AS MEDIAÇÕES ENTRE A LUTA POLÍTICA E A EDUCAÇÃO ESCOLAR: O PAPEL DO SINDICALISMO NA EDUCAÇÃO

Cláudio de Lira Santos Junior, Tiago Nicola Lavoura

Resumo


O artigo aborda as relações de determinação e reciprocidade entre a luta política e a educação escolar. Trata desta relação tomando a singularidade da atividade política nos sindicatos. Enfatiza o papel dos sindicatos, tal como proposto por Marx, como centros organizadores da classe trabalhadora e a atuação dos/das docentes como militantes culturais. Parte da conjuntura nacional marcada pelo golpe jurídico- parlamentar e por profundos ataques aos direitos trabalhistas e à educação pública universal, gratuita e laica, exigindo, daqueles que se contrapõem ao projeto de nação dos usurpadores e sua tentativa de impor ao campo educacional uma profunda regressão, o fortalecimento da resistência, superando a dicotomia entre o político e o pedagógico. Considera a primazia do polo político e propõe a construção da unidade dos trabalhadores da educação em defesa do Estado de direito democrático e das conquistas históricas da classe. Conclui apresentando elementos entendidos como centrais para um programa unitário em defesa da educação.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Estado de exceção. Trad. Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALVES, G. Limites do sindicalismo: Marx, Engels e a crítica da economia política. Bauru: Editora Práxis, 2003.

BUARQUE, C. Vai passar. In: Chico Buarque. Minha história. Rio de Janeiro: Poly- Gram, 1994, CD.

DAVIDOV, V. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico: investigación teórica y experimental. Moscou: Editorial Progresso, 1988.

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas: Autores Associados, 2016.

FRIGOTTO, G. A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Escola “sem” Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017. p. 17-34.

FRIGOTTO, G. A polissemia da categoria trabalho e a batalha das ideias na socieda- de de classes. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, jan./ abr. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a14. pdf Acesso em: 10 set. 2017.

FRIGOTTO, G.; MOLINA, H. Estado, educação e sindicalismo no contexto da regres- são social. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 4, n. 6, p. 37-51, jan./jun. 2010. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/67/59 Acesso em: 10 set. 2017.

GALEANO, E. As veias abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LÊNIN, V. I. As tarefas da juventude na construção do socialismo. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: con- tribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2013.

MARX, K. Instruções para os delegados do Conselho Geral Provisório. As Diferentes Questões. Fonte: Obras Escolhidas em três tomos, Editorial “Avante!”. Traduzido do inglês por José Barata-Moura. Lisboa – Moscovo: Editorial “Avante!” – Edições Progresso, 1982. Transcrição: julho de 2008. Disponível em: https://www.marxists. org/portugues/marx/1866/08/instrucoes.htm#n41 Acesso em: 10 set. 2017.

MARX. K.; ENGELS, F. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2007.

RAMOS, M. Escola sem Partido: a criminalização do trabalho pedagógico. In: FRI- GOTTO, G. (Org.). Escola “sem” Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017. p. 75-85.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 41. ed. Campinas: Autores Associados, 2009. SAVIANI, D. Educação em diálogo. Campinas: Autores Associados, 2001.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas: Autores Associados, 2012.

SNYDERS, G. Pedagogia progressista. Coimbra: Almedina, 1974.

TROTSKY, L. Balanço e Perspectivas. In: TROTSKY, Leon. A teoria da Revolução Permanente. São Paulo: Editora Instituto José Luiz e Rosa Sunderman, 2010.

TROTSKY, L. Escritos sobre sindicato. 2. ed. Brasília: Nova Palavra, 2009.

TROTSKY, L. O programa de transição. Editado por O Trabalho – Seção brasileira da IV Internacional. São Paulo, 2008.

VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Tomo II. Madrid: Visor, 2001.




DOI: https://doi.org/10.22535/cpe.v22i46.19392

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cadernos de Pesquisa em Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.