Gênero e geração: os significados atribuídos à velhice e o que torna possível a distinção entre os sujeitos definidos como idosos

Thayza Wanessa Silva Souza Felipe, Sandra Maria Nascimento Sousa

Resumo


Este estudo buscou identificar significados atribuídos à velhice a partir de entrevistas com mulheres idosas participantes do Trabalho Social com Idosos (TSI) desenvolvido pelo SESC Deodoro, em São Luís - MA, na intenção de compreender essas experiências vinculadas a marcadores sociais que tornam possível a distinção na maneira como as participantes do grupo vivem essa fase da vida. A pesquisa empírica foi constituída com dez mulheres, com idade a partir de 60 anos, que participam das atividades ofertadas pelo TSI. Por meio de entrevistas individuais e focais, sem roteiro pré-definido, foi permitido que cada uma delas narrasse trechos de suas histórias de vida. O trabalho com a memória proporcionou compreender os processos de formação de diferentes sujeitos, indicando a complexidade do envelhecimento. Para as idosas entrevistadas, o significado da atual fase em que vivem é percebido como um momento de prazer, independência e liberdade que não pôde ser por elas vivenciada quando mais jovens. Além disso, diferentes marcadores sociais se interseccionam na experiência dos sujeitos definidos como idosos, o que influencia diretamente na maneira como cada um vive sua velhice, como também nos significados que associam a essa fase da vida. Assim, análises do envelhecimento não devem se fechar às questões de ordem biológica, pois a velhice enquanto categoria construída politicamente está relacionada com diversos aspectos histórico-sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


AZZI, R. 1987. Família e valores no pensamento brasileiro (1870-1950). Um enfoque histórico. In: RIBEIRO, Ivete. Família e Valores. São Paulo: Edições Loyola.

BRAH, Avtar. 2006. Diferença, Diversidade e Diferenciação. Cadernos Pagu, n.26, Campinas.

BEAUVOIR, S. 1990. A Velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

BUTLER, J. 2003. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CAMARANO, A. A. et al. 2005. Idosos brasileiros: indicadores de vida e de acompanhamento de políticas. Brasília: Presidência da República, Subsecretaria de Direitos Humanos, pp. 13-14.

CARVALHO, J. A. M.; WONG, L. R. (2008). A transição da estrutura etária da população brasileira na primeira metade do século XXI. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, n. 24, v. 3, pp. 597- 605, mar.

CHIZOTTI, A. 1991. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez.

DEBERT, G. G. 2012. A Reinvenção da Velhice: Socialização e Processos de Reprivatização do Envelhecimento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp.

DEBERT, G. G. 1997. Envelhecimento e Curso da Vida. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2014.

DEBERT, G. G. 1998. Pressupostos da Reflexão Antropológica sobre a Velhice. In: DEBERT, G. G. Antropologia e Velhice, Textos Didáticos, n.19, IFCH.

FARIA, L., SANTOS, L. A.C., PATIÑO, R. A. 2017. A fenomenologia do envelhecer e da morte na perspectiva de Norbert Elias. Cad. Saúde Pública, v. 33, n. 12.

FOUCAULT, M. 2001. História da Sexualidade I: a vontade de saber; tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 14. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal.

FREUD, S. 1901. A psicopatologia da vida cotidiana. V. VI. Rio de Janeiro: Imago Editora.

GOMES, N. N. 2003. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, pp. 167-182.

HALBWACHS, M. 2004. A Memória Coletiva. São Paulo: Centauro.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2014. PNAD – Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios.

LEERS, F. B. 1987. Filosofia, moral, ética, família e sociedade no Brasil (1964-1984). In: RIBEIRO, I. Família e Valores. São Paulo: Edições Loyola.

LENOIR, R. 1996. Objeto Sociológico e Problema Social. In: MERLLIÉ, D. Iniciação à Prática Sociológica. Petrópolis: Vozes. pp. 59-106.

LOPES, D., DEUS, S. I. A. de. 2007. Negritude e envelhecimento. In: NERI, A. L. (Org.). Idosos no Brasil: vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, Edições SESC.

LOURO, G. L. 1997. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

MAINER, W. K. 2016. Beyond lifestyle: governing the social determinants of health. Disponível em: . Acesso em: 08 mai. 2018.

MAY, Tim. 2004. Pesquisa social: questões, métodos e processos. Porto Alegre: Artmed.

MELO, Frederico. 2017. Envelhecer não é um fardo. Rio de Janeiro: Radis, v. 173, p. 22.

MINAYO, M. C. S. e SANCHES, O. 1993. Quantitativo-Qualitativo: oposição ou complementaridade. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, pp. 239-262.

SANTOS, G. A. dos, LOPES, A., NERI, A. L. 2007. Escolaridade, raça e etnia: elementos de exclusão social dos idosos. In: NERI, A. L. (Org.). Idosos no Brasil: vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, Edições SESC.

SCOTT, Joan 2003. O Enigma da Igualdade. Estudos Feministas. Florianópolis, v. 13, n. 216.

SILVA, F. D., SOUZA, A. L. (2010). DIRETRIZES INTERNACIONAIS E POLITICAS PARA OS IDOSOS NO BRASIL: a ideologia do envelhecimento ativo. R. Pol. Públ. São Luís, v. 14, n. 1, pp. 85-94.

UN - United Nations. 2014. Department of Economic and Social Affairs. Population ageing and sustainable development.

WALLACK, E. M., WISEMAN, H. D., PLOUGHMAN, M. 2016. Healthy Aging from the Perspectives of 683 Older People with Multiple Sclerosis. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 INDEXADORES:

          

                

 

Cadecs: Caderno Eletrônico de Ciências Sociais

e-ISSN: 2318-6933

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.