REVISITANDO O CONCEITO DE INTENCIONALIDADE

Autores

  • Ana Cristina Carmelino Universidade Federal de São Paulo
  • Paulo Ramos Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Resumo

Este artigo tem como objetivo mostrar a trajetória histórica da intencionalidade e verificar se o conceito ainda é válido dentro do escopo teórico de estudos contemporâneos da Linguística Textual brasileira. A discussão se justifica pelo fato de o termo ter sido desfocalizado em parte de obras referenciais da área ou questionado por alguns de seus pesquisadores. A exposição abarcará um período de quatro décadas, iniciando em 1981, ano em que Beaugrande e Dressler incluíram a noção de intencionalidade entre os sete critérios de textualidade. Nos anos seguintes, o conceito foi trazido ao Brasil por teóricos do texto, que ajudaram na difusão do termo entre os estudos da área realizados no país, seja retomando, seja rediscutindo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Carmelino, Universidade Federal de São Paulo

Professora Associada do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).  Pós-doutorado em Linguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), doutorado e mestrado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP/CAr). Membro do Centro de Pesquisa Fórmulas e Estereótipos: Teoria e Análise (FEsTA). Líder do GETHu - Grupo de Estudos sobre Textos Humorísticos (CNPq).

Paulo Ramos, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Professor Associado do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Downloads

Publicado

2019-10-22