A lei do piso salarial estadual: uma conquista dos trabalhadores catarinenses

Palavras-chave: exploração, piso salarial, regulamentação

Resumo

O artigo analisa, por meio de estudo bibliográfico, a resistência dos trabalhadores à sua exploração pelo capital. Ao sentirem os efeitos da crise mundial do capitalismo os empresários brasileiros tentam rebaixar os custos com salários para retomar suas altas taxas de lucro e passam a defender o fim dos pisos salariais estaduais de categorias e uma reforma trabalhista para reduzir o valor da força de trabalho. Os resultados de nosso estudo mostram que através de uma ação propositiva do movimento sindical, que ocorre no Estado de Santa Catarina, as centrais sindicais se mobilizaram e conquistaram reajustes do Piso Salarial Estadual, instituído por lei estadual, conquistando ganhos reais acima da inflação oficial.

Biografia do Autor

Mauri Antonio da Silva, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
Doutor em Serviço Social Pela UFSC, Mestre em Serviço Social pela UFSC, Bacharel em Serviço Social e Licenciado em Estudos Sociais e História.

Referências

BERTOLO, Katiuscia. Superexploração da força de trabalho no cotidiano e na vida dos sujeitos de direitos da política de assistência social em Santa Catarina. In: PAIVA, Beatriz Augusto (org.). Sistema Único de Assistência Social em Perspectiva: direitos, política pública e superexploração. São Paulo: Veras Editora, 2014.

BRASIL. Lei Complementar nº103, de 14 de julho de 2000. Autoriza os Estados e o Distrito Federal a instituir o piso salarial a que se refere o inciso V do art. 7o da Constituição Federal, por aplicação do disposto no parágrafo único do seu art. 22. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LCP/Lcp103.htm. Acesso em: 10 ago. 2015.

CARDOSO, José Álvaro. Salário mínimo e a negociação dos pisos estaduais. Florianópolis: DIEESE, 2015. Disponível em: <http://sindmecanicos.com.br/2015/01/12/post2465/>. Acesso em: 17 set. 2019.

CARDOSO, José Álvaro. O fracasso da política econômica do golpe e a tentativa de esmagar as entidades sindicais. Florianópolis: DIEESE, 2019.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. 101 Propostas para Modernização Trabalhista. Brasília: CNI, 2012.

DIEESE. Balanço das greves de 2017. Estudos e Pesquisas, n. 87, São Paulo, set. 2018. Disponível em: https://www.dieese.org.br/balancodasgreves/2017/estPesq87balancoGreves2017.html. Acesso em: 17 set. 2019.

DIEESE. Boletim de Conjuntura. São Paulo, n. 3, maio, 2015a. Disponível em: https://www.dieese.org.br/boletimdeconjuntura/2015/boletimConjuntura003.html. Acesso em: 17 set. 2019.

DIEESE. Greves 2013: informações preliminares. São Paulo: DIEESE, 2015b.

DIEESE. Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos Salário mínimo nominal e necessário. São Paulo, atualizado até 2019. Disponível em: http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html. Acesso em: 17 set. 2019.

DIEESE. A situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. São Paulo: DIEESE, 2012.

FECESC. Piso Salarial: Representantes dos trabalhadores solicitam audiência com governador. FECESC, Florianópolis, 22 fev. 2019a. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/representantes-dos-trabalhadores-solicitam-audiencia-com-governador-sobre-piso-salarial-estadual/. Acesso em: 05 mar. 2019.

FECESC. Deputados aprovam Projeto que reajusta o Piso Salarial Estadual em 2019. FECESC, Florianópolis, 2019b. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/deputados-aprovam-projeto-que-reajusta-43-o-piso-salarial-estadual-em-2019/. Acesso em: 17 set. 2019.

FECESC. SC tem novos pisos salariais para 2019 – Lei complementar n. 740, de 05 de abril de 2019. FECESC, 6 abr. 2019c. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/sc-tem-novos-pisos-salariais-para-2019-lei-complementar-n-740-de-5-de-abril-de-2019/. Acesso em: 27 jun. 2019.

FECESC. Saiba os valores do Piso Salarial Estadual para 2018. Florianópolis, 2018. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/saiba-os-valores-do-piso-salarial-estadual-para-2018/. Acesso em 15 mar. 2019.

FECESC. Piso Salarial Estadual tem valores definidos para 2017. Florianópolis, 2 mar.2017. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/piso-salarial-estadual-tem-valores-definidos-para-2017/. Acesso em: 05 mar. 2019.

FECESC. Fechado acordo sobre o reajuste do Piso Estadual de Salários de SC. Florianópolis: 22 mar. 2016. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/fechado-acordo-sobre-o-reajuste-do-piso-estadual-de-salarios-de-sc/. Acesso em: 05 mar. 2019.

