A CONCILIAÇÃO NO BRASIL E A IMPORTÂNCIA DA FIGURA DOS JUÍZES LEIGOS PARA O SEU DESENVOLVIMENTO

Adriana Pereira Campos, João Vitor Sias Franco

Resumo


A conciliação é forma alternativa de resolução de conflitos que vem sendo utilizada no ordenamento jurídico brasileiro desde o período colonial, com especial destaque para a atuação dos juízes de paz no Brasil Império na busca da conciliação como equivalente jurisdicional, sendo importante ferramenta de promoção do acesso à Justiça e da duração razoável do processo. Entretanto, ao longo da história do direito brasileiro, a conciliação acabou sendo relegada a segundo plano. Na Constituição Federal de 1988, entretanto, houve a retomada da conciliação e de sua relevância para o desenvolvimento do sistema jurídico, com a determinação da instituição dos Juizados Especiais e a criação da figura dos juízes leigos, com inspiração no trabalho desenvolvido pelos juízes de paz no Brasil Império, com atribuição, especialmente, para o desenvolvimento da conciliação nos juizados, o que vem realizando de forma exitosa e eficaz, com aumento significativo dos índices de conciliação nos juizados em que há a atuação desses profissionais, promovendo maior efetividade ao Poder Judiciário.


Texto completo:

PDF

Referências


ABELHA, Marcelo. Manual de direito processual civil, 6. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2016.

ANDRIGHI, Fátima Nancy. Corregedora Nancy Andrighi defende a retomada da simplicidade e informalidade nos Juizados Especiais como forma de celebrar os 20 anos da Lei 9.099/1995: depoimento. [15 de dezembro de 2015]. Brasília: Revista CNJ. Entrevista concedida em comemoração aos 20 anos dos Juizados Especiais.

ANDRIGHI, Fátima Nancy. Juiz leigo: adoção necessária nos juizados especiais. Brasília, DF, 22 jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2017.

ARRUDA, Samuel Miranda. O direito fundamental à razoável duração do processo. Brasília: Brasília jurídica, 2006

BAPTISTA, Francisco Paula. Compêndio de theoria e prática do processo civil comparado com o commercial e da hermenêutica jurídica. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1907.

BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone, 1995.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Justiça em números 2016: ano-base 2015. v. II. Brasília: CNJ, 2016. Disponível em: < http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2017/05/4c12ea9e44c05e1f766230c0115d3e14.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Mediação e conciliação, qual a diferença?. Brasília. Disponível em: < http://www.cnj.jus.br/programas-e-acoes/conciliacao-e-mediacao-portal-da-conciliacao>. Acesso em 18 jan 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. O que faz o juiz leigo?. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 18 jan 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Tribunais de Justiça contratam juízes leigos para reforçar Juizados Especiais. Brasília. 2015. Disponível em: . Acesso em 01 set. 2017.

BRASIL. Constituição Política do Império do Brazil, de 25.03.1824. Rio de Janeiro, 1824. Disponível em: . Acesso em 18 jan 2017.

BRASIL. Decreto n.º 359, de 26 de abril de 1990. Rio de Janeiro, 1890. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-359-26-abril-1890-506287-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 25 jan 2017.

BRASIL. Decreto-Lei n.º 1.608, de 18.09.1939. Rio de Janeiro, 1939. Disponível em: . Acesso em: 25 jan 2017.

BRASIL. Lei n.º 13.105, de 16.03.2015. Brasília. Disponível em: . Acesso em 25 jan 2017.

BRASIL. Lei n.º 5.869, de 11.01.1973. Brasília, 1973. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5869impressao.htm>. Acesso em 25 jan 2017.

BRASIL. Lei n.º 7.244, de 07 de novembro de 1984. Brasília. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1980-1988/L7244.htm>. Acesso em: 25 jan 2017.

BRASIL. Lei n.º 9.099, de 26.09.1999. Brasília. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9099.htm>. Acesso em 25 jan 2017.

BRASIL. Lei n.º 9.958, de 12.01.2000. Brasília. Disponível em: . Acesso em 25 jan 2017.

BRASIL. Resolução Imperial de 28 de dezembro de 1876. Rio de Janeiro.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade n.º 2.139 e 2.160. Relator: Ministro Marco Aurélio Mello. 23 de outubro de 2009. Disponível em: . Acesso em 25 jan 2017.

BUZAID, Alfredo. Estudos e pareceres de direito processual civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

CAMPOS, Adriana Pereira e SOUZA, Alexandre de Oliveira Bazílio. A Conciliação e os Meios Alternativos de Solução de Conflitos no Império Brasileiro. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 59, n.º1, 2016. p. 271-298.

