Patriarcado e capitalismo: uma relação simbiótica

Autores

  • Terezinha Martins dos Santos Souza Professora Adjunta da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p475-494

Resumo

Este artigo discute a forma como o patriarcado, de existência muito anterior ao capitalismo, assumiu, ao longo da história, várias facetas, brindando a essa opressão uma aparência de indestrutibilidade. Desde o século XIX, diversas mulheres têm travado a luta pela participação política como uma das formas de combate ao patriarcado. A forma que a divisão sexual do trabalho assume a partir das sociedades industriais, implica em mudanças na estrutura familiar, em direção à família nuclear. Com o revolucionar do capitalismo, que se apoia na hierarquia patriarcal, as funções de reprodução social (vida privada) se tornam função exclusiva das mulheres, ao passo que as tarefas da produção da vida (vida pública) se tornam função dos homens. Ocorre a separação entre o local do trabalho e a casa. Pela simbiose capital-patriarcado, expulsam-se as mulheres do mercado de trabalho no século XIX. No entanto, no final do mesmo século, a força de trabalho das mulheres passa a ser exigida pelo capital. Fomenta-se, então, uma nova realidade social para as mulheres, em que se propicia o surgimento de reivindicações e lutas pela sua emancipação política. Objetiva-se analisar a relação entre capitalismo e patriarcado, bem como das estratégias e lutas pensadas para combatê-los, de forma que não se hipostasie a opressão, mas que também não a menospreze, usando o método materialista histórico-dialético para pensar as complexas relações entre exploração de classe e dominação/opressão de sexo/gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Terezinha Martins dos Santos Souza, Professora Adjunta da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Professora Adjunta da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Psicóloga, mestre e doutora em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Referências

ARAÚJO, C. M. Cidadania incompleta: o impacto da lei de cotas sobre a representação política das mulheres no Brasil. 1999. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia)- Universidade Federal do Rio do Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

EINSENSTEIN, Z. R. Patriarcado capitalista y feminismo socialista. Ciudad de México: Siglo Veintiuno, 1980.

ENGELS, F. A miséria da filosofia. 2. ed. São Paulo: Global, 1989.

HOBSBAWM, E. A era dos impérios (1875-1914). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

IZQUIERDO, M. J. Sin vuelta de hoja. Barcelona: Edicions Bellaterra, 2001.

LUKÁCS, G. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. Ontologia do ser social. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

MARX, K. O 18 Brumário e cartas a Kugelmann. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

______. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989. Livro 1, v. 1.

______. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova cultural, 1988. Livro 1, v. 1. (Coleção Os economistas).

PAULO NETTO, J. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

______. Prólogo. In: MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Cortez, 1998.

______. Para a crítica da vida cotidiana. In: ______; FALCÃO, M. C. Cotidiano: conhecimento e crítica. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1987.

Downloads

Publicado

2016-01-08