Geografia em bases ontológico-existenciais através da fenomenologia-hermenêutica de Heidegger:

o significado do existencial ser-em.

Autores

  • Luis Carlos Tosta dos Reis Departamento de Geografia e PPGG em Geografia da UFES
  • Josimar Monteiro Santos Ufes
  • Akylla Cozer Chiabai Silva Ufes

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v1i33.37132

Palavras-chave:

Geografia, Ontologia, Fenomenologia, Heidegger

Resumo

O artigo considera a relação entre a Geografia e o pensamento de Heidegger, tendo como foco o problema da fundamentação ontológica desta ciência. Seu objetivo consiste em fomentar uma reabilitação da investigação sobre a ontologia na Geografia através do modo específico que o filósofo apreende o método fenomenológico. Para tanto, a discussão será orientada para a exposição do existencial ser-em que viabiliza a interpretação fenomenológica do espaço enquanto fenômeno originário que, para Heidegger, corresponde ao espaço existencial que estaria à base de toda representação conceitual das ciências que efetivam suas pesquisas através de uma determinação teórica sobre o espaço, como no caso da Geografia. Para tanto seria indispensável compatibilizar a investigação ontológica na Geografia com a analítica do ser-aí humano contida em Ser e Tempo. O artigo se justifica na medida em que encaminha uma via pouco desenvolvida na disciplina que, usualmente, submete o assunto a um tratamento estritamente teórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josimar Monteiro Santos, Ufes

Doutorando em Geografia, PPGG/Ufes.

Akylla Cozer Chiabai Silva, Ufes

Graduando em Geografia/Ufes

Referências

CARLOS, A. F. A. A Condição Espacial. São Paulo. Editora Contexto. 2011.

CASANOVA, M. Antonio. Mundo e Historicidade. Leituras fenomenológicas de Ser e Tempo. Rio de Janeiro. Editora Via Verita. 2015.

DAL GALLO, Priscila M. A ontologia da Geografia à luz da obra de Arte: o embate Terra-Mundo em “Out of África”. 2015. Dissertação. Unicamp, 2015.

DARDEL, Eric. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DUARTE, André. Heidegger e a possibilidade de uma antropologia existencial. Natureza Humana. v. 6. n. 1: 29-51, jan.-jun. 2004

ELDEN, Stuart. Contribution to Geography? The espace of Heigegger's Beiträge. Environment and Planning D: Society and Space, UK, V. 23, p. 819-827. 2005.

_____________. Mapping the Present: Heidegger Foucault and the Project of a Spatial History. London: Continuun, 2001.

FOGEL, G. Homem, Realidade, Interpretação. Rio de Janeiro. Editora Mauad X, 2015.

GALVÃO FILHO, C. E. P. Por abismos...Casas...Mundos...Ensaio de geosofia fenomenológica. Londrina: Eduel, 2019.

GOMES, P. C. da C. Geografia e Modernidade. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 1996.

HARVEY, D. A Justiça Social e a Cidade. São Paulo. Editora Hucitec, 1980.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. 8º. ed. Petrópolis: Vozes, 2006.

___________ . Sobre o Humanismo. 3º. ed. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro, 2009.

HOLZER, Werther. Um estudo fenomenológico da Paisagem e do Lugar: a crônica dos viajantes no Brasil do século XVI. 1998. Tese. USP, 1998.

JORONEN, Mikko. The Age of Planetary Space: On Heidegger, Being, and Metaphysics of Globalization. 227f. Tese. Departamento de Geografia, Universidade de Turku, 2010.

PICKLES, John. Phenomenology, science and geography: spatiality and the human sciences. Cambridge: Cambridge University Press, 1985.

MARANDOLA Jr, E. Prefácio. In: DARDEL, Eric. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Editora perspectiva, 2011.

______. Lugar Enquanto Circunstancialidade. In: ______. Qual o espaço do lugar? Geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012. pg. 227-248.

_______. Fenomenologia e Pós-Fenomenologia: Alternativas e projeções do fazer geográfico humanista na geografia contemporânea. Geograficidade, RJ, v.3, n.2, Inverno. 2013.

______. Habitar em risco: mobilidade e vulnerabilidade na experiência metropolitana. São Paulo: Ed. Blucher, 2014.

______. Fenomenologias do ser-situado. crônicas de um verão tropical urbano. São Paulo: Ed. Unesp, 2021.

MORAES, A. C. Robert. Em Busca da Ontologia do Espaço. In: MOREIRA, Ruy (Org.) Geografia: Teoria e Crítica. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1982.

OLIVEIRA, L. A. Deixar aprender: o ensino de geografia como educação geográfica existencial. (Dissertação de Mestrado). Departamento de Geociências, UEL, 2017.

REIS, L. C Tosta dos; SANTOS, J. M. O Resgate da Investigação Ontológica na Geografia através da Fenomenologia-Hermenêutica de Martin Heidegger. ParaOnde!?, Porto Alegre, v.12, n.1, p. 173-190, 2019.

SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova. São Paulo: EDUSP, 1978.

SANTOS, J. M. Horizonte humanista e fenomenologia na geografia: o problema da assimilação humanista do pensamento de Martin Heidegger. (Dissertação de mestrado). Pós-Graduação em Geografia. Ufes, Vitória, 2017.

SERPA, Angelo. Por uma Geografia dos Espaços Vividos, Geografia e Fenomenologia. São Paulo: Editora Contexto, 2019.

SILVA, Armando Corrêa da. O Espaço como Ser: uma auto-avaliação crítica. In: MOREIRA, Ruy (Org.) Geografia: Teoria e Crítica. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1982.

SOJA, Edward W. Geografias Pós-Modernas. A reafirmação do espaço na teoria social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1991.

STRASSER, S. Fenomenologia e Ciências do Homem. Editora Ufpel, 2010.

ZADOROSNY, L. A Dimensão Ontológica na Geografia: um paralelo entre o horizonte da crítica-radical e o pensamento de Heidegger. (Dissertação mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Ufes, Vitória, 2019.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Como Citar

TOSTA DOS REIS, L. C.; SANTOS, J. M.; SILVA, A. C. C. . Geografia em bases ontológico-existenciais através da fenomenologia-hermenêutica de Heidegger: : o significado do existencial ser-em. Geografares, [S. l.], v. 1, n. 33, p. 33–59, 2021. DOI: 10.47456/geo.v1i33.37132. Disponível em: https://www.periodicos.ufes.br/geografares/article/view/37132. Acesso em: 17 maio. 2022.