Aproximações críticas ao conceito de equidade presente nos documentos da CEPAL e do Banco Mundial

Autores

  • Paloma Rávylla de Miranda Lima Universidade Estadual da Paraíba
  • Jordeana Davi Universidade Estadual da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2017v17n34p127-152

Resumo

O presente artigo trata-se dos resultados de uma pesquisa bibliográfica e documental, que tem como objeto apreender as concepções desenvolvidas contemporaneamente para o enfrentamento à “questão social”, particularmente no âmbito da região latino-americana. Para tanto, seu objetivo é analisar, através de aproximações sucessivas, as propostas e recomendações contidas nos documentos da Cepal e do Banco Mundial acerca da equidade. A equidade é um conceito-chave na reconfiguração do marco teórico das políticas sociais adotado no contexto das contrarreformas iniciadas nos anos 1990 e que ganhou destaque especialmente com as políticas de combate à pobreza dos países latino-americanos nos anos 2000. Este conceito tem sido utilizado para reduzir a noção de universalidade das políticas sociais, ao priorizar o enfrentamento à “questão social” nos segmentos mais pauperizados. 

Biografia do Autor

Paloma Rávylla de Miranda Lima, Universidade Estadual da Paraíba

Assistente social, mestranda em Serviço Social no Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Estadual da Paraíba (GEAPS/UEPB), professora no curso de graduação em Serviço Social da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Serra Talhada (FACHUSST), integrante do Grupo de Estudos, Pesquisa e Assessoria em Políticas Sociais (GEAPS/UEPB).

Jordeana Davi, Universidade Estadual da Paraíba

Assistente social, doutora em Serviço Social (UFPE), professora do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)/Campina Grande, Coordenadora do Grupo de Estudos, Pesquisa e Assessoria em Políticas Sociais (GEAPS/UEPB). 

Referências

Castro EL, Caldas TA, Morcillo AM, Pereira EMA, Velho PENF. O conhecimento e o ensino sobre doenças sexualmente transmissíveis entre universitários. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(6): 1975-1984.

Barcelos MRB, Vargas PRM, Baroni CMA. Infecções genitais em mulheres atendidas em Unidade Básica de Saúde: prevalência e fatores de risco. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2008; 30(7): 349-354.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2010: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2009.

Lee SY, Lee HJ, Kim TK, Lee SG, Park EC, Sexually Transmitted Infections and First Sexual Intercourse Age in Adolescents: The Nationwide Retrospective Cross‐Sectional Study. Sex Med. 2015; 12(12): 2313-23.

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico AIDS – DST Versão Preliminar. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ano IX - nº 01/2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Mercosul: Boletim Epidemiológico da Comissão Intergovernamental de HIV/Aids da Reunião de Ministros da Saúde do Mercosul / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. – n. 1, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Manual de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e AIDS. Brasília: Ministério da Saúde. 2006.

Jalil EM, Pinto VM, Benzaken AS, Ribeiro D, Oliveira EC, Garcia EG, et al. Prevalência da infecção por clamídia e gonococo em gestantes de seis cidades brasileiras. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2008; 30(12): 614-619.

Zhang Q, Cao D, Qian M, Li N, Xu-Qin C, Yang XF. Natural Outcome of genital tract high-risk Human Papillomavirus infection and associated factors among 760 women. Acta Academiae Medicinae Sinicae. 2015; 37(5):534-40.

Holanda AAR, Fernandes ACS, Bezerra CM, Ferreira MAF, Holanda MRR, Holanda JCP, et al. Candidíase vulvovaginal: sintomatologia, fatores de risco e colonização anal concomitante. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2007; 29(1):3-9.

Camargo FP, Alves IA, Parlow MS, Goulart LS. Isolamento de Candida sp da mucosa vaginal de mulheres atendidas em um serviço de ginecologia do município de Santo Ângelo-RS. Rev NewsLab, 2008; 87:96-104.

Schwebke JR, Rivers C, Lee J. Prevalence of Gardnerella vaginalis in male sexual partners of women with and without bacterial vaginosis. Sexually transmitted diseases, 2009; 36(2):92-94.

