ESBOÇO DE UMA CRÍTICA À COMPREENSÃO FETICHISTA DA FORMAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COMO “FORMAÇÃO ECONÔMICA”

Autores

  • Luiz Antônio Evangelista de Andrade Instituto Federal do Espírito Santo - Campus Guarapari

DOI:

https://doi.org/10.7147/GEO30.30113

Palavras-chave:

modernização do Espirito Santo, fetichismo, formação econômica do Espírito Santo.

Resumo

Nos últimos 40 anos, formou-se um amplo acervo de pesquisas ligadas à temática da “formação econômica” do Espírito Santo, as quais, amparadas na categoria da modernização, ajudaram a consolidar uma dada interpretação do processo de desenvolvimento capixaba que o positivou não só no entendimento acadêmico sobre essa “formação econômica”, mas também no senso comum. Pressupondo que essa positivação reafirma o caráter fetichista dessa categoria e da temática em questão, nosso objetivo foi identificar as abordagens que lhes dão suporte e propor uma nova contribuição teórica para sua compreensão. Para realizar essa tarefa, recorremos a dois estudos de História Econômica elaborados por Gabriel Bittencourt, professor e pesquisador que foi ligado ao Departamento de História da Universidade Federal do Espírito Santo.

Palavras-chave: modernização do Espirito Santo; fetichismo; formação econômica do Espírito Santo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Antônio Evangelista de Andrade, Instituto Federal do Espírito Santo - Campus Guarapari

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007). É mestre em Geografia (2010) e doutor em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2017). Atualmente é professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal do Espírito Santo - Campus Guarapari. Tem experiência na área de Geografia e educação, com ênfase em estudos urbanos e políticas sociais, atuando principalmente nos seguintes temas: crítica da dissociação-valor e crise do trabalho; urbanização e reprodução social.

Downloads

Publicado

2020-07-08

Como Citar

EVANGELISTA DE ANDRADE, L. A. ESBOÇO DE UMA CRÍTICA À COMPREENSÃO FETICHISTA DA FORMAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COMO “FORMAÇÃO ECONÔMICA”. Geografares, [S. l.], v. 1, n. 30, p. 8–31, 2020. DOI: 10.7147/GEO30.30113. Disponível em: https://www.periodicos.ufes.br/geografares/article/view/30113. Acesso em: 16 jan. 2021.