SEMIPRODUTIVIDADE CONSTRUCIONAL

UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA COMPLEMENTAÇÃO SENTENCIAL DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i28.31280

Palavras-chave:

Complementação sentencial., Conhecimento semântico., Enraizamento., Bloqueio estatístico.

Resumo

A literatura em Gramática de Construções Baseada no Uso – entendida aqui como a vertente cognitivo-funcional da Gramática de Construções – menciona três mecanismos possíveis para explicar como o falante evita a supergeneralização: o conhecimento gramatical, o enraizamento e o bloqueio estatístico. Este artigo busca avaliar a realidade psicológica de cada um desses mecanismos a partir da análise de uma construção específica do português brasileiro: a Construção de Complementação Sentencial (por exemplo, “Ela disse que sairia”). Após uma análise baseada em corpus, da qual derivamos três hipóteses relativas à representação mental da construção em pauta, relatamos um experimento de produção induzida. Os resultados confirmam a atuação de um mecanismo baseado em conhecimento gramaticale de um mecanismo baseado em conhecimento estatístico em termos de enraizamento. Por outro lado, não foi possível comprovar a atuação do bloqueio estatístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayanne de Oliveira Ximenes, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestra em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); graduada em Letras - Português/Espanhol pela mesma instituição.

Diogo Pinheiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutor em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); mestre em Língua Portuguesa pela mesma instituição; graduado em Letras - Português/Latim pela UFRJ. É professor da Faculdade de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFRJ.

Referências

AMBRIDGE, B. How do children restrict their linguistic generalizations?: an (un-) grammaticality judgment study. Cognitive Science, v. 37, n. 3, p. 508-543, dez. 2013.

AMBRIDGE, B.; BIDGOOD, A; TWOMEY, K. E.; PINE, J. M.; ROWLAND, C. F.; FREUDENTHAL, D. Preemption versus entrenchment: Towards a construction-general solution to the problem of the retreat from verb argument structure overgeneralization. PLoS ONE, v. 10, n. 4, p. 1-20, abr. 2015.

AMBRIDGE, B.; PINE, J. M.; ROWLAND, C. F.; YOUNG, C. R. The effect of verb semantic class and verb frequency (entrenchment) on children’s and adults’ graded judgements of argument-structure overgeneralization errors. Cognition, v. 106, n. 1, p. 87-129, jan. 2008.

AMBRIDGE, B.; GOLDBERG, A. E. The island status of clausal complements: Evidence in favor of an information structure explanation. Cognitive Linguistics, v. 19, n. 3, p. 349–382, set. 2008.

BOYD, J. K.; GOLDBERG, A. E. Learning what not to say: The role of statistical preemption and categorization in a-adjective production. Language, v. 87, n. 1, p. 55-83, mar.2011.

DABROWSKA, E. Recycling utterances: A speaker’s guide to sentence processing. Cognitive Linguistics, v. 25, n. 4, p. 617-653, out. 2014.

GOLDBERG, A. E. Constructions: A construction grammar approach to argument structure. Chicago: University Press, 1995.

HILPERT, M. Construction Grammar and its application to English. Edinburgh University Press, 2014.

PEREK, F.; GOLDBERG, A. E. Linguistic generalization on the basis of function and constraints on the basis of statistical preemption. Cognition, v. 168, p. 276-293, nov. 2017.

ROSANEN, S. H. M., AMBRIDGE, B.; PINE, J. M. An elicited-production study of inflectional verb morphology in child Finnish. Cognitive Science, v. 40, n. 7, p. 1-35, nov. 2016.

ROBENALT, C.; GOLDBERG, A. E. Judgment evidence for statistical preemption: It is relatively better to vanish than to disappear a rabbit, but a lifeguard can equally well backstroke or swim children to shore. Cognitive Linguistics, v. 26, n. 3, p. 467-504, jun. 2015.

Downloads

Publicado

2020-10-14