Tanaka VA, Gotlieb SLD, Soreano R, Fagundes LJ, Belda Jr W, Moraes FRB, et al. Perfil epidemiológico de mulheres com vaginose bacteriana, atendidas em um ambulatório de doenças sexualmente transmissíveis, em São Paulo, SP. An. Bras. Dermatol. [online]. 2007; 82(1):41-46.

Pascom ARP, Arruda MR, Simão MBG. Pesquisa de conhecimentos, atitudes e práticas da população brasileira de 15 a 64 anos 2008. Brasília: MS/Departamento DST, Aids e Hepatites Virais. 2011.

Pinto DS, Fuzii HT, Quaresma JAS. Prevalência de infecção genital pelo HPV em populações urbana e rural da Amazônia Oriental Brasileira. Cad. saúde pública, 2011; 27(4):769-778.

OMS, Organização Mundial de Saúde. Mulheres e Saúde: Evidências de hoje agenda de amanhã. 2011.

Kjaer SK, Svare EI, Worm AM, Walboomers JM, Meijer CJ, van den Brule AJ. Human papillomavirus infection in danish female sex workers: decreasing prevalence with age despite continuously high sexual activity. Sex Transm Dis, 2000; 27(8): 438-445.

Zimmermmann JB, Melo VH, Castro LPF, Alves MJM, Zimmermmann SG, Del Castillo DM. Associação entre a contagem de linfócitos T CD4+ e a gravidade da neoplasia intra-epitelial cervical diagnosticada pela histopatologia em mulheres infectadas pelo HIV. Rev. Bras. Ginecol Obstet. 2006; 28(6): 345-351.

Nogueres IB, Zimmermann JB, Gonçalves LG, Fontes LC. Associação entre a infecção pelo papilomavírus humano (HPV) e outras infecções genitais femininas. HU Revista, 2010; 36(1): 19-28.

Burchell NA, Winer RL, Sanjosé S, Franco EL. Chapter 6: Epidemiology and transmission dynamics of genital HPV infection. Vaccine. 2006;24(S3):52-61

Noronha VL, Noronha R, Carmona B, Macedo LA, Cruz EM, Naum C, Villa, L. Papilomavírus humano (HPV) em mulheres com citologia oncótica dentro dos limites da normalidade. Doenças Sex Transm, 2005;17(1): 49-55.

Vaz LP, Saddi VA, Amaral WND, Manoel WJ. Epidemiologia da infecção pelo HPV em mulheres infectadas pelo HIV. Femina, 2011; 39(1):35-40.

Bastos FI, Cunha CB, Hacker MA, Sinais e sintomas associados às doenças sexualmente transmissíveis no Brasil, Rev Saúde Pública, 2005; 42(Supl 1): 98-108.

De Faria PFM, Arze WNC, Fialho AS, Eleutério Filho J, Barreto NA, Passos MRL. Frequência De Diagnósticos De Candidíase Em Mulheres Atendidas Em Uma Clínica De Dst: Não Há Aumento No Verão. RFM-Revista Fluminense de Medicina, 2012;36-77(1-2):23-26.

Zimmermmann JB, Nani ACG, Junqueira CB, Iani GCM, Gomes G. Aspectos epidemiológicos e clínicos de pacientes ginecológicas atendidas na Faculdade de Medicina de Barbacena. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2011; 33(12): 401-7.

Silva RJO, de Athayde MJPM, Pedrosa ML, Fialho SCAV, Russomano FB, Grinsztejn B, et al. Lesões intra-epiteliais vulvares em pacientes infectadas pelo HIV. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27(7): 407-14.

Mendes CL, Araújo AA, De Sena KXFR, Chiappeta AA. Prevalência de Cândida sp. em infecções vaginais. Revista Newslab, 2005; 68: 104-112.

Voog E, Bolmstedt A, Olofsson S, Lowhagen G-B. Human papillomavirus infection among patients attending an STD clinic correlated to reason for attending, presence of clinical signs, concomitant infections and abnormal cytology. Acta Derm Venereology, 1995; 75:75.

Publicado

2017-12-29