“Crianças do Astral”: a infância no Centro Ayahuasqueiro Flor de Jasmim

Wagner Lins Lira, Hugo Monteiro Ferreira

Resumo


O objetivo deste ensaio etnográfico volta-se à descrição e ao entendimento qualitativo dos fenômenos cotidianos e místicos experienciados por “crianças ayahuasqueiras” frequentadoras do “Centro Ayahuasqueiro Flor de Jasmim” (CAFJ); uma nova irmandade religiosa – norteada pelos princípios simbólicos e ritualísticos da Umbandaime – situada no município alagoano de Japaratinga. Buscamos, neste texto, nos aproximar desta peculiar cultura infantil, por meio de falas e ilustrações elencadas pelas próprias crianças deste grupo afro-ayahuasqueiro, cujas produções foram obtidas durante pesquisas de campo, ao longo dos anos de 2013 e 2014. Sendo assim, tentaremos demonstrar e analisar elementos de sua visão de mundo, assim como a efetiva construção de saberes e experiências locais, evidenciando o protagonismo das crianças no Terreiro e suas relações com os adultos e os planos místicos da “consciência ampliada” fornecidos pela ingestão da bebida ayahuasca.

Texto completo:

PDF

Referências


ALDERSON, P. 2000. Children as Researchers. The Effects of Participation Rights on Research Methodology. In: JAMES, A.; CHRISTENSEN, P. (org.) Research with Children: Perspectives and Practices. 2nd Edition. New York: Falmer Press.

BERCÊ, J. 2007. O canto e o bailado para a lua cheia: o Santo Daime incorporado à vida urbana de São Paulo. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

BORDONI, T. 2008 A descoberta de um universo: a evolução do desenho infantil. Disponível em: https://goo.gl/neNwvb. [Data de acesso: 19/07/2018].

BRANCHER, R. V. 2008. Cultura infantil: problematizando a ludicidade e o ser criança hoje. Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Porto Alegre. Disponível em: https://bit.ly/2GI4y8i. Data de acesso: 19/07/2018.

BROUGÈRE, G. 1998 A criança e a cultura lúdica. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v.24, n.02, São Paulo, pp. 103-116.

CAILLÉ, A. 2002a. Antropologia do dom: o terceiro paradigma. 1° Edição. Petrópolis: Editora Vozes.

CAILLÉ, A. 2002b. Dádiva e associação. In: MARTINS, P. H. (org.). A dádiva entre os modernos: discussão sobre os fundamentos e as regras do social. 1° Edição. Petrópolis: Editora Vozes.

CASTRO, E. V. 1996. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana [Online], v.02, n.02, pp. 115-144. Disponível em: https://bit.ly/2KrV1Za. Data de acesso: 18/07/2018.

CEMIN, A. B. 1998. Ordem, xamanismo e dádiva: O poder do Santo Daime. São Paulo. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade de São Paulo.

CEMIN, A. B. 2002. Os rituais do Santo Daime: sistemas de montagens simbólicas. In: LABATE, B. C.; ARAÚJO, W. S. (org.). O uso ritual da ayahuasca. 2° Edição. Campinas: Editora Mercado das Letras.

CODONHO, C. G. 2007 Aprendendo entre pares a transmissão horizontal de saberes entre as crianças indígenas Galibi-Marworno (Amapá, Brasil). Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade Federal de Santa Catarina.

COHN, C. 2005. Antropologia da criança. 1° Edição. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar.

CORSARO, W. 1997. The sociology of childhood. 1st Edition. California: Pine Forge Press.

CORSARO, W. 2003. We’re friends, right? Inside kids’ cultures. 1st Edition. Washington: Joseph Henry Press.

COSTA, R. B. M. 2009. Ayahuasca: uma experiência estética. Niterói. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal Fluminense.

COUTINHO, A. M. S. 2001 Infância e diversidade: as culturas infantis. Anais da 24° Reunião Anual de Pós-graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu. Disponível em: https://bit.ly/2HdqitK. Data de acesso: 19/07/2018.

COSTA, R. B. M. 2009. Ayahuasca: uma experiência estética. Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal Fluminense.

DOERING-SILVEIRA, E. 2003. Avaliação neuropsicológica de adolescentes que consomem chá ayahuasca em contexto ritual religioso. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Psiquiatria e Psicologia Médica). Universidade Federal de São Paulo.

DURAND, G. 2002. As estruturas antropológicas do imaginário. 3° Edição. São Paulo: Editora Martins Fontes.

ELIADE, M. 1979. Ocultismo, bruxaria e correntes culturais: ensaios em religiões comparadas. 1° Edição. Belo Horizonte: Editora Interlivros.

ELIADE, M. 1998. O Xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. 1° Edição. São Paulo: Editora Martins Fortes, 1998.

FAVRET-SAADA, J. 2005. Ser afetado. Revista Cadernos de Campo, São Paulo, n.13, pp. 155-161.