FECESC. Definido o reajuste do Piso Salarial Estadual catarinense em 2015. Florianópolis, 30 jan. 2015a. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/noticias.php?id=6330. Acessado em: 29 jun. 2015.

FECESC. Governador sanciona lei de reajuste do Piso Salarial Estadual para 2015. Florianópolis, 27 mar. 2015b. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/noticias.php?id=6389. Acesso em: 06 jul. 2015.

FGV. Pobreza e desigualdade aumentaram nos últimos 4 anos no Brasil, revela estudo. Notícias, Rio de Janeiro, 10 set. 2018. Disponível em: https://portal.fgv.br/noticias/pobreza-e-desigualdade-aumentaram-ultimos-4-anos-brasil-revela-estudo. Acesso em: 05 mar. 2019.

HOMRICH, Sérgio. Fechado acordo que reajusta o Piso Salarial Estadual em 2019. Florianópolis: DIEESE, 2019. Disponível em: http://www.fecesc.org.br/fechado-acordo-que-reajusta-o-piso-salarial-estadual-em-2019/. Acesso em 17 set. 2019.

IBGE. Índice nacional de preços ao consumidor – INPC. Portalbrasil.net, Brasílias (DF), atualizado em 2019. Disponível em: http://www.portalbrasil.net/inpc.htm. Acesso em: 5 mar. 2019.

IAMAMOTO, Marilda Vilela. Serviço social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

IAMAMOTO, Marilda Vilela. Relações sociais e serviço social no Brasil. 41. ed. São Paulo: Cortez, 1982.

KOVAL, Boris. História do proletariado brasileiro (1857-1967). São Paulo: Alfa-Omega, 1982.

LINHARES, Hermínio. Contribuição à história das lutas operárias no Brasil. 2. ed. São Paulo: Alfa-Ômega, 1977, p. 33.

MATTOS, Marcelo Badaró. Escravizados e livres: experiências comuns na formação da classe trabalhadora carioca. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2008.

MARX, Karl. O capital. Livro III. Vol. IV. Rio de Janeiro, Difel, 1983.

MARX, Karl. O capital. Livro I. Vol. I. Rio de Janeiro, Difel, 1996.

MARX, Karl. Salário, Preço e Lucro. São Paulo: Global, 1987.

MANDEL, Ernest. A crise do capital. Os fatos e sua interpretação marxista. São Paulo: Ensaio, 1990.

MARINI, Rui Mauro. Dialética da dependência. Petrópolis: Vozes, 2000.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro do. Curso de direito do trabalho: história e teoria geral do direito do trabalho: relações individuais e coletivas do trabalho. 25. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

ROSSI, Valdemar; GERAB, William Jorge. Para entender os sindicatos no Brasil: uma visão classista. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

SALÁRIO mínimo em janeiro deveria ser de R$3.928,73, diz DIEESE. UOL, notícias, 6 fev. 2019. Disponível em: https://www.bol.uol.com.br/noticias/2019/02/06/salario-minimo-ideal-em-janeiro-dieese.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em: 5 mar. 2019.

SANTA CATARINA. Lei complementar do Estado de Santa Catarina nº 459 de 30.09.2009. Institui no âmbito do Estado de Santa Catarina pisos salariais para os trabalhadores que especifica e adota outras providências. Diário Oficial do Estado (DOE-SC), Florianópolis, 30 set. 2009. Disponível em: http://www.normaslegais.com.br/legislacao/lcsc459_2009.htm. Acesso em: 29 jun. 2015.

SEVERO, Valdete Nunes. A hermenêutica trabalhista e o princípio do trabalho. In: SOUTO MAIOR, Jorge Luiz; SEVERO, Valdete Souto. Resistência: aportes teóricos contra o retrocesso trabalhista. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

SILVA, José Antonio Ribeiro de Oliveira. A flexibilização da jornada de trabalho e seus reflexos na saúde do trabalhador. In: NAVARRO, V.L.; SOUZA, E. A. (org.). O Avesso do Trabalho III. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SILVA, Mauri Antônio. Consequências da crise do capital sobre a classe trabalhadora (1990 a 2016). 2017. Tese (Doutorado em Serviço Social)- Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

SINGER, André. A (falta) de base política para o ensaio desenvolvimentista. In: SINGER, André; LOUREIRO, Isabel (org.). As contradições do lulismo: a que ponto chegamos? São Paulo: Boitempo, 2016.

SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. Curso de direito do trabalho: teoria geral do direito do trabalho. vol. I. Parte I. São Paulo: LTR, 2011.

TEIXEIRA, Marilane Oliveira [et al.]. Contribuição crítica à reforma trabalhista. Campinas: UNICAMP/IE/CESIT, 2017. 328 p.

VALENCIA, Adrián Sotelo. Crisis capitalista y desmedida del valor. Um enfoque desde los grundrisse. México: Universidad Autónoma Nacional de México/Itaca, 2010.

Publicado
2019-10-06