A (con)vocação do trabalho feminino diante das mudanças do mundo do trabalho: o CARE em evidência

Autores

  • Raquel Gouveia Passos PUC-SP
  • Fernanda Caldas de Azevedo PUC/SP

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p183-204

Resumo

O presente artigo tem por finalidade apreender a relação entre a conjuntura macroestrutural do mundo do trabalho em face da reestruturação produtiva, com foco no processo de precarização acentuado quando tratado a partir da divisão social e sexual do trabalho.  Como uma expressão dessa conjuntura, o trabalho do cuidado – care – tem sido convocado por parte do mercado e das políticas públicas, enquanto resposta para a promoção do cuidado em razão do aumento da participação das mulheres na esfera produtiva, através de profissionais para a promoção do cuidado. Assim, problematizamos a emergência dessa ocupação frente às transformações econômicas, políticas e sociais, especificamente, na realidade brasileira. 

Biografia do Autor

Raquel Gouveia Passos, PUC-SP

Assistente Social e doutoranda em Serviço Social pela PUC/SP. Bolsista CAPES.

Fernanda Caldas de Azevedo, PUC/SP

Assistente Social e doutoranda em Serviço Social pela PUC/SP. Bolsista CNPQ.

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

______. Adeus ao trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

______. Desenhando a nova morfologia do trabalho: as múltiplas formas de degradação do trabalho. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 83, p. 19-34, dez. 2008.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação brasileira de ocupações. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/pesquisas/ResultadoFamiliaHistoricoOcupacoes.jsf Acesso em: 25 set. 2015.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capitalismo monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

BRUSCHINI, M. C. A. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.37, n.132, p. 537-572, set./dez., 2007.

CAMPOS, M. S.; TEIXEIRA, S. M. Gênero, família e proteção social: as desigualdades fomentadas pela política social. Revista Katalysis, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 20-28, jan./jun. 2010.

CATTANÉO, N.; HIRATA, H. Flexibilidade. In: HIRATA, H. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.
COSTA, S. G. Proteção social, maternidade transferida e lutas pela saúde reprodutiva. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 301-324, 2002.

GUIMARÃES, N. A.; HIRATA, H. S.; SUGITA, K. Cuidado e cuidadoras: o trabalho do care no Brasil, França e Japão. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 1, p. 151-180, 2011.

HELLER, A. Teoria de las necessidades en Marx. Barcelona: Ed. Península: 1986.

HIRATA, H. S. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, Campinas, n. 17/18, p. 139-156, 2001/2002.

______. Reestruturação produtiva, cidadania e gênero. In: COSTA, A. A. (Org.) Um debate crítico a partir do feminismo: reestruturação produtiva, reprodução e gênero. São Paulo: CUT/Brasil, 2002.

______. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

______. Tendências recentes da precarização social e do trabalho: Brasil, França, Japão. Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. esp. 1, p. 15-22, 2011.

______. Teorias e práticas do CARE: estado sucinto da arte, dados de pesquisa e pontos em debate”. In: FARIA, N.; MORENO, R. (Orgs.). Cuidado, trabalho e autonomia das mulheres. São Paulo: SOF, 2010. (Coleção Cadernos Sempreviva, Série Economia e Feminismo 2).

______; GUIMARÃES, N. A. Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care. Cadernos de Pesquisa, Campinas, v. 43, n.148, p. 366-377, jan./abr., 2013.

______; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, Campinas, v. 37, n.132, p. 595-609, 2007.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas de gênero: uma análise dos resultados do censo demográfico de 2010. Estudos & Pesquisas: informação demográfica e socioeconômica n. 33. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2014.

KERGOAT, D. Relações sociais de sexo e divisão sexual do trabalho. In: LOPES, M. J. M.; MEYER, D. E.; WALDOW, V. R. (Orgs.). Gênero e saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

______. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, H. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

LAZZARECHI, N. Flexibilização, desregulamentação e precarização das relações de trabalho. Revista Labor, Fortaleza, v. 13, n. 1, p. 82-102, 2015. Disponível em: <http://www.revistalabor.ufc.br/Artigo/volume13/3_FLEXIBILIZACAO_DESREGULAMENTACAO_E%20_PRECARIZACAO_DAS_RELACOES_DE_TRABALHO_UMA_DISTINCAO_NECESSARIA.pdf> Acesso em: 12 ago. 2015.

MARX, K. Capítulo VI: inédito de o capital (1818-1883). Tradução de Klaus Von Puchen. 2.ed. São Paulo: Centauro, 2004.

MEIRELLES, D. S. O conceito de serviço. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 119-136, 2006.

MÉSZAROS, I. Marx: a teoria da alienação. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

NOGUEIRA, C. M. A feminização no mundo do trabalho. Campinas: Autores Associados, 2004.

______. O trabalho duplicado: a divisão sexual no trabalho e na reprodução: um estudo das trabalhadoras do telemarketing. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

______. A precarização e a divisão sociossexual do trabalho. In: SILVA, J. F. S.; SANT’ANA, R. S.; LOURENÇO, E. A. S. (Orgs.). Sociabilidade burguesa e Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumes Juris, 2013.

SHÜTZ, F.; MIOTO, R. C. T. O trabalho em serviços: contribuições para o debate do Serviço Social. Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 10, n.30, p. 83-101, 2 sem. 2012.

Publicado

2016-01-08