CAMINHOS ÉTICO-POLÍTICOS PARA O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE DROGAS

Genesis de Oliveira Pereira

Resumo


RESUMO:

O presente artigo tem por objetivo reconstruir as mediações entre a política de drogas e o trabalho do assistente, de modo a contribuir para uma intervenção livre do moralismo e potencialmente capaz de construir respostas mais próximas da realidade dos usuários de drogas. Trata-se de uma revisão bibliográfica no âmbito da tradição marxista acerca dos valores, articulada a pesquisa documental no campo das drogas. A questão das drogas exige clareza valorativa tanto sobre o proibicionismo e o antipribicionismo quanto sobre a ética profissional. Nesta perspectiva, é abordada a incompatibilidade entre o proibicionismo e os valores presentes na ética profissional, reivindicando uma atuação no campo das drogas norteada pela perspectiva de redução de danos. Apresenta-se como uma contribuição para o trabalho do assistente social na política de drogas orientado por valores humano-genéricos, numa perspectiva contrária à moralização e potencialmente capaz de romper com o conservadorismo no âmbito das drogas.


Palavras-chave


Drogas; Proibicionismo; antiproibicionismo; ética; Serviço Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, C.; et. al. A questão das drogas e o serviço social: entre o conservadorismo e a defesa dos direitos de cidadania dos usuários de drogas. In: Jornada Internacional de Políticas Públicas, VII, 2013, Maranhão, Anais VII Jornada Internacional de Políticas Públicas

ANDRADE, T.M. Panorama atual da política de drogas no Brasil: a redução de danos. Entre Pedras e fissuras: a construção da atenção psicossocial de usuários de drogas no Brasil. São Paulo: Hucitec, 20016.

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 8.662 de 07 de junho de 1993, dispõe sobre a profissão de Assistente Social e das outras providências.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: 1988.

______. Presidência da República. Decreto n° 7.179, de 20 de maio de 2010.

Institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas.

______. Presidência da República. Decreto n° 6.177, de 22 de maio de 2007. Aprova a Política Nacional sobre o Álcool.

______. Presidência da República. Secretaria Nacional Antidrogas. Política Nacional sobre Drogas. SENAD, 2010.

______. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n° 3.088 de 23 de dezembro de 2011. Brasília, 2011.

______. Ministério da Saúde. Portaria 1.190 de 4 de junho de 2009. Plano Emergencial de Ampliação do acesso do usuário de Álcool e outras Drogas.

______. Ministério da Saúde. A política do Ministério da saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília, 2003.

______. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n° 336 de 19 fevereiro de 2002. Normas e diretrizes para a organização dos serviços que spretam atenção em saúde mental. Brasília, 2002.

______. Ministério da Saúde. Lei 10.2016, de 04 de junho de 2001. Lei da Reforma Psiquiatra. Brasília, 2001.

BRITES, M. C. Ética e uso de drogas – uma contribuição da ontologia para o campo da saúde pública e da redução de danos. 2006. 148 f. Doutorado (Tese em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2006.

CFESS. O debate contemporâneo sobre o uso de drogas. Brasília, 2011. Disponível em http://www.cfess.org.br/arquivos/cfessmanifesta2011_SSdebateusosdrogas_APROVADO.pdf . Acessado em: 20/09/2018

FIORI, Maurício. O lugar do Estado na questão das drogas: o paradigma proibicionista e as alternativas.In: Novos Estudos, n° 92, p. 9-21, março 2012. São Paulo: CEBRAP, 2012.

HELLER, A. O Cotidiano e a História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972

LESSA, S. Mundo dos Homens: trabalho e ser social. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

LIMA, R. C. C. Serviço Social e o método crítico dialético: uma contribuição à análise de álcool e outras drogas. In.: Temas contemporâneos: o Serviço Social em foco. SP: Outras Expressões, 2013.

OLIVEIRA, G. P. O preconceito e a prática profissional do assistente social: os valores e o projeto profissional crítico. Serviço Social em Revista. Londrina, v. 8, n. 2, 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/23638. Acessado em: 20/09/2018

VÁZQUEZ, A. S. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

YASUI, S.; SANTOS, E.C. Muito além do CAPS AD: o cuidado no território e na vida. In.: Entre Pedras e fissuras: a construção da atenção psicossocial de usuários de drogas no Brasil. São Paulo: Hucitec, 20016.




DOI: https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n36p193-205

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES:

Latindex: http://www.latindex.unam.mx/

Dialnet: http://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=19796

IndexCopernicus: http://journals.indexcopernicus.com/passport.php?id=8544

Portal de periódicos da Ufes: http://peridicos.ufes.br

Diadorim-IBICT: http://diadorim.ibict.br/handle/1/319

LICENÇA:

CC BY https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/