LIXÃO DE GRAMACHO: IMPACTOS DO ENCERRAMETO PARA OS CATADORES

Autores

  • Valeria Pereira Bastos Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
  • Andrea Oliveira Magalhães

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2016v16n31p379-398

Resumo

Esse artigo apresenta os impactos socioeconômicos na vida dos catadores de materiais recicláveis, após o encerramento do Lixão de Gramacho. O estudo teve como referência, identificar até que ponto as políticas públicas se fizeram presentes como uma das vias de acesso para sobrevivência desses trabalhadores que atuavam no lixão, e após trinta anos de atividade, não contariam mais com o espaço para a catação na busca do seu sustento e da família. Para compreensão dos fatos, o estudo se respaldou em pesquisa documental, observação participante e ainda de entrevista semiestruturada para a escuta dos sujeitos envolvidos, com a finalidade de ponderar perdas e ganhos viabilizados pelo apoio governamental ancorado pela Lei nº 12.305/2010 - Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), bem como os benefícios da Política de Assistência Social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valeria Pereira Bastos, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutora em Serviço Social, área de pesquisa está voltada para o estudo das Questões Socioambientais, Urbanas e Formas de Resistência Social, é Professora Assistente I da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-RIO do Departamento de Serviço Social e integrante do Laboratório de Estudos Urbanos e Socioambiental - LEUS. Autora do livro Profissão: Catador. Um estudo da construção identitária, lançado pela Editora Letra Capital em dezembro 2014. Experiência é com ênfase em trabalho social voltado para o contexto socioambiental com Catadores de Materiais Recicláveis, atuando principalmente nos seguintes temas: Identidade, Trabalho, Exclusão Social, Políticas Sociais e Contemporaneidade.

Andrea Oliveira Magalhães

Engenheira Química, Auditora da Caixa Econômica Federal, Mestre em Engenharia Urbana e Ambiental, ex-orientanda da Professora Valéria Pereira Bastos.

Referências

ACSERALD, Henri. Justiça ambiental e construção social do risco. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 5. p. 49-60, jan./jun. 2002.

BASTOS, Valéria Pereira. Construindo identidades: catador - herói ou sobrevivente da perversa forma de catação. Confluências, Rio de Janeiro, v.4, n. 1, p. 22-26, out. 2005.

______. Catadores de materiais recicláveis: excluídos ou beneficiários de políticas públicas? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM SERVIÇO SOCIAL, 12., 2012. Juiz de Fora (MG). Anais... Juiz de Fora: ABEPSS, 2012. 1 CD-ROM.

_______. Profissão: catador: um estudo do processo de construção de identidade. Rio de Janeiro: Letra Capital. 2014.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. DF: Senado Federal. 1988. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília-DF, 15 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 22 maio 2015.

______. Decreto n. 5.940, de 25 de outubro de 2006. Decreto Federal de Apoio a Coleta Seletiva. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília-DF, 26 out. 2006.Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5940.htm>. Acesso em: 22 maio 2015.

______. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília-DF, 3 ago. 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em:12 jan. 2015.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

JANCZURA. Rosane. Risco ou vulnerabilidade social? Textos e Contextos, Porto Alegre, v.11, n.2, p.301-308, ago./dez. 2012.

LIXÃO X ATERRO. 2016. Disponível em: <http://www.lixo.com.br/content/view/144/251/> Acesso em: 10 mar. 2016.
MAGALHÃES, Andrea de Oliveira. Estudo dos impactos socioeconