PLANEJAMENTO EM SERVIÇO SOCIAL: TENSÕES E DESAFIOS NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL.

Autores

  • Kathiuça Bertollo Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2016v16n31p333-356

Resumo

Neste artigo apresenta-se uma reflexão sobre o planejamento enquanto uma atribuição e competência do assistente social buscando evidenciar as tensões e os desafios na operacionalização do mesmo. Um dos pontos principais que se enfatiza é que ao reconhecer o planejamento enquanto um ato técnico, mas também político, reforça-se a necessidade e pertinência da operacionalização deste em consonância com o que o projeto ético-político da profissão propõe a fim de superar formas centralizadoras, burocráticas e funcionais à ordem hegemônica e colocar-se no âmbito do tensionamento e alargamento da esfera política de atuação do Serviço Social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kathiuça Bertollo, Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP

Assistente Social, Mestre e Doutoranda em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Referências

BAPTISTA, Myrian Veras. Planejamento social: intencionalidade e instrumentação. São Paulo: Veras Editora, 2002.

BARBOSA, Mario da Costa. Planejamento e serviço social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

BRASIL. Lei n. 8.662, de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília-DF, 8 jun. 1993. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8662.htm> Acesso em: 28 mar. 2016.

CARVALHO, Maria Carmo B. Gestão social: alguns apontamentos. In. RICO, Elizabeth Melo; DEGENSZAJN, Raquel Raicheles (Org’s). Gestão social: uma questão em debate. São Paulo; EDUC; IEE, 1991.

CFESS. Conselho Federal de Serviço. Resolução n. 273, de 13 de março de 1993. Institui o Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais e dá outras providências. Disponível em: < <http://www.cfess.org.br/arquivos/resolucao_273-93.pdf>> Acesso em: 10 abr. 2016.

GANDIN, Danilo. A posição do planejamento participativo entre as ferramentas de intervenção na realidade. Currículo sem fronteiras, v.1, n.1, p. 81-95, 2001.

GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do serviço social. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

______. A instrumentalidade no trabalho do assistente social. Palestra ministrada no Simpósio Mineiro de Assistentes Sociais. CFESS/CRESS, Belo Horizonte, maio de 2007. Mimeo.

IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

MENEGOLLA, Maximiliano; SANT’ANNA, Hzam. Porque planejar? Como planejar? 5. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1991.

OSÓRIO. Héctor H. G. Elaboração, análise, monitoramento e avaliação de projetos sociais. Florianópolis, 2002.

PFEIFER, Peter. Planejamento estratégico municipal no Brasil: uma nova abordagem. Brasília: ENAP, 2000.

TEIXEIRA, Joaquina Barata. Formulação, administração e execução de políticas públicas. In. CFESS. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília-DF: CFESS/ABEPSS, 2009.

VIEIRA, Evaldo. Os direitos e a política social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

Downloads

Publicado

2017-02-13