Expressões e formas de resistência juvenil diante do avanço do conservadorismo

Valdeci Reis, Fernanda Silva Lino, Ademilde Silveira Sartori

Resumo


No presente artigo é discutido o movimento de ocupações de escolas e universidades protagonizado por jovens no segundo semestre de 2016, no município de Florianópolis-SC. A partir dos dados coletados em uma pesquisa etnográfica, são problematizadas as estratégias de resistência colocadas em curso por secundaristas e universitários contra: a reforma do Ensino Médio; o congelamento dos gastos públicos em educação, saúde e assistência social; e o projeto de lei „Escola sem Partido‟. Durante a aplicação dos protocolos etnográficos, foi constatado que os estudantes construíram redes de comunicação independentes para alertar a sociedade sobre os retrocessos em curso no parlamento, além de promoverem inúmeras ações de resistências, como: aulas públicas, intervenções artísticas e ocupações nos aparelhos hegemônicos do Estado.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. 2002. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus.

BRASIL. Senado Federal. 2016a. Projeto de Lei 193/2016. Inclui, entre as diretrizes e bases da educação nacional, o programa Escola sem Partido. Brasília: Mesa diretora do Senado. Disponível em . Acesso em: 22/03/2018.

BRASIL. 2016c. Medida provisória n.º 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e a Lei n.º 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Brasília: Casa Civil. Disponível em: . Acesso em: 23/03/2018.

BRASIL. Senado Federal. 2016b. Proposta de Emenda à Constituição 55. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal. Brasília: Mesa Diretora do Senado, 2016b. Disponível em: . Acesso em: 23/03/2018.

CATINI, C. de R; MELLO, G. M. de C. 2016. Escolas de luta, educação política. Educação & Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, pp. 1177-1202.

CLIFFORD, J. 2002. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: EdUFRJ.

CORSINO, L. N; ZAN, D. D. P. 2017. A ocupação como processo de descolonização da escola: notas sobre uma pesquisa etnográfica. ETD - Educação Temática Digital, v. 19, n. 1, pp. 26-48.

COSTA, L. B. da; SANTOS, M. M. 2017. Espaços virtuais moventes das escolas ocupadas de Porto Alegre: o apoio mútuo como base da inteligência coletiva. ETD - Educação Temática Digital, v. 19, n. 1, pp. 49-72.

FLACH, S. F; SCHLESENER, A. H. 2017. Análise de conjuntura sobre a ocupação de escolas no Paraná a partir do pensamento de Antonio Gramsci. ETD - Educação Temática Digital, v. 19, n. 1, pp. 165-186.

GEERTZ, C. 2002. Obras e vidas: o antropólogo como autor. Rio de Janeiro: EdUFRJ.

GIUMBELLI, E. 2002. Para além do “trabalho de campo”: reflexões supostamente malinowskianas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 48, pp. 91-107, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000100007.

GIROTTO, E. D. 2016. A dimensão espacial da escola pública: leituras sobre a reorganização da Rede Estadual de São Paulo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, pp. 1121-1141.

GRAMSCI, A. 1978. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

GRAMSCI, A. 1979. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

GROPPO, L. A; TREVISAN, J; BORGES, L. F; BENETTI, A. M. 2017. Ocupações no Sul de Minas: autogestão, formação política e diálogo intergeracional. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, n. 1, pp. 141-164.

LAPA, A; GIRARDELLO, G. 2017. Mídia-Educação na “Primavera Secundarista”: um estudo de caso no ensino de Pós-Graduação. In: 38ª REUNIÃO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. São Luís - MA.

MALINOWSKI, B. 1980. Objeto, método e alcance desta pesquisa. In: GUIMARÃES, Alba Z. (Org.). Desvendando máscaras sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980. pp. 39-61.

MORAES, C. S. V; XIMENES, S. B. 2016. Políticas Educacionais e a resistência estudantil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, pp. 1079-1087.

OLIVEIRA, A. 2013. Por que etnografia no sentido estrito e não estudos do tipo etnográfico em educação? Revista FAEEBA, Salvador, v. 22, n. 40, pp. 69-82.

OLIVEIRA, A; BOIN, F; BÚRIGO, B. 2017. A Antropologia, os Antropólogos e a educação no Brasil. Revista Anthropológicas, v. 27, n. 1, pp. 21-44.

PAES, B. T; PIPANO, I. 2016. Escolas de luta: cenas da política e educação. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, n. 1, pp. 3-25, 2017.

PARAÍSO, M. A. 2018. Fazer do caos uma estrela dançarina no currículo: invenção política com gênero e sexualidade em tempos do slogan “ideologia de gênero”. In: PARAÍSO, M. A; CALDEIRA, M. C. da S. (Org.). Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades. Belo Horizonte: Mazza, pp. 23-52.

REIS, V. 2017. #Ocupar e Resistir: Estudantes catarinenses em defesa da escola pública. Argumentos Pró-Educação, Pouso Alegre/MG, v. 2, n. 5, pp. 235-258.

REIS, V; LUNARDI-MENDES, G. M. 2018. O registro do etnógrafo: reflexões sobre a prática etnográfica educacional. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 26, pp. 164-183.

REIS, V.; SARTORI, A. S. 2018. Educação pública em risco: descontinuidades, golpes e resistência. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 11, n. 1, pp. 59-70.

ROSISTOLATO, R; PRADO, A. P. do. 2015. Etnografia em pesquisas educacionais: o treinamento do olhar. Linhas Críticas, v. 21, pp. 57-75.

SEVERO, R. G; SEGUNDO, M. A. C. S. 2017. #OCUPATUDORS – Socialização política entre jovens estudantes nas ocupações de escolas no Rio Grande do Sul. ETD - Educação Temática, Campinas, v. 19, n. 1, pp. 73-98.

SILVA, A. V. M; MELO, K. S. 2017. #OCUPAISERJ: Estratégias comunicacionais do movimento de ocupação do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, n. 1, pp. 119-140.

SOUZA, J. 2016. A radiografia do golpe: entenda como e por que você foi enganado. Rio de Janeiro: LeYa.

SOUZA, J. 2017. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: LeYa.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 INDEXADORES:

          

                

 

Cadecs: Caderno Eletrônico de Ciências Sociais

e-ISSN: 2318-6933

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.