INOVAÇÕES INSTITUCIONAIS PARTICIPATIVAS EM SAÚDE: ANÁLISE DA PRODUÇÃO BRASILEIRA 2018

Júlia Prado Pereira da Silva, Marcia Prezotti Palassi, Ana Paula Paes de Paula

Resumo


Este trabalho apresenta um levantamento exploratório da literatura brasileira sobre inovações institucionais participativas em saúde, identificando os limites e avanços dessas pesquisas, apontando lacunas e uma agenda de investigação. Para isso, no Núcleo de Estudos em Participação e Subjetividades – NEPS e no Observatório de Práticas Participativas – OPP (que se insere no núcleo), vinculados ao Programa de Pós-Graduação em Administração – PPGADM, da Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, discutimos iniciativas que envolvem participação no campo da saúde, no âmbito da gestão pública, da sociedade civil e dos movimentos sociais, enfatizando sua importância no contexto da esfera pública. Em um primeiro momento, identificamos quais são os autores e referências bibliográficas mais citadas nos artigos identificados no levantamento (MACPHERSON, 1977; PATEMAN, 1992). Dentre estas referências, adotamos àquelas mais pertinentes ao objetivo deste trabalho. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica (CASTRO, 2010) realizada no Portal de Periódicos CAPES até março de 2018, onde foram identificados 85 artigos na pesquisa que gerou este trabalho. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo (BARDIN, 2011), agrupando-as em sete categorias: 1) audiências públicas; 2) conselhos; 3) controle de doenças; 4) ong’s; 5) gestão participativa; 6) educação e; 7) estratégia.  Para analisar os dados e discutir os resultados, recorremos às distribuições de frequência, dispostas em tabelas  e gráfi­cos:

  • Tabela 1 - Distribuição temporal dos periódicos; Tabela 2 - Distribuição dos tipos de experiências na área da saúde; Tabela 3 - Número de artigos publicados na área da saúde por periódicos;
  • Gráfico 1 - Artigos na área da Saúde – percentual por década; Gráfico 2 - Tipos de Experiências na área da Saúde.

Os resultados revelam um aumento na publicação de artigos nos periódicos da área da saúde, como pudemos adiante comparar através da Tabela 1. Na década de 1990, tínhamos 13 publicações, já a partir da década de 2010 temos 46 publicações. Suas distribuições revelam maior frequência na categoria (2) conselhos, instituição participativa mais pesquisada nos artigos publicados. Da mesma forma, porém agora analisando cada publicação, observamos maior aderência ao Caderno de Saúde Pública, contemplando 23 artigos publicados. Na conclusão, apresentamos o status das pesquisas sobre inovações institucionais participativas em saúde e uma agenda de pesquisa para orientar futuras investigações sobre o tema.

Palavras-chave: Participação social; Inovações institucionais participativas; Saúde.

Keywords: Social participation; Participatory institutional innovations; Cheers.

 Referências

 BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

 CASTRO. Aldemar A. Revisão Sistemática e Meta-análise. Disponivel em:

http://www.metodologia.org. Acesso em: 20 jan. 2010.

 MACPHERSON, Crawford B. A democracia liberal: origens e evolução. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1977.

 PATEMAN, Carole. Participação e teoria democrática. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

 

 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.