Teoria das profissões, marxismo e Serviço Social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2019v19n37p45-64

Resumo

O presente texto elabora subsídios, a partir do debate brasileiro sobre o Serviço Social, para uma análise marxista das ocupações especializadas. Teoricamente, são tratadas algumas das bases da sociologia das profissões, bem como o pensamento de Vicente Faleiros, Marilda Iamamoto e José Paulo Netto sobre atuação do assistente social. Por fim, esboça-se a partir de tais nomes alguns apontamentos sobre a natureza das profissões na sociedade moderna.

Biografia do Autor

Ludson Rocha Martins, Prefeitura Municipal de Nova Lima (MG)

Assistente social da Prefeitura Municipal de Nova Lima - PMPL - (MG), Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Referências

Morais Neto OL, Montenegro MMS, Monteiro RA, Siqueira Júnior JB, Silva MMA, Lima CM, et al. Mortalidade por acidentes de transporte terrestre no Brasil na última década: tendência e aglomerados de risco. Cien Saude Colet. 2012; 17(9):2223-36.

World Health Organization [Internet]. Mejoramiento de la seguridad vial en el mundo. [acesso em 05 nov 2015]. Disponível em: URL: <http://www.who.int/roadsafety/about/resolutions/sept_2011_sg_report_es.pdf>.

Brasil. Ministério da Saúde. Álcool está relacionado a vinte e um por cento dos acidentes no trânsito [internet]. [acesso em 15 mar 2014]. Disponível em: URL: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/noticias-anteriores-agencia-saude/3280>.

Oliveira NLB, Sousa RMC. Fatores associados ao óbito de motociclistas nas ocorrências de trânsito. Rev Esc Enf USP. 2012; 46(6):1379-86.

Schoeller SD, Bonetti A, Silva GA, Rocha A, Gelbcke FL, Khan P. Características das vítimas de acidentes motociclísticos atendidas em um centro de reabilitação de referência estadual do sul do Brasil. Acta Fisiatr. 2012; 18(3): 141-145.

Brasil. Decreto nº 5.055, de 27 de abril de 2004. Institui o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU, em Municípios e regiões do território nacional, e dá outras providências. Diário Oficial da União 27 abr 2004; Seção 1.

Brasil. Ministério da Saúde. O que é o SAMU 192? [Internet]. [acesso em 13 abr 2015]. Disponível em: URL: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/951-sas-raiz/dahu-raiz/forca-nacional-do-sus/l2-forca-nacional-do-sus/13407-servico-de-atendimento-movel-de-urgencia-samu-192>.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.010, de 21 de maio de 2012. Redefine as diretrizes para a implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e sua Central de Regulação das Urgências, componente da Rede de Atenção às Urgências. Diário Oficial da União 21 mai 2012; Capítulo 1.

Moura LTR, Lacerda LCA, Gonçalves DDS, Andrade RB, Oliveira YR. Assistência ao paciente em parada cardiorrespiratória em unidade de terapia intensiva. Rev Rene. 2012; 13(2):419-27.

Resende VD, Morais DA, Mota PA, Araújo RM, Avelino RP, Henriques TRP. Ocorrências de acidentes de acidentes pelo serviço de atendimento móvel de urgência em Belo Horizonte. Rev Enferm Cent O Min. 2012; 2(2):177-194.

Silva MGP, Silva VL, Lima MLLT. Lesões craniofaciais decorrentes de acidentes por motocicleta: uma revisão integrativa. Rev CEFAC. 2015; 17(5):1689-97.

Marín-Leon L, Belon AP, Barros MBA, Almeida SDM, Restitutti MC. Tendência dos acidentes de trânsito em Campinas, São Paulo, Brasil: importância crescente dos motociclistas. Cad. Saúde Pública. 2012; 28(1):39-51.

Silva Jr JB, Malta DC. Avaliação de políticas e ações voltadas a prevenção de acidentes de trânsito e violências no Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2013; 22(3):371-372.

Brasil. Segunda Conferência Global de Alto Nível Sobre Segurança no Trânsito. [acesso em 25 nov 2015]. Disponível em: URL: <http://www.itamaraty.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12508:segunda-conferencia-global-de-alto-nivel-sobre-seguranca-no-transito&catid=42&lang=pt-BR&Itemid=280>.

Pereira KC, Paulino JR, Saltarelli RMF, Carvalho AMP, Santos RB, Silveira TVL, et al. A construção de conhecimentos sobre prevenção de acidentes e primeiros socorros por parte do público leigo. Rev. Enferm. Cent. O. Min. 2015; 5(1):1478-1485.

Adão RS, Santos MR. Atuação do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar móvel. Rev Min Enferm. 2012; 16(4): 601-608.

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Saúde em trânsito: Pesquisa de acompanhamento de vítimas de acidentes de trânsito em Belo Horizonte. [Internet]. 2005. [acesso em 26 jun 2016]. Disponível em: URL: <http://www.pbh.gov.br/smsa/biblioteca/geepi/revistasaudeemtransito.pdf>.

Tanaka Y, Yamada H, Tamasaku S, Inaba H. The fast emergency vehicle pre-emption system improved the outcomes of out-of-hospital cardiac arrest. Am J Emerg Med. 2013; 31(10): 1466-71.

Santos MRC, Fraga-Maia H. Perfil epidemiológico das vítimas de traumatismo craniencefálico atendidas pelo samu-salvador. Rev pesq fisiot. 2016; 6(4): 369-78.

Abreu KP, Pelegrini AHW, Marques GQ, LIMA MADS. Percepções de urgência para usuários e motivos de utilização do serviço de atendimento pré-hospitalar móvel. Rev. Gaúcha Enferm. 2012; 33(2):146-152.

Di Credo PF, Felix JVC. Perfil dos pacientes atendidos em um hospital de referência ao trauma em Curitiba: implicações para a enfermagem. Cogitare Enferm. 2012; 17(1):126-31.

Ventorini JAO, Badke MR, Bisogno SBC, Consentino SF, Santos VO. Conhecimentos e conduta dos agentes comunitários de saúde frente aos primeiros socorros. Rev Enferm UFSM. 2012; 2(2):353-64.

Silva SF, Lucio DBM, Ilha S, Diefenbach GD, Pereira JC. Dificuldades vivenciadas em um serviço de atendimento móvel de urgência: percepções da equipe de enfermagem. Rev. Enferm. Cent. O. Min. 2014; 4(2):1161-72.

Narayan DP, Biradar SV, Reddy MT, Bk S. Assessment of knowledge and attitude about basic life support among dental interns and postgraduate students in Bangalore city, India. World J Emerg Med. 2015; 6(2):118-22.

Publicado

2019-10-06