CAMPOS, Adriana Pereira; VELLASCO, Ivan. Juízes de Paz, mobilização e interiorização da política. In: CARVALHO, José Murilo; CAMPOS, Adriana (Org.). Dimensões da Cidadania. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania: tipos e percursos. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n.18, 1996. p. 337-360.

CAVALCANTE, Nykson Mendes Lacerda. A conciliação como instrumento de pacificação social na resolução de conflitos. 2013. Disponível em: . Acesso em 11 jan 2017.

CAYRES, Nelson A. Vem ai o novo CPC. Direito em ação, Brasília, v.9 n.1, jul./dez. 2012. p. 13-46.

CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini;

DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. 24 ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

CODA, Alexandra. Os eleitos da Justiça: a atuação dos juízes de paz em Porto Alegre (1827-1841). Dissertação (Mestrado em História) — Programa de Pós-Graduação em História, UFRGS, Porto Alegre, 2012.

CORDEIRO, Carlos José; GOMES, Josiane Araújo. Juizados Especiais Cíveis e litígios consumeristas: necessidade de especialização jurisdicional. Revista CNJ, Brasília, v. 1, dezembro 2015, p. 36-43. 2015.

CORREA, Guilherme Augusto Bittencourt. O papel do condutor do processo -Juiz Togado, Juiz Leigo e Conciliador - no âmbito dos Juizados Especiais Cíveis Estaduais. Disponível em: . Acesso em: 26 jan 2017.

DE PINHO, Humberto Dalla Bernardina. Art. 166. In: STRECK, Lenio Luiz; NUNES, Dierle; CUNHA, Leonardo (orgs). Coentários ao Código de Processo Civil. São Paulo: Saraiva, 2016.

DIDIER JR., Fredie. Curso de direito processual civil: introdução ao direito processual civil, parte geral e processo de conhecimento. 17. ed. Salvador: Jus Podivm, 2015.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil. 5 ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

FERRAZ, Taís Schilling. A conciliação e sua efetividade na solução dos conflitos. Disponível em: . Acesso em: 21 jan 2017.

FERREIRA, J. O. Cardona. Justiça de Paz. Julgados de Paz. Abordagem numa perspectiva de Justiça/Ética/Paz/Sistemas/Historicidade. Coimbra: Coimbra Editora, 2005.

FLORY, Thomaz. El juez de paz y El jurado em El Brasil imperial (1808-1871). México: Fondo de Cultura Economia, 1986.

GIANULO, Wilson. A demora na entrega da tutela jurisdicional. Tese (Doutorado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito,

MACKENZIE, São Paulo, 2015.

HESPANHA, Antonio Manuel. O caleidoscópio do direito: o direito e a justiça nos dias e no mundo de hoje. Coimbra: Almedina, 2009.

LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

MAGANO, Octávio Bueno. Direito e repressão. Arquivos do Ministério da Justiça. Brasília, n.º 167, v. 39, p. 41-46, nov. 1985.

MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Acesso à justiça: condicionantes legítimas e ilegítimas. São Paulo: RT, 2011.

MARINONI, Luiz Guilherme. ARENHART, Sérgio Cruz, Manual do processo de conhecimento. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

MORAIS, José Luiz Bolzan de. Mediação e arbitração: alternativas à jurisdição. Porto Alegre: Livraria do advogado, 1999.

PELUSO, Antonio Cesar. Discurso de posse na Presidência do Supremo Tribunal Federal. Supremo Tribunal Federal – Secretaria de documentação, 2010. Disponível em: . Acesso em 31 ago 2017.

PONCIANO, Vera Lúcia Feil. Morosidade do poder judiciário: prioridades para a reforma. Revista Scientia Iuris, Londrina, n. 11, p. 209-226, nov. 2007.

PORTUGAL. ORDENAÇÕES FILIPINAS. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1984.

RIBAS, Antonio Joaquim; RIBAS, Júlio Adolpho. Consolidação das leis do processo civil. Rio de Janeiro: Dias da Silva Junior, 1879.

SLEMIAN, Andréa. Sob o império das leis: Constituição e unidade nacional na formação do Brasil (1822-1834). São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2009.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Ação Declaratória de Inconstitucionalidade por Omissão n.º 40, Ministério Público Federal (autor) e Tribunal de Justiça do estado do Acre e outros (requeridos). Brasília, 04 de abril de 2017.

TENENBLAT. Limitar o acesso ao Poder Judiciário para ampliar o acesso à justiça. Revista CEJ, Brasília, a. XV, n. 52, jan./mar. 2011, p. 23-35.

WEINRIB, Ernest J. Legal formalism: on the immanent rationality of law. Yale Law Journal, y. 97, p. 949-1016. 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Anais dos Encontros Internacionais UFES/PARIS-EST