FEIJÃO, T. J. S. 2017 "Gira, gira criancinha": aprendizado da religião do Santo Daime por crianças frequentadoras do espaço Céu de Todos os Santos em Teresina (PI). Teresina. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade Federal do Piauí.

FERREIRA, H. M. 2008. A literatura na sala de aula: uma alternativa de ensino transdisciplinar. Natal. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

GEERTZ, C. 1989. A Interpretação das Culturas. 1° Edição. Rio de Janeiro: Editora LCT.

GIGLIOTTI, A.; BESSA, M. A. 2004. Alcohol Dependence Syndrome: diagnostic criteria. Revista Brasileira de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 26, pp. 11-13.

GIL, L. P. 2008. Metamorfoses Yaminawa: xamanismo e socialidade na Amazônia Peruana. Florianópolis. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade Federal de Santa Catariana.

GODBOUT, J. 1988. O espírito da dádiva. 1° Edição. Rio de Janeiro: Editora FGV.

GOLDSTEIN, D. 1998. Nothing bad intended: child discipline, punishment and survival in a Shantytown in Rio de Janeiro, Brazil. In: SCHEPER-HUGHES, N.; SARGENT, C. (org.) Small Wars: The cultural politics of childwood. 1st Edition. California: University of California Press.

GOULART, S. L. 2004. Contrastes e Continuidades em uma Tradição Amazônica. Campinas. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Estadual de Campinas.

GROB, C. S. 2006. The psychology of ayahuasca. In: METZNER, R. (org.). Sacred vine of spirits: Ayahuasca. 1st Edition. New York: Park Street Press.

HARNER, M. 1995. O caminho do xamã: um guia de poder e cura. 1° Edição. São Paulo: Editora Cultrix.

LABATE, B. C. 2004. A reinvenção do uso da ayahuasca nos centros urbanos. 1° Edição. Campinas: Editora Mercado das Letras.

LABATE, B. C. 2011. Consumption of ayahuasca by children and pregnant women: medical controversies and religious perspectives. Journal of Psychoactive Drugs. v. 01, n. 43, London, pp. 27-35. Disponível em: https://bit.ly/2uxucbP. Data de acesso: 18/07/2018.

LABATE, B. C.; GOULART, S. L.; CARNEIRO, H. 2005. Introdução. In: LABATE, B. C.; GOULART, S. L. (org.). O uso ritual de plantas de poder. 1° Edição. Campinas: Editora Mercado das Letras.

LA ROCQUE COUTO, F. 1989. Santos e xamãs. Brasília. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade de Brasília.

LA ROCQUE COUTO, F. 2002. Santo Daime: rito da ordem. In: LABATE, B. C.; ARAÚJO, W. S. (org.). O uso ritual da ayahuasca. 1° Edição. Campinas: Editora Mercado das Letras.

LIRA, W. L. 2009 Os trajetos do êxtase dissidente no fluxo cognitivo entre homens, folhas, encantos e cipós: uma etnografia ayahuasqueira nordestina. Recife. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade Federal de Pernambuco.

LIRA, W. L. 2016 “Daqui nós tira ou ouro de chá”: Umbanda, Santo Daime e xamanismo popular no tratamento religioso de patologias físicas, mentais e espirituais. O Caso de um Terreiro Alagoano. Recife. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade Federal de Pernambuco.

LIRA, W. L.; MEDEIROS, B. T. F. 2017. Atabaques no ‘Terreiro de Mãe Jana’: O Centro Ayahuasqueiro Flor de Jasmim e seus processos simbólicos e institucionais. Revista de Estudos e Investigações Antropológicas [Online], v. 04, n. 02, Recife, pp. 150-174. Disponível em: https://goo.gl/to6ihd. Data de acesso: 19/07/2018.

LUNA, L. E. 2011, Indigenous and Mestizo Use of Ayahuasca: An Overview. The Ethnopharmacology of Ayahuasca, v. 02, Kerala, pp. 01-21. Disponível em: https://bit.ly/2L8g3fP. Data de acesso: 18/07/2018.

MACRAE, E. 1992. Guiado pela Lua: Xamanismo e uso ritual da ayahuasca no culto do Santo Daime. 1° Edição. São Paulo: Editora Brasiliense.

MACRAE, E. 2008. A elaboração das políticas públicas brasileiras em relação ao uso religioso da ayahuasca. In: LABATE, B. C. et al. (org). Drogas e cultura: novas perspectivas. 1° Edição. Salvador: Editora da UFBA.

MAFFESOLI, M. 2001. Sobre o nomadismo: vagabundagens pós-modernas. 1° Edição. São Paulo: Editora Record.

MALINOWSKI, B. 1978. Os Argonautas do Pacífico Ocidental. 1° Edição. São Paulo: Editora Abril Cultura.

