Trabalhadores Assistentes Sociais em tempos de acirramento da precarização do trabalho

Autores

  • Flávia Barbosa Pardini dos Santos Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio http://orcid.org/0000-0003-4872-7543
  • Inez Terezinha Stampa Departamento de Serviço Social / Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio http://orcid.org/0000-0003-3770-1129

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2019v19n37p84-101

Resumo

Este artigo aborda conceitos que fundamentam a assertiva de que o Serviço Social é trabalho e, tendo como premissa a acepção de que o trabalho possui centralidade na vida humana, menciona a ofensiva neoliberal que incide sobre o conjunto dos trabalhadores, apresentando formas contemporâneas de espoliação dos trabalhadores assistentes sociais no contexto brasileiro. Assevera que a análise das relações e condições de trabalho do assistente social na atual conjuntura torna-se imprescindível para desvelar a exploração imiscuída nesse processo. O trabalho baseia-se em revisão bibliográfica e pesquisa documental como procedimentos de coleta de dados e na análise de conteúdo como método de exame do material selecionado. Os resultados do estudo indicam que o atual contexto, marcado pela expansão do conservadorismo e retrocessos que também impactam o Serviço Social e seus operadores, requer a pesquisa como um imperativo para a elaboração de propostas estratégicas, criativas e transformadoras.

Biografia do Autor

Flávia Barbosa Pardini dos Santos, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense - UFF (1997). Especialista em Serviço Social e Saúde pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ (2012). Mestre em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio (2018). Atualmente é assistente social da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) e integrante do grupo de pesquisa Trabalho, Políticas Públicas e Serviço Social (TRAPPUS).

Inez Terezinha Stampa, Departamento de Serviço Social / Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio

Assistente Social. Doutora em Serviço Social pela PUC-Rio. Professora do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-graduação em Serviço Social da PUC-Rio. Coordenadora do Centro de Referência das Lutas Políticas no Brasil - Memórias Reveladas/Arquivo Nacional. Bolsista de Produtividade em Pesquisa CNPq.

Referências

Caixeta NCRC, Tonelini ES, Brandão DC, Nunes RF, Ramos SB, Figueiredo GLA. Modo de uso dos medicamentos de portadores de doenças crônicas acompanhados pelas equipes da estratégia de saúde da família de um município mineiro. Cinergis (Santa Cruz do Sul). 2017; 18(1):20-24.

Malta DC, Silva Junior JB. O plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiol Serv Saude. 2013 mar;22(1):151-64.

Oliveira VS et al. Análise dos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis: estudo com colaboradores de uma instituição privada. Saúde (Santa Maria). 2017; 1:214-224.

Leão TNU, Sarmento CK, Serrate MS, Pontes VMLF, Carvalho MD, Barbosa SJJ. Uso de medicamentos para tratamento de doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015;24(2):315-323.

WHO. World Health Organization. Adherence to long-term therapies: evidence for action. Geneva: WHO Press, 2003.

Lopes EM, Carvalho RBN, Freitas RM. Análise das possíveis interações entre medicamentos e alimento/nutrientes em pacientes hospitalizados. Einstein. 2010.

Gomes MJVM, Reis AMM. Ciências farmacêuticas: uma abordagem em farmácia hospitalar. São Paulo: Atheneu.2001.

Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos [Internet]. Aplicação de diferentes estratégias de terapia nutricional no Programa de Atenção à Saúde Cardiovascular – PROCARDIO-UFV. RBR-5n4y2g. [acesso em 2014 ago. 08]. Disponível em: <http://www.ensaiosclinicos.gov. br/rg/RBR-5n4y2g>

WHO. World Health Organization. Integrated management of cardiovascular risk: report of a WHO meeting. Geneva. 2002:9-12.

Flahert JH, Perry HM, Lynchard GS, Morley JE. Polypharmacy and hospitalization among older home care patients.J Gerontol A Biol Sci Med Sci 2000;55(10):M554-9.

Salvi RM. Interação fármaco-nutriente: desafio atual da farmacovigilância. EDIPUCRS, 2014.

Mendes LVP, Emmerick ICM, Luiza VL. Uso de medicamentos entre portadores de doenças crônicas: um estudo observacional no estado do Espírito Santo. Rev Bras Farm. 2014;95(2):732-47.

Bertoldi AD. et al. Utilização de medicamentos em adultos: prevalência e determinantes individuais. Rev. Saúde Pública, São Paulo. 2004;38(2):228-238.

Tannure MC et al. Perfil epidemiológico da população idosa de Belo Horizonte, MG, Brasil. Rev. Bras. Enferm. 2010;63(5):817-822.

Bardel A, Wallander MA, Svardsudd K. Reported current use of prescription drugs and some of its determinants among 35 to 65-year-old women in mid-Sweden: a population-based study. J Clin Epidemiol 2010;53:637-43.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Departamento de aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretrizes Brasileiras sobre Dislipidemias e Prevencão da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol. 2007;88(l.1):1-19.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(l.1):1-51.

Prybys KM, Melville K, Hanna J, Gee A, Chyka P. Polypharmacy in the elderly: clinical challenges in emergency practice: part 1 overview, etiology, and drug interactions. Emerg Med Rep. 2002;23(8):145-53.

Bloch KV. Fatores de risco cardiovasculares e para o diabetes mellitus. In: Lessa I, organizador. O adulto brasileiro e as doenças da modernidade. Epidemiologia das doenças crônica não transmissíveis. Rio de Janeiro(RJ): /Hucitec. 1998:43-72.

Stipp MDC et al. O consumo do álcool e as doenças cardiovasculares: uma análise sob o olhar da enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007;11(4):581-85.

Nigro D, Fortes ZB. Efeitos farmacológicos dos diuréticos e dos bloqueadores dos canais de cálcio. Rev. Bras. Hipertens. 2005;12:103-107.

Schmidt MI, Duncan BB. O enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis: um desafio para a sociedade brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília. 2011;20(4).

Fonseca FA. H. Farmacocinética das estatinas. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo. 2005;85(5):9-14.

Rocha NP et al. Análise de diferentes medidas antropométricas na identificação de síndrome metabólica, com ou sem alteração do metabolismo glicídico. Arq Bras Endocrinol Metab. 2010;54(7):636-643.

Oliveira PB de, Franco LJ. Consumo de adoçantes e produtos dietéticos por indivíduos com diabetes melito tipo 2, atendidos pelo Sistema Único de Saúde em Ribeirão Preto, SP.Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo. 2010;54(5):455-462.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Consenso Brasileiro sobre Diabetes 2002 - Diagnóstico e classificação do diabetes melito e tratamento do diabetes melito do tipo 2. Rio de Janeiro: Diagraphic. 2003:40.

Gomez R, Venturini CD. Interação entre alimentos e medicamentos. Porto Alegre: Letra e Vida. 2009.

Sousa AA. Interação entre a terapia nutricional e a produção de refeições: repensando a função da alimentação hospitalar. Nutr Pauta. 2002;53(1):17-21.

Magedanz L, Jacoby T, Silva D, Santos L, Maetinbiancho JZJ. Implementação de um programa para evitar possíveis interações fármaco alimento em pacientes adultos internados em unidades clínicas e cirúrgicas de um hospital universitário. Rev HCPA. 2009;29(1):29-32.

Silveira EA, Dalastra L, Pagotto V. Polifarmácia, doenças crônicas e marcadores nutricionais em idosos. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(4):818-829.

Publicado

2019-10-06