Migração na Região Metropolitana do Recife: considerações sobre gênero, regiões e cidades brasileiras

Maria do Carmo Maracajá Alves, Marcelo da Costa Borba, Josefa Ediliede Santos Ramos, Jose Eduardo Melo Barros, Carmen Roselaine de Oliveira Farias

Resumo


Este artigo tem o objetivo de analisar a migração inter-regional brasileira, por gênero, para a Região Metropolitana do Recife. O estado pernambucano apresentou uma alta taxa de migração de retorno e temporária com menor incidência migratória no último censo (2010). Fato incomum, uma vez que sempre foi ofertante de mão de obra para o Brasil. A justificativa para essa mudança do comportamento da população é o crescimento econômico local. Para o retorno de estrangeiros, deve-se considerar ainda, a crise da Europa e dos Estados Unidos. O estudo do movimento das populações é relevante, pois uma migração desordenada tem algumas consequências, como o êxodo, a favelização, o desequilíbrio do capital humano, a elevação da densidade demográfica. Porém, como cercear o migrante que busca por melhores perspectivas de vida, oportunidades de trabalho, fuga da miséria e da violência? O Censo Demográfico 2010 foi a base de dados utilizada para o estudo estatístico descritivo. Quanto aos fundamentos teóricos, a pesquisa bibliográfica desenvolveu-se sobre os aspectos da Migração e a Teoria do Desenvolvimento Econômico. Esta análise mostrou que a RMR recebeu mais mulheres oriundas das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e mais homens das regiões Sul e Sudeste. Quanto aos aspectos da migração de retorno, Pernambuco e a sua RMR tiveram maior incidência no período de 2005 a 2010, período também de maior crescimento econômico e instalação de grandes empresas no Estado.

Texto completo:

PDF

Referências


BAENINGER, R. 2012. Rotatividade Migratória: um novo olhar para as migrações internas no Brasil. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, Brasília, DF, v. 20, n. 39, pp. 77-100.

BOUCINHAS FILHO, J. C.; BARBAS, L. M. V. 2013. Migração de trabalhadores para o Brasil: aspectos teóricos e práticos. São Paulo: Saraiva.

BRAGA, F.; MATOS, R. 2017. Quem são os migrantes das metrópoles? Uma análise comparativa das pessoas que entraram e saíram das regiões metropolitanas brasileiras. GOT, Revista de Geografia e Ordenamento do Território, n. 11, pp. 59-81.

BRASIL. 2013. Memorando nº 907/2013 de 30 de julho de 2013. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional da Justiça. Brasília.

BRITO, F. 2006. O deslocamento da população brasileira para as metrópoles. Estudos Avançados, v. 20, n. 57, pp. 221-236.

CAMARANO, A. A.; ABRAMOVAY, R. 1999. Êxodo Rural, Envelhecimento e Masculinização no Brasil: panorama dos Últimos 50 anos. Brasília: IPEA, (TD 651).

FUSCO, W.; DUARTE, R. 2010. Regiões Metropolitanas do Nordeste: origens, destinos e retornos de migrantes. Anais do XVII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, Caxambú, v. 20.

GOTTARDI, A. P. P. 2015. De porto a porto: o Eldorado Brasileiro na percepção dos imigrantes haitianos em Porto Velho-RO. Porto Alegre.116 p. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em História.

GUIRAO, B.; LARA-GALERA, A.; CAMPA, J. L. 2017. High Speed Rail commuting impacts on labour migration: The case of the concentration of metropolis in the Madrid functional area. Land Use Policy, v. 66, pp. 131–140.

IBGE. Censo Demográfico. 2010. Nupcialidade, Fecundidade e Migração. Resultados da Amostra. Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE. Censo Demográfico. 2010. Rio de Janeiro: Dados Estatísticos. IBGE, 2010. Disponível em: . Acesso em: jul 2015

JIN, J.; RAFFERTY, P. 2017. Does congestion negatively affect income growth and employment growth? Empirical evidence from US metropolitan regions. Transport Policy, v. 55, pp. 1–8.

JUSTO, W. R.; SILVEIRA NETO, R. M. 2009. Quem são e para onde vão os migrantes no Brasil? O perfil do migrante interno brasileiro. In: Dinâmica do Mercado de Trabalho do Nordeste. MONTE, P. A.; MOREIRA, I. T. (org.). João Pessoa: Editora Universitária – UFPB, pp. 87-110.

MARIN, S. R. 2007. Caderno Didático n. 1: introdução à Economia. UFSM: Palmeira das Missões. Disponível em: . Acesso em out 2015.

MONTAGNER, P. 2009. O desenvolvimento econômico e a estrutura das ocupações - a situação brasileira entre 2003-2007. In. BALTAR, Paulo Educado Andrade; KREIN, J. D.; SALAS, C. (org.). Economia e Trabalho: Brasil e México. Debates Contemporâneos: Economia Social e do trabalho. São Paulo: LTr, pp. 82-98.

NUNES, E. S.; SILVA, J. G.; QUEIROZ, S. N. 2017. Migração inter-regional no Brasil: o que há de novo? RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 2, n. 37, pp. 388-407.

REIS, C. S.; CAMPOS, J.; COLLA, C. 2017. Caracterização espacial da migração de retorno ao Nordeste: uma análise dos fluxos migratórios intermunicipais nos quinquênios 1995-2000 e 2000-2010. Anais, pp. 1–21.

RIGOTTI, J. I. R.; CAMPOS, J.; HADAD, R. M. 2017. Migrações internas no Brasil:(des) continuidades regionais à luz do Censo Demográfico 2010. Revista Geografias, pp. 8–24.

ROWE, F.; CORCORAN, J.; BELL, M. 2017. The returns to migration and human capital accumulation pathways: non-metropolitan youth in the school-to-work transition. The Annals of Regional Science, v. 59, n. 3, p. 819–845.

SAVITCH, H. V.; ADHIKARI, S. 2017. Fragmented Regionalism: Why Metropolitan America Continues to Splinter. Urban Affairs Review, v. 53, n. 2, p. 381–402.

SEMAN, M.; CARROLL, M. C. 2017. The Creative Economies of Texas Metropolitan Regions: a comparative analysis before, during, and after the recession. Growth and Change.

SINGER, P. I. 1972. Migrações internas: considerações teóricas sobre o seu estudo. Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional.

SIQUEIRA, L. B. O.; MAGALHÃES, A. M.; SILVEIRA NETO, R. M. 2009. Tendências recentes da migração e o crescimento da migração de retorno no Brasil: Como o movimento de retorno tem afetado o fluxo de migração para o Nordeste? In: MONTE, P. A.; MOREIRA, I. T. (org.). Dinâmica do Mercado de Trabalho do Nordeste. João Pessoa: Editora Universitária – UFPB, pp. 73-86.

SMĘTKOWSKI, M. 2017. The role of exogenous and endogenous factors in the growth of regions in Central and Eastern Europe: the metropolitan/non-metropolitan divide in the pre-and post-crisis era. European Planning Studies, p. 1–23.

TODARO, M. P.; SMITH, S. C. 1970. Economic development. New York University and The Population Council: Pearson.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 INDEXADORES:

          

                

 

Cadecs: Caderno Eletrônico de Ciências Sociais

e-ISSN: 2318-6933

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.