A eugenia no Brasil: uma pseudociência como suporte no trato da "questão social"

Ivan Ducatti

Resumo


A eugenia é uma pseudociência que mais ganhou corpo na América Latina, ainda que a Europa já mostrasse seu descrédito enquanto ciência, nas décadas de 1920 e 1930, com as denúncias das práticas nazistas. Na formação da Saúde Pública brasileira, num contexto de agudas desigualdades sociais e de pobreza estrutural, esta se orientou pelos pressupostos eugênicos, o que significava criar uma hierarquia de saber, de comando, de prioridades na saúde, numa postura campanhista dirigida para selecionar os adaptáveis ao grande capital que aqui ia se aportando a partir da Era Vargas. A eugenia foi uma concepção racista, por intermédio da qual procurava-se justificar o atraso econômico pelo fato de o país possuir uma grande população negra, pobre e doente, os considerados – por boa parte da elite médica brasileira – não adaptáveis e inconvenientes ao desenvolvimento econômico. Para esses pensadores eugenistas, os inconvenientes deveriam ser esterilizados e segregados. A segregação, em nível particular de ação profilática, atingiu os(as) portadores(as) de hanseníase por meio da política do isolamento compulsório.


Palavras-chave


Questão Social. Saúde Pública. Eugenia.

Texto completo:

PDF

Referências


BOARINI, M. L.; YAMAMOTO, O. Higienismo e eugenia: discursos que não envelhecem. Psicologia Revista, São Paulo, v. 13, n.1, p. 59-72. 2004.

BOSCHETTI, I. Seguridade social no Brasil: conquistas e limites à sua efetivação. In: CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. (Org.). Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CEAD/Ed. UnB, 2009.

COUTINHO, C. N. O estruturalismo e a miséria da razão. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

DUCATTI, I. A hanseníase no Brasil na Era Vargas e a profilaxia do isolamento compulsório: estudos sobre o discurso científico legitimador. 2008. 199 f. Tese (Doutorado em História)- Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade São Paulo, São Paulo, 2008.

DURKHEIM, E. Biografia. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Disponível em: Acesso em: 3 set. 2015.

EAGLETON, T. As ilusões pós-modernismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

GOLDMANN, L. Ciências humanas e filosofia: o que é a sociologia? 7. ed. São Paulo: Difel, 1979.

GUERRA, Y.; LEITE, J.; ORTIZ, F. Análisis de las contradicciones constitutivas de las políticas sociales en Brasil: el paradigma de la asistencia social: interacción y perspectiva. Revista de Trabajo Social, Maracaibo, v. 5, n. 1, p. 151-172, jan./jun. 2015.

GUIMARÃES, A. P. As classes perigosas: banditismo rural e urbano. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2008.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. de. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1983.

LUKÁCS, G. Existencialismo ou marxismo. São Paulo: Senzala, 1967.

MACIEL, M. E. de S. A eugenia no Brasil. Anos 90, Porto Alegre, v.1, n.11, p. 121-143, jul. 1999.

MONTEIRO, Y. N. Da maldição divina à exclusão social: um estudo da hanseníase em São Paulo. 1995. 465 f. Tese (Doutorado em História Social)- Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995. 2 v.

PAULO NETTO, J. Cinco notas a propósito da “questão social”. Temporalis, Brasília-DF, ano II, n. 3, p. 41-49. 2001.

SODRÉ, F. Serviço Social e o campo da saúde: para além de plantões e encaminhamentos. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 103, p. 453-475, jul./set. 2010.

SOUZA, T. M. S. Emoções e capital: as mulheres no novo padrão de acumulação capitalista. 2006. 356 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social)- Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

STEPAN, N. L. “The hour of eugenics”: race, gender, and nation in Latin America. Ithaca (EUA), Cornell University Press, 1991.

VIEIRA, E. Estado e miséria social no Brasil: de Getúlio a Geisel. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1995.




DOI: https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p259-280

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES:

Latindex: http://www.latindex.unam.mx/

Dialnet: http://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=19796

IndexCopernicus: http://journals.indexcopernicus.com/passport.php?id=8544

Portal de periódicos da Ufes: http://peridicos.ufes.br

Diadorim-IBICT: http://diadorim.ibict.br/handle/1/319

LICENÇA:

CC BY https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/