Teorias raciais, luta de classes e implementação de políticas para reparação: percurso do Movimento Negro no Brasil

Jônatas Corrêa Nery, Rogério Naques Faleiros

Resumo


Este trabalho trata sobre a trajetória histórica do Movimento Negro brasileiro, principalmente do século XIX ao XXI, e ao mesmo tempo apresenta a produção das teorias sobre a questão racial, produzidas de forma mais consolidada do final do século XIX à metade do XX. Busca-se apresentar a importância do Movimento Negro no processo histórico da luta de classes para a introdução de uma agenda de políticas públicas voltadas à população negra que de diversas formas resistiu às ameaças contra a sua liberdade e existência. Para tal realizou-se uma revisão de literatura sobre o tema a fim de articular história e teoria.


Palavras-chave


Luta de Classes; Questão racial; Políticas para reparação.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Thales de. As elites de cor, um estudo de ascensão social. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1955.

BAHIA, Joana; MENASCHE, Renata; ZANINI, Maria Catarina Chitolina (Org.). Pensamento social no Brasil, por Giralda Seyferth: notas de aula. Porto Alegre: Letra &Vida, 2015. 256p. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5&q=Pensamento+social+no+Brasil%2C+por+Giralda+Seyferth%3A+notas+de+aula.&btnG. Acesso em: 27 dez. 2017.

CARDOSO, Marcos. O Movimento Negro em Belo Horizonte. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2002.

CARNEIRO, Édison. Ladinos e crioulos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

CUNHA JR., Henrique. Textos para o movimento negro. São Paulo: Edicon, 1992.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, Niterói, v. 12, n. 23, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-77042007000200007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 1 dez. 2017.

DOMINGUES, Petrônio. Um "templo de luz": Frente Negra Brasileira (1931-1937) e a questão da educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 39, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782008000300008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 1 dez. 2017.

FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes: no limiar de uma nova era. v. 2. São Paulo: Globo, 2008.

FRY, Peter. A persistência da raça: ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África austral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. 350 p. Resenha de: SCHWARCZ, Lilia Moritz. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 12, n. 25. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832006000100015. Acesso em: 1 dez. 2017.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & senzala. São Paulo: Global, 2006.

HASENBALG, Carlos Alfredo. Entre o mito e os fatos: racismo e relações raciais no Brasil. In: MAIO, Marcos Chor; VENTURA, Ricardo (Org.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1996. p. 235-249.

IANNI, Octávio. A sociologia de Florestan Fernandes. Estudos avançados, São Paulo, v. 10, n. 26, p. 25-33, 1996. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141996000100006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 1 dez. 2017.

MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 173-175, 1994.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Edipro, 1998. 112p. (Série clássicos).

MARQUESE, Rafael de Bivar. A dinâmica da escravidão no Brasil: resistência, tráfico negreiro e alforrias, séculos XVII a XIX. Novos estudos-CEBRAP, São Paulo, n. 74, p. 107-123, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002006000100007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 1 dez. 2017.

MOURA, Clovis. Quilombos: resistência ao escravismo. 2. ed. São Paulo: Ática, 1989. 94p.

MULLER, Liane S. As contas do meu rosário são balas de artilharia: irmandade, jornal e associações negras em Porto Alegre (1889-1920). Dissertação (Mestrado em História)-IFCH/Pontifícia Universidade Católica do Riogrande do Sul, Porto Alegre, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Teoria social e relações raciais no Brasil contemporâneo. Especial Curso ERER-Educação para as Relações Étnico-raciais. Caderno PENESB, Niterói, n. 12, 2010.

NASCIMENTO, Washington Santos. “São Domingos, o grande São Domingos”: repercussões e representações da Revolução Haitiana no Brasil escravista (1791-1840). Dimensões, n. 21, 2008.

NETTO, José Paulo. Ditadura e serviço social: uma análise do serviço social no Brasil pós-64. 10. ed São Paulo: Cortez, 2007. 334 p.

