Breves compreensões sobre as "cores" da diversidade sexual e de gênero: situando o serviço social

  • Anabella Pavão da Silva Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, UNESP, campus de Franca https://orcid.org/0000-0002-0723-5879
  • Neide Aparecida de Souza Lehfeld Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, UNESP, campus de Franca https://orcid.org/0000-0002-3630-1134
Palavras-chave: Comunidade LGBTQI , Identidades de Gênero, Orientações Sexuais, Combate às Opressões, Serviço Social.

Resumo

O presente texto apresenta a partir da perspectiva crítica e reflexiva, algumas contribuições ao Serviço Social sobre o debate LGBTQI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgêneros, Queers, Intersexuais...). Entende-se que a categoria profissional e estudantil, a partir do compromisso ético-político, deve se aproximar das compreensões e do debate, repensando posicionamentos, se aproximando da diversidade. O enfoque deste trabalho se localiza na exposição e diferenciação de identidades de gênero e orientações sexuais, apresentando algumas compreensões das múltiplas categorias de gênero, dentre inúmeras outras, que vem nascendo em meio à diversidade humana. O texto termina com uma provocação política, teórica e crítica acerca da comunidade LGBTQI+ e o combate às opressões de gênero e sexualidade.

Biografia do Autor

Anabella Pavão da Silva, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, UNESP, campus de Franca

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Serviço Social da UNESP/Franca. Mestre (2015) em Serviço Social pela UNESP/Franca. Assistente Social graduada pela Universidade de Ribeirão Preto (2009). Professora Bolsista dos cursos de Serviço Social e Relações Internacionais da UNESP/Franca. Bolsista CAPES. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Políticas Públicas para a Infância e Adolescência (GEPPIA) e do Grupo PICO (Pesquisa Interdisciplinar de Combate às Opressões), da UFTM.

Neide Aparecida de Souza Lehfeld, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, UNESP, campus de Franca

Livre docente. Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora Titular da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, UNESP, campus de Franca, sito a Avenida Eufrázia Monteiro Petráglia, 900 – Jardim Antonio Petráglia, Franca/SP, telefone – 16 3706 8794. Contato: nlehfeld@unaerp.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3630-1134.

Referências

ANDRADE, D. Cis, Trans, Travesti: o que significa? Não me Kahlo, 2015. Disponível em: https://www.naomekahlo.com/cis-trans-travesti-o-que-significa/. Acesso em: 19 set. 2019.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. vol. 2. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: versão atualizada até a emenda n. 90/2015. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 16 set. 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 10 mar. 2015.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAPARICA, M. Entenda as 56 opções de gênero do facebook. Lado Bi – cultura e cidadania LGBT na real e com local. Portal UOL, São Paulo, 2014. Disponível em: <http://ladobi.uol.com.br/2014/02/56-opcoes-genero-facebook/>. Acesso em: 3 ago. 2017.

CASSEMIRO, L. C. Tenho o direito de ser “Amapô”: as trajetórias de travetis e transexuais face à implementação das políticas públicas de assistência social e saúde. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2010.

CISNE, M.; SANTOS, S. M. M. dos. Feminismo, diversidade sexual e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2018. (Biblioteca básica do Serviço Social, v. 8).

CORPORALIDADES. Grupo de Estudos sobre Corporalidade e Promoção da Saúde. Movimento Assexual. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, 2011. Disponível em: http://gecopros.blogspot.com.br/2011/04/movimento-assexual.html. Acesso em: 03 ago. 2017.

CUNHA, S. (tradutora). LGBTI: o que é intersexo? Esquerda net., Lisboa, 2015. Disponível em: http://www.esquerda.net/artigo/lgbti-o-que-e-intersexo/37566. Acesso em: 03 ago. 2017.

DICIONÁRIO de Gênero. Concepção de pangênero. 2017. Disponível em: http://dicionariodegeneros.com.br/. Acesso em: 03 ago. 2017.

DUPAS. G. Ética e Poder na sociedade da informação. UNESP, 2001.

DUPRAT, R. Eles fazem a diferença! Revista A Capa, São Paulo: Infonet Business, Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Simpatizantes, n. 23, p. 34 – 35, jun.2009.

FINCO, D. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pro-Posições, v. 14, n. 3 (42), set./dez. 2003.

INTERSEX SOCIETY OF NORTH AMERICA. What is intersex? Disponível em: http://www.isna.org/faq/what_is_intersex. Acesso em: 3 ago. 2017.

KASS, H. O que são pessoas cis e cissexismo? Ensaios de gênero, 2012. Disponível em: https://ensaiosdegenero.wordpress.com/2012/09/17/o-que-sao-pessoas-cis-e-cissexismo/. Acesso em: 3 ago. 2017.

LEVANTE Popular da Juventude. Compromisso com o combate às opressões. Blog Levante Popular da Juventude, 2016. Disponível em: http://levante.org.br/blog/?p=1067. Acesso em: 3 ago. 2017.

MARX, K. ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

ORIENTAÇÃO Sexual e identidade de gênero: para além do binarismo. Blog Um pote de ouro: o que se encontra no fim do arco-íris?, 2015. Disponível em: http://umpotedeouro.blogspot.com.br/2015/01/orientacao-sexual-e-identidade-de.html. Acesso em: 03 ago. 2017.

PAIVA, V. Nova York agora reconhece 31 diferentes tipos de gênero. Terra hypeness, 2016. Disponível em: http://www.hypeness.com.br/2016/06/nova-york-agora-reconhece-31-diferentes-tipos-de-genero/. Acesso em: 3 ago. 2017.

PELUCIO, L. Três casamentos e algumas reflexões: notas sobre conjugalidade envolvendo travestis que se prostituem. Estudos Feministas, vol.14, n.2, pp.522-534, mai-ago, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v14n2/a12v14n2.pdf. Acesso em: 03 ago. 2017.

SAFIOTTI, H. Gênero, patriarcado e violência. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular e Perseu Abramo, 2015.

SANTOS, S. M. de M. O pensamento da esquerda e a política de identidade: as particularidades da luta pela liberdade de Orientação Sexual. 333 p. Tese (Doutorado em Serviço Social)-Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

SILVEIRA, L. O que você precisa saber sobre transgeneridade, transexualidade, travestilidade e queer. Tradução de Sérgio Viula. Fora do Armário, 2013. Disponível em: http://www.foradoarmario.net/2013/05/o-que-voce-precisa-saber-sobre.html. Acesso em: 3 ago. 2017.

SILVA, A. P. da. As lutas LGBTQI+ e o recorte à população T: transexualidades, opressão e o movimento transfeminista. Apresentação elaborada para o dia internacional da mulher. Franca, 2019. (slides).

SOUZA, L. L. de. A construção de modelos e sua problematização no contexto escolar. In: ARAÚJO, Maria de Fátima; MATTIOLI, Olga Ceciliato (Org.). Genero e violência. São Paulo: Arte & Ciência, 2004.

TREVISAN, J. S. A voz do desejo: entre a autonomia e cooptação. In: GOLIN, C.; WEILER, L. G. (org.). Homossexualidades, cultura e política. Porto Alegre: Sulina, 2002. p. 164 – 205.

VIEIRA, H. O que é a teoria queer de Judith Butler? Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. São Paulo, 7 jun. 2016. Disponível em: http://paradasp.org.br/o-que-e-a-teoria-queer-de-judith-butler/. Acesso em: 19 set. 2019.

Publicado
2019-10-06