MARCHI, R. C. 2008. Os novos estudos sociais sobre a infância e a ‘dupla alteridade’ das crianças ‘de rua’: a sociologia da infância e a antropologia da criança em debate. Anais do 32º. Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, Caxambu. Disponível em: https://bit.ly/2GD5dvP. Data de acesso: 19/07/2018.

MAUSS, M. 2003. Ensaio sobre a Dádiva. In: MAUSS, M (org). Marcel Mauss: Antropologia e sociologia. 1° Edição. São Paulo: Editora Cosac &. Naify.

MELLO, F. C. 2006. Aetchá Nhanderukuery Karai Retarã. Entre deuses e animais: xamanismo, parentesco e transformação entre os Chiripá e Mbyá Guarani. Florianópolis. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade Federal de Santa Catarina.

MIKOSZ, J. E. 2009. A Arte Visionária e a Ayahuasca: Representações visuais de espirais e vórtices inspiradas nos Estados Não Ordinários de Consciência (ENOC). Florianópolis. Tese (Doutorado em Ciências Humanas). Universidade Federal de Santa Catarina.

MORIN, E. 2010. Ciência com consciência. 14° edição. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil.

MORUZZI, A. B. 2008. Cultura da infância: entre textos, desenhos e outras linguagens intervenções infantis nas formas de subjetividade. Anais do 4° Seminário sobre Linguagens: Políticas de Subjetivação, Rio Claro. Disponível em: https://bit.ly/2Eq470E. Data de acesso: 19/07/2018.

NASCIMENTO, N. B. 2007. A cidade (re)criada pelas crianças - muitas cidades possíveis na cidade de São Paulo. In: TRINDADE, V. et al. (org). A unicidade do conhecimento. 1° Edição. Évora: Editora da Universidade de Évora.

NICOLESCU, B. 1999. O manifesto da transdisciplinaridade. 1° Edição. São Paulo: Editora Triom.

NOTO, A. R.; GALDURÓZ, J. C. 1999. O uso de drogas psicotrópicas e a prevenção no Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.04, n.05, 145-151.

OLIVEIRA, J. E. B. 2008. Santo Daime, o professor dos professores: a transmissão do conhecimento através dos hinos. Fortaleza. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade Federal de Fortaleza.

PEIRANO, M. 1995. A favor da etnografia. 1° Edição. Rio de Janeiro: Editora Relume-Dumará.

PIRES, F. F. 2007. Quem tem medo de mal-assombro? Religião e Infância no semi-árido nordestino. Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade Federal do Rio de Janeiro.

REICHEL-DOLMATOFF, G. 1968. Amazonian Cosmos: The sexual and religious symbolism of the Tukano Indians. 1st Edition. Chicago: University of Chicago Press.

REICHEL-DOLMATOFF, G. 1975. The shaman and the jaguar: a study of narcotic drugs among the Indians in Colombia. 1st Edition. Filadélfia: Temple University Press.

SARMENTO, M. J. 2005 Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, pp. 361-378.

SCHENKER, M.; MINAYO, M. C. S. 2005. Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 03, pp. 707-717.

SHANON, B. 2003. Os conteúdos das visões da ayahuasca. Mana [Online], v. 09, n. 02, pp. 109-152. Disponível em: https://goo.gl/VcKhV8. Data de acesso: 19/07/2018.

SIROTA, R. 1998. L’Émergence d’une sociologie de l’enfance: évolution de l’objet, évolution du regard. Journal Éducation et Societés, Paris, n. 2, pp. 09-33.

SOUSA, E. L. 2005. Infância no caleidoscópio: desconstruindo conceitos, desestabilizando teorias. Caderno Pós Ciências Sociais [Online], v. 02, n. 03, pp. 53-78. Disponível em: https://bit.ly/2zPFbT7. Data de acesso: 18/07/2018.

TEIXEIRA, M. R. C. 2004. Em roda dos meninos: um estudo da visão de mundo construída pelas crianças da floresta, na cotidianidade da doutrina do Santo Daime, na Vila Céu do Mapiá/AM. Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina.

VIRTANEN, P.K. 2009. Shamanism and indigenous youthhood in the Brazilian Amazon. Amazônica-Revista de Antropologia, Belém: Editora da UFPA, v. 01, n. 01, pp. 01-27. Disponível em: https://bit.ly/2Jyj3fu. Data de acesso: 18/07/2018.

WAGNER, R. 1981. The invention of culture. 1st Edition. Chicago: University of Chicago Press.

WARTOFSKY, M. 1999. A construção do mundo da criança e a construção da criança do mundo. In: KOHAN, W. O; KENNEDY, D. (org). Filosofia e infância: possibilidades de um encontro. 1° Edição. Petrópolis: Editora Vozes.

WRIGHT, R. M. 2013. Mysteries of the Jaguar Shamans of the Northwest Amazon. 1st Edition. Lincoln: University of Nebraska Press, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 INDEXADORES:

          

                

 

Cadecs: Caderno Eletrônico de Ciências Sociais

e-ISSN: 2318-6933

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.