A ideologia empreendedora: ocultamento da questão de classe e sua funcionalidade ao capitalismo

Autores

  • Erika Cordeiro do Rego Barros Valentim UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE
  • Juliane Feix Peruzzo UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2017v17n34p101-126

Resumo

O presente trabalho realiza uma crítica à ideologia empreendedora, refletindo sobre algumas de suas implicações para a classe trabalhadora. Através de pesquisas bibliográficas, recupera a concepção de empreendedorismo em Shumpeter; problematiza os elementos de contradição desta perspectiva a partir da crítica da economia política em Marx, e reflete sobre o pertencimento de classe do “trabalhador-empreendedor”. Por fim, aponta a funcionalidade da ideologia empreendedora ao capital e seu potencial de ocultar as contradições da relação capital versus trabalho.

Biografia do Autor

Erika Cordeiro do Rego Barros Valentim, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE

 

GRADUADA EM SERVIÇO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO (2014)

MESTRA EM SERVIÇO SOCIAL - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO (2017)

RESIDENTE DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL - SECRETARIA DE SAUDE DO RECIFE  (2017)

Juliane Feix Peruzzo, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE

GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PELA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL (1984)

DOCENTE DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL (1987-2008)

MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL PELA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL (1996)

DOUTORADO EM SERVIÇO SOCIAL PELA PELA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL (2005)

DOCENTE DA GRADUAÇÃO E PÓS GRADUAÇÃO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO  (2008 - ATUALMENTE)

Referências

- Araújo AERA, Aquinol DMC, Goulart IMB, Pereira SRF, Figueiredo IA, Fonseca PCA. et al. Complicações neurais e incapacidades em hanseníase em capital do nordeste brasileiro com alta endemicidade. Rev Bras Epidemiol. 2014; 17(4): 899-910.

- Conti JO, Almeida SND, Almeida JA. Prevenção de incapacidades em hanseníase: relato de caso. Salusvita. 2013; 32(2): 163-174.

- Aguiar PG, Almeida DA, Silva SDC, Paschoini J. Fatores de manutenção da endemia hansênica e as ações da enfermagem no controle da hanseníase. São Sebastião do Paraiso. 2014; 4(1): 119-132.

- Pires CA, Malcher CMSR, Abreu Junior JMC, Albuquerque TG, Correa IRSC, Daxbacher EL. Hanseníase em menores de 15 anos: a importância do exame de contato. Rev. Paul. Pediatr. 2012; (30): 292-295.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase, filariose, esquistossomose e oncocercose como problema de saúde pública, tracoma como causa de cegueira e controle das geohelmintíases: plano de ação 2011-2015. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

- Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.097, de 16 de dezembro de 2013. Autoriza o repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde dos Municípios com alta carga da doença para implantação, implementação de ações contingenciais de vigilância, prevenção e controle da hanseníase e esquistossomose, como problemas de saúde pública. Diário Oficial da União, nº 244, terça-feira, 17 de dezembro de 2013.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

- Antunes LFA, Cardoso MRA. Uso da análise de séries temporais em estudos epidemiológicos. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24(3): 565-576.

- Salles BO, Gonçalves A, Padovani CR. Perfil Epidemiológico da Hanseníase em Hospital Universitário de Campinas, SP: Explorando Fichas de Notificação. Hansen Int. 2015; 40(2): 36-47.

- Oliveira MF, Oliveira NC, Caixeta KF, Castro GG. Estudo Epidemiológico da Hanseníase em Patrocínio/MG, no período 2001 a 2014. Hansen Int. 2015; 40(2): 24-35.

- Brito AL, Monteiroi LD, Ramos Junior AN, Heukelbachi J, Alencar CH. Tendência temporal da hanseníase em uma capital do Nordeste do Brasil: epidemiologia e análise por pontos de inflexão, 2001 a 2012. Rev Bras Epidemiol. 2016; 19(1): 194-204.

- Romão ER, Mazzoni AM. Perfil epidemiológico da hanseníase no município de Guarulhos, SP. Rev Epidemiol Control Infect. 2013; 3(1): 22-27.

- Monteiro LD, Martins-Melo FR, Brito AL, Lima MS, Alencar CH, Heukelbach J. Tendências da hanseníase no Tocantins, um estado hiperendêmico do Norte do Brasil, 2001-2012. Cad. Saúde Pública. 2010; 31(5): 971-980.

- Amaral EP, Lana FCF. Análise espacial da Hanseníase na microrregião de Almenara, MG, Brasil. Rev Bras Enferm. 2008; 61(Spe): 701-707.

- Carvalho Filho R, Santos SS, Pinto NMM. Hanseníase: detecção precoce pelo enfermeiro na atenção primária. Revista Enfermagem Integrada. 2010; 3(2): 606-620.

- Brasil. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico: Indicadores epidemiológico e operacionais de hanseníase, Brasil 2000-2015. Acesso em 28/12/2016. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/ julho/07/Indicadores-epidemiol--gicos-e-operacionais-de-hansen--ase-2000-a-2015.pdf

- Atkinson S, Haran D. Back to basis: does descentralization improve health system performance? Evidence from Ceará in north- east Brazil. Bulletin of World Health Organization. 2004; 82(11): 822-827.

- Lanza FM, Lana FCF. Descentralização das ações de controle da hanseníase na microrregião de Almenara, Minas Gerais. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011;19(1): 187-194.

- Santos DAS, Silva LCVG, Spessatto LB, Melo LS, Neto LRC. Educando para o diagnóstico precoce da hanseníase no município de rondonópolis- mato grosso. Extensio: R. Eletr. de Extensão. 2016; 13(23): 45-61.

- Bosi MLM, Uchimura KY. Avaliação da qualidade ou avaliação qualitativa do cuidado em saúde? Rev Saúde Pública 2007; 41(1): 150-153.

- Ayres JR. Norma e formação: horizontes filosóficos para as práticas de avaliação no contexto da promoção da saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9: 583-592.

- Oliveira AS, Macedo CMS, Filho ACBC. Percentual de casos de recidiva de hanseníase notificados em Teresina – PI de 2001 a 2011. Rev. Multip. Saúde HSM. 2013; 1(2): 26-34.

- Melo SL, Macedo GMM, Pires CAA, Cunha MHCM. Recidiva hansênica em área de alta endemicidade no Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-AmazSaude. 2014; 5(3): 19-24.

- Ferreira SMB, Ignotti E, Senigalia LM, Silva DRX, Gamba MA. Recidivas de casos de hanseníase no estado de Mato Grosso. Rev Saude Publica. 2010; 44(4): 650-657.

- Oliveira MLW. Monitoramento de recidivas e resistência medicamentosa em hanseníase no Brasil, protocolos para investigação clínica e laboratorial. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Publicado

2017-12-29