ODA, Ana Maria Galdini Raimundo. Escravidão e nostalgia no Brasil: o banzo. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=233020554003. Acesso em: 8 dez. 2017.

OLIVEIRA, Laiana Lannes de. A Frente Negra Brasileira: política e questão racial nos anos 1930. 2002. Dissertação (Mestrado em História Política) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

PIERSON, Donald. Negroes in Brazil: a study of race contact in Bahia. Chicago, University of Chicago Press, 1942.

PEREIRA, Amilcar Araújo. Influências externas, circulação de referenciais e a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil: idas e vindas no “Atlântico Negro”. Ciências e Letras, Porto Alegre, n. 44, p. 215-236, 2008. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5&q=Influ%C3%AAncias+externas%2C+circula%C3%A7%C3%A3o+de+referenciais+e+a+constitui%C3%A7%C3%A3o+do+movimento+negro+contempor%C3%A2neo+no+Brasil%3A+idas+e+vindas+no+%E2%80%9CAtl%C3%A2ntico+negro%E2%80%9D&btnG=. Acesso: 1 dez. 2017.

PEREIRA, Amilcar Araújo. Movimento negro brasileiro: aspectos da luta por educação e pela “reavaliação do papel do negro na história do Brasil” ao longo do século XX. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 26., 2011, São Paulo. [Anais...]. São Paulo, jul. 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/site/anaiscomplementares. Acesso em: 27 dez. 2017.

PINOTTI, Melina Lima. O Movimento Negro e a configuração da lei 10.639/03. In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA, 12., 2016. Coxim (MG). [Anais...]. nov. 2016. Disponível em: http://www.encontro2016.ms.anpuh.org/site/anaiscomplementares. Acesso: 27 dez. 2017.

PINTO, Regina Pahim. O movimento negro em São Paulo: luta e identidade. 1993. Tese (Doutorado)-FLCH-USP, São Paulo, 1993.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Andes, 1957.

RADOMYSLER, Clio Nudel. STF: um espaço de luta do movimento negro. Rio de Janeiro, Direito e Praxis, v. 4, n. 6, 2013, pp. 31-51. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=350944517003. Acesso: 27 dez. 2017.

REIS, João José. “Nos achamos em campo a tratar da liberdade”: a resistência escrava no brasil oitocentista. Viagem incompleta: a experiência brasileira (1500-2000). Formação: histórias. São Paulo: Editora do Senac, p. 241-263, 2000.

ROMERO, Silvio. História da literatura brasileira. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2001.

SANTOS, Sérgio Pereira dos. Os ‘intrusos’ e os ‘outros’ quebrando o aquário e mudando os horizontes: as relações de raça e classe na implementação das cotas sociais no processo seletivo para cursos de graduação da UFES – 2006-2012. 2014. 390 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2017 [1993].

SCHWARCZ, Lilia Moritz. A persistência da raça: ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África austral. Horiz. antropol., Porto Alegre, v. 12, n. 25, p. 287-292, junho de 2006. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832006000100015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832006000100015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 dez. 2017.

SEYFERTH, Giralda. As ciências sociais no Brasil e a questão racial. Cativeiro e liberdade: seminário do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Cativeiro & Liberdade, 1989.

SIMAS, Tatiany de Oliveira. Transgressões escravas no recife oitocentista: a resistência cotidiana 1837-1840. Cadernos Imbondeiro, João Pessoa, v. 3, n. 2, 2014. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ci/issue/view/1479>. Acesso em: 1 dez. 2017.

SKIDMORE, Thomas. White into black Durham e Londres: Duke University Press, 1993.




DOI: https://doi.org/10.22422/temporalis.2019v19n37p26-44

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES:

Latindex: http://www.latindex.unam.mx/

Dialnet: http://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=19796

IndexCopernicus: http://journals.indexcopernicus.com/passport.php?id=8544

Portal de periódicos da Ufes: http://peridicos.ufes.br

Diadorim-IBICT: http://diadorim.ibict.br/handle/1/319

LICENÇA:

CC BY https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/