O conceito de experimentação na filosofia de Gilles Deleuze

Christian Fernando Ribeiro Guimarães Vinci

Resumo


Esse artigo abordará o conceito de experimentação presente no pensamento de Gilles Deleuze, mormente em suas obras escritas em parceria com Félix Guattari. Defendemos que, ao longo de Capitalismo & Esquizofrenia, o termo experimentação aparecerá de maneiras distintas nos dois tomos constitutivos da coleção. Em O Anti-Édipo, tal conceito restaria refém de certas discussões deleuzianas sobre arte, tal qual aquelas que tomaram corpo no livro Proust e os signos, de 1964. Ao longo da década de 1970, porém, após as leituras da obra de Espinosa realizadas por Deleuze, a noção de experimentação ganhará um outro acento, aparecendo em Mil Platôs e, posteriormente, em O que é a Filosofia? como uma espécie de arte das composições. Haveria, assim, uma aproximação gradativa, quando desse deslocamento, de certas discussões vitalistas empreendidas por Deleuze a partir do espinosismo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Diadorim    Sumários    Livre    Redib    DOAJ  Capes Periódicos
  Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.