A UFES E A POLÍTICA DE MODERNIZAÇÃO CONSERVADORA E AUTORITÁRIA DA DITADURA MILITAR

Ayala Rodrigues Oliveira Pelegrine

Resumo


No período da presidência de Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), o paradoxo entre as forças modernizantes e repressivas da política adotada pela ditadura militar ficou ainda mais evidente. Na esteira do projeto de desenvolvimento nacional “rápido e seguro”, o governo de Médici materializou a Reforma Universitária, cumprindo o objetivo de sintonizar as universidades com as demandas do almejado “milagre” brasileiro. Ao mesmo tempo, ancorada em elementos da cultura política do regime, como o autoritarismo e o anticomunismo, sua gestão reforçou a repressão política como forma de viabilizar a modernização, expandindo o alcance da comunidade de segurança e informações para o interior das universidades. Posto isso, a partir das noções de adesão, acomodação e resistência, objetiva-se discutir como modernização e repressão se desdobraram na Universidade Federal do Espírito Santo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Anais dos Encontros Internacionais UFES/PARIS-EST