A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO ATLAS PRÉVIO DOS FALARES BAIANOS: UM OLHAR VARIACIONISTA

Autores

  • Aluiza Alves de Araújo Universidade Estadual do Ceará (UECE)
  • Brenda Kathellen Melo de Almeida Universidade Estadual do Ceará (UECE)
  • Letícia Adriana Pires Ferreira dos Santos Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Resumo

Sob a ótica da Sociolinguística Variacionista, o presente estudo investiga, nos dados do Atlas Prévio dos Falares Baianos, a síncope das proparoxítonas, um processo que consiste na redução do corpo fônico das palavras pela perda de um ou mais segmentos em sílaba postônica, possibilitando que itens lexicais proparoxítonos passem a paroxítonos, como em clavícula > clavica. O objetivo deste estudo é analisar as variáveis linguísticas (contexto fonológico precedente, contexto fonológico seguinte, classificação lexical, extensão da palavra e item lexical) e extralinguísticas (gênero, escolaridade e área geográfica) que influenciam nesse processo. Foram examinadas 05 cartas linguísticas (cálice, carta 47; clavícula, carta 57; óculos, carta 65; pérola, carta 66; e útero, carta 61) do Atlas Prévio dos Falares Baianos (APFB). O corpus deste Atlas é constituído por 100 informantes, provenientes de 50 cidades baianas, sendo que 75 desses informantes eram completamente analfabetos e a maioria possuía entre 39 e 49 anos. Os dados coletados em nossa pesquisa foram codificados e submetidos à análise estatística do GoldVarb X. Os resultados revelaram que os grupos de fatores mais relevantes, nesta ordem, foram: contexto fonológico precedente, contexto fonológico seguinte e classificação lexical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aluiza Alves de Araújo, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Professora do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada (PosLA) da Universidade Estadual do Ceará.

Brenda Kathellen Melo de Almeida, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Graduanda em Letras na Universidade Estadual do Ceará –UECE e bolsista de Iniciação Científica da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FUNCAP.

Letícia Adriana Pires Ferreira dos Santos, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Professora Doutora do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, Ceará, Brasil.

Downloads

Publicado

2014-12-31