As relações retóricas sinalizadas pelo marcador discursivo mas em estratégias de construção do texto falado

Autores

  • Gabriele Pecuch Universidade Estadual de Maringá/Doutoranda
  • Juliano Desiderato Antonio Universidade Estadual de Maringá (UEM)

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v15i31.35506

Palavras-chave:

Marcador discursivo mas, Funcionalismo, RST

Resumo

Este trabalho tem como objetivo investigar o funcionamento do marcador discursivo (MD) mas como marca formal de relações de coerência, visando a contribuir para os estudos acerca da construção do texto falado. Para isso, utilizamos um corpus constituído por dez entrevistas orais disponíveis no banco de dados do Grupo de Pesquisas Funcionalistas do Norte/Noroeste do Paraná (Funcpar). Em nossas análises, buscamos como aporte teórico a Teoria da Estrutura Retórica (Rhetorical Structure Theory – RST) (MANN; THOMPSON, 1988; MANN; MATTHIESSEN; THOMPSON, 1989), uma teoria descritiva funcionalista que se dedica ao estudo das relações de coerência estabelecidas entre as partes de um texto. As relações estudadas pela RST partem do nível discursivo e, apesar de não exigirem a presença de marcas formais para serem estabelecidas, podem ser sinalizadas por elementos como o mas. Após a tabulação dos dados, constatamos que o mas inicia inserções parentéticas, reintroduz tópicos, marca o início de paráfrases e de perguntas retóricas, além de atuar na dinâmica de turnos (FÁVERO; ANDRADE; AQUINO, 2006; JUBRAN, 2006). Assim, o MD sinaliza as relações retóricas parentética, same-unit, reafirmação multinuclear e elaboração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Desiderato Antonio, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Professor [Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Departamento de Teorias Linguísticas e Literárias, Programa de Pós-Graduação em Letras]

Referências

ALVES, D. V. dos S. Uma investigação funcionalista do Marcador Discursivo então no estabelecimento de relações retóricas em elocuções formais do português. 2013. 104 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

ANTONIO, J. D.; BARBOSA, C. T. Relações retóricas estabelecidas por perguntas e respostas em elocuções formais. Todas as letras, v. 14, n. 2, p. 186-197, 2012.

CARLSON, L.; MARCU, D. Discourse Tagging Reference Manual, 2001. Disponível em: https://www.isi.edu/~marcu/discourse/tagging-ref-manual.pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

CASSIM, F. T. R. Relações retóricas sinalizadas pelas estratégias de correção e de parafraseamento em elocuções formais. 2014. 82 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014.

CASTILHO, A. T. de. Apresentação. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

CASTILHO, A. T. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

CHAFE, W. L. Linguistic diferences produced by diferences between speaking and writing. In: OLSON, D. R.; TORRANCE, N.; HILDYARD, A. (Orgs.). Literacy Language and Learning: The nature and consequences of reading and writing. Cambridge: Univ. Press, 1985.

FÁVERO, L. L. Processos de formulação do texto falado: a correção e a hesitação nas elocuções formais. In: PRETI, D. (Org.). O discurso oral culto. São Paulo: Humanitas, 1999.

FÁVERO, L. L.; ANDRADE, M. L. C. V. O.; AQUINO, Z. G. O. O par dialógico pergunta-resposta. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

GANASIN, M. B. Funções exercidas e relações retóricas sinalizadas pelas estratégias de parentetização e de repetição em elocuções formais. 2016. 68 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

HILGERT, J. G. Parafraseamento. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

JUBRAN, C. C. A. S. Parênteses: propriedades identificadoras. In: CASTILHO, A. T. de; BASÍLIO, M. (Orgs). Gramática do Português Falado. v. IV: Estudos Descritivos. Campinas: Editora da Unicamp; São Paulo: FAPESP, 1996.

JUBRAN, C. C. A. S. Tópico discursivo. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

MANN, W. C.; MATTHIESSEN, C. M. I. M.; THOMPSON, S. A. Rhetorical Structure Theory and Text Analysis. 1989. Disponível em: http://www.sfu.ca/rst/index.html. Acesso em: 10 mar. 2021.

MANN, W. C.; THOMPSON, S. A. Rhetorical Structure Theory: A Theory of Text Organization. 1987. Disponível em: http://www.sfu.ca/rst/index.html. Acesso em: 10 mar. 2021.

MANN, W. C.; THOMPSON, S. A. Rhetorical structure theory: toward a functional theory of text organization. Text, Berlim, v. 8, n. 3, p. 243-281, 1988.

MANN, W. C.; THOMPSON, S. A. Relational Discourse Structure: A comparison of approaches to structuring text by “contrast”. 1992. Disponível em: http://www.sfu.ca/rst/index.html. Acesso em: 10 mar. 2021.

MARCUSCHI, L. A. Análise da conversação. São Paulo: Editora Ática, 1998.

MARCUSCHI, L. A. Repetição. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

MATTHIESSEN, C. M. I. M.; TERUYA, K. Grammatical realizations of rhetorical relations in different registers. Word, v. 61, n. 3, p. 232-281, 2015.

NEVES, M. H. de M. Texto e Gramática. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2013.

NEVES, M. H. de M. Gramática Funcional: interação, discurso e texto. São Paulo: Contexto, 2018.

O’DONNELL, M. From corpus to codings: Semi-automating the acquisition of linguistic features. Proceedings of the AAAI Spring Symposium on Empirical Methods in Discourse Interpretation and Generation. Proceedings of the AAAI Spring Symposium on Empirical Methods in Discourse Interpretation and Generation. Stanford: AAAI, 1995. p. 27-29.

PRETI, D. Análise de textos orais. 6. ed. São Paulo: Humanitas Publicações FFLCH/USP, 1993.

RISSO, M.S.; SILVA, G. M. O.; URBANO, H. Marcadores discursivos: traços definidores. In: KOCH, I.G.V. (Orgs.). Gramática do português falado. v. VI: Desenvolvimentos. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

SANTOS, K. R. C. Uma investigação funcionalista das relações retóricas do campo da avaliação no português falado. 2018. 153 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2018.

TABOADA, M. Building coherence and cohesion: task-oriented dialogue in English and Spanish. Amsterdã: John Benjamins, 2004.

TABOADA, M. Implicit and explicit coherence relations. In: RENKEMA, J. (Ed.). Discourse, of Course. Amsterdã: John Benjamins, 2009.

TABOADA, M.; MANN, W. C. Applications of Rhetorical Structure Theory. Discourse Studies. Sage Publications, 2005.

URBANO, H. Marcadores discursivos basicamente interacionais. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

ZELDES, A. rstWeb - A browser-based annotation interface for rhetorical structure theory and discourse relations. In: NAACL-HLT 2016 SYSTEM DEMONSTRATIONS, San Diego. Proceedings of the AAAI Spring Symposium on Empirical Methods in Discourse Interpretation and Generation. San Diego, CA: NAACL, 2016. p. 1-5.

Downloads

Publicado

2021-10-03