Diretrizes curriculares da ABEPSS e a questão agrária

Palavras-chave: Formaçao profissional, questão agrária, diretrizes curriculares

Resumo

Este artigo traz o debate da questão agrária como uma particularidade da questão social e a partir desse entendimento constrói o diálogo com o projeto de formação do serviço social brasileiro. Parte-se do pressuposto que as Diretrizes Curriculares da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS), que tem como fundamento a teoria social de Marx, exige a apreensão dos diversos conteúdos numa perspectiva de totalidade e, portanto, permite a análise das particularidades da questão agrária nos diferentes conteúdos dos núcleos que estruturam a proposta formativa. No entanto, a dificuldade na apropriação desse referencial e a perspectiva urbanocêntrica e fragmentária da produção do conhecimento pode afetar essa apreensão. Este artigo é um exercício de reflexão do lugar da questão agrária como particularidade da questão social em dois núcleos da formação que compõem as diretrizes: o de formação do ser social e o das particularidades da sociedade brasileira, afunilando o debate para uma matéria de maneira a dar visibilidade concreta, ainda que limitada, ao debate da questão agrária no projeto de formação.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL. Diretrizes Gerais para o curso de serviço social (com base no currículo mínimo aprovado em Assembléia Geral Extraordinária de 8 de novembro de a1996. Rio de Janeiro, novembro de 2006. Disponível em: http://www.abepss.org.br/files/Lei_de_Diretrizes_Curriculares_1996.pdf. Acesso em: 8 dez. 2015.

BRASIL. Lei Orgânica da Assistência Social. Brasília (DF), 1993. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8742compilado.htm. Acesso em: 7 dez. 2016.

GUERRA, I. Sobre a possibilidade histórica do projeto ético-político profissional: a apreciação crítica que se faz necessária. In: FORTI, V., GUERRA,I. Projeto Ético Político do Serviço Social: contribuições à sua crítica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

HAVEY, D. O novo imperialismo. 8. Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

IAMAMOTO, V. M. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 22. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

LOURENÇO. E. A. Alienação e Agravos à Saúde dos Trabalhadores no Setor Sucroenergético. In: NAVARRO, V. L., LOURENÇO,E. A.(orgs) O Avesso do Trabalho III: saúde do trabalhador e questões contemporâneas. São Paulo: Outras Expressões, 2013. 494p.

LOURENÇo, E. A. S.; SANT’ANA, R. S.; CARMO, O. A. Precarização e degradação do trabalho no setor canavieiro e citrícola no interior do Estado de São Paulo. In: NAVARRO, V. L.; LOURENÇO, E. A. (Orgs.). O avesso do trabalho IV: precarização e adoecimento no mundo do trabalho. São Paulo: Outras Edições, 2017.

MARX, K. Para a crítica da Economia política: salário, preço e lucro/o rendimento e suas fontes. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Coleção os Economistas).

MASSON, G. A. Um estudo do Benefício de Prestação Continuada no município de Altinópolis: o impacto na vida de seus beneficiários. Orientadora: Profª. Drª. Patrícia Soraya Mustafa. 2011. 176 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social)-Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2011.

MÉSZÁROS, I. Para Além do Capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo Editorial, 2006.

MÉSZÁROS, I. Para Além do Capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

MITIDIERO JÚNIOR, M. A. Crise do capital global, natureza e agronegócio. In: Ramos Filho, E.S.; MITIDIERO, J. M. A.; SANTOS, L. R. S (Orgs). Questão agrária e conflitos territoriais. São Paulo: Outras Expressões, 2016.

MOTA, A. E. Trabalho e Serviço Social: considerações sobre o conteúdo dos componentes curriculares. Temporalis, Brasília (DF): Abepss, ano 7, n. 14, jul./dez. 2007.

NETTO, J. P.Introdução ao método na teoria social. Direitos sociais e competências profissionais. Conselho Federal de Serviço Social e Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009, p. 667-700.

NETTO, J. P. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1996.

NETTO, J. P. Ditadura e Serviço Social: uma análise do serviço social pós 64. São Paulo: Cortez, 1992.

SANT’ANA, R. S.Trabalho e modelo de desenvolvimento: a realidade rural e as expressões da questão social. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 120, p. 723-745, out./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n120/08.pdf. Acesso em: 7 dez. 2016.

SANT’ANA, R. S. Trabalho bruto no canavial: questão agrária, assistência e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2012.

SANT’ANA, R. S.; CARMO. As Condições de Trabalho no setor Sucroalcoleiro. In: LOURENÇO, E.A; NAVARRO,V.; SANT’ANA, R.S.; BERTANI, I; SILVA, J. F. S. O Avesso ao Trabalho II. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p.343-66.

SANT’ANA, R. S; GOMES, L; CAMPOS, J. C. O trabalho assalariado nos milharais da Monsanto: um estudo sobre as atividades da região de Franca, SP. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM SERVIÇO SOCIAL, 15., 2016, Ribeirão Preto. [Anais...]. Ribeirão Preto, 2016.

ZIEGLER, J. Destruição em massa: geopolítica da fome. São Paulo: Cortez, 2013.

Publicado
2019-10-06