A TRADUÇÃO LITERÁRIA E O REGIME ESTÉTICO DA ARTE: OLHOS D’ÁGUA, DE CONCEIÇÃO EVARISTO, EM TRADUÇÃO

Junia Mattos Zaidan

Resumo


Resumo: Neste trabalho, partimos da concepção segundo a qual a literatura, assim como todas as manifestações artísticas, possui, com a política, origem comum, premissa formulada pelo filósofo francês Jacques Rancière, no livro A Partilha do Sensível (2009), que baliza a análise apresentada. Os três regimes da arte, a saber, o poético, o ético e o estético, são discutidos e uma análise de relatos de experiência de leitura e tradução do conto Olhos D’Água, de Conceição Evaristo (2ª ed. 2018) é realizada, situando os diversos atos de tradução no regime estético da arte de Rancière. A interlocução documentada e comentada com estudantes da disciplina “Tradução: história, teórica e prática”, do curso de licenciatura em Letras Inglês, da Unviversidade Federal do Espírito Santo indica que as etapas diversas do processo potencializam a transformação social, dada sua inscrição no regime estético da arte, em que enquanto objeto estético, o texto literário não só se indistingue do político, mas, afirmativo, denuncia a desigualdade e a violência que estruturam nossa vida social.

Palavras-chave: Tradução literária. Regime estético da arte. Letramento crítico. Conceição Evaristo.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 PERcursos Linguísticos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

This work is licensed under a Creative Commons  Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0). For more information about the license:https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/