMPA, Inez. Medidas recessivas sobre os direitos dos trabalhadores no Brasil: breve esboço histórico sobre ofensivas e resistências. Libertas, Juiz de Fora, v. 17, p. 45-64, jan. a jul./2017.

SILVA, Mossicléia Mendes da. Projeto ético-político e assistência social: um estudo do cotidiano de trabalho dos (as) assistentes sociais do Centro Sul / Vale do Salgado-CE. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Rio de Janeiro, 2013.

VASCONCELOS, Ana Maria. Relação Teoria/Prática: o processo de assessoria/consultoria e o Serviço Social. Serviço Social e Sociedade, n.56, São Paulo: Cortez

Publicado
2019-10-06