A mediação da arte no trabalho educativo do serviço social para a emancipação humana

Autores

  • Isabel Cristina Chaves Lopes Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2017v17n33p61-74

Resumo

: O presente trabalho tem por objetivo apresentar, em nível de reflexões, questões relativas a articulação entre o debate do trabalho profissional do assistente social com estudos acerca do caráter político da arte a partir do pensamento marxiano. Tal articulação é apresentada, compreendida enquanto uma mediação política, que possibilita contribuição ao desenvolvimento de uma cultura para emancipação humana. Para tal processo entende-se que o conceito de emancipação política precisa ser abarcado, visando converter o movimento que é capaz de realizar em estratégias para a realização da emancipação humana. Para tal conquista, no entanto, temos por certo ser imprescindível a interferência no universo dos valores sintonizados com os dos movimentos sociais e com experiências teórico-práticas que favoreçam processos de suspensões cotidianas.

Biografia do Autor

Isabel Cristina Chaves Lopes, Universidade Federal Fluminense

Professora do quadro efetivo da Universidade Federal Fluminense; Doutora em Serviço Social pela PUC/SP.

Referências

ANTUNES, Ricardo Os sentidos do trabalho: ensaio sobre afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

BENSAID, Daniel. Os irredutíveis: Teoremas da resistência para o tempo presente. São Paulo: Boitempo, 2008.
COUTINHO, Carlos Nelson. O leitor de Gramsci. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001
FREDERICO, Celso. A arte em Marx: um estudo sobre Os manuscritos econômicos filosóficos. Revista Novos Rumos, ano 20, nº 42, 2005.
_______. Marx: a arte como práxis. In: A arte no mundo dos homens. São Paulo: Expressão Popular, 2013
GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1995.
HARVEY, David. Condição pós-moderna. 9ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2000.
IAMAMOTO, Marilda Villela. Trabalho e indivíduo social. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.
IANNI, Octávio. O mundo do trabalho. In: FREITAS, Cezar de. A reinvenção do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

LUKÁCS, György. Arte e Sociedade: escritos estéticos 1932-1967. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.
MAAR, Wolfgang Leo. Formação social em Lukács: dialética de reificação e realização – A perspectiva Marxista como consciência de classe e crítica ontológica. In: JR, Armando Boito et al . A obra teórica de MARX: atualidade, problemas e interpretações. São Paulo: Xamã, 2000.
MÉSZÁROS, István. A Teoria da Alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia Política: uma introdução crítica. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.
NETTO, José Paulo; M. C. Brant Carvalho. Cotidiano: Conhecimento e crítica. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2000.
PETRAS, James. O manifesto Comunista: qual sua relevância hoje? In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2007.
SEMERARO, Giovanni. Gramsci e a sociedade civil: cultura e educação para a Democracia. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.
TEIXEIRA, Francisco José Soares. O capital e suas formas de produção de mercadorias: rumo ao fim da economia política. In: JR, Armando Boito et al. A obra teórica de MARX: atualidade, problemas e interpretações. São Paulo: Xamã, 2000.
VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. As ideias estéticas de Marx. 3ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

Publicado

2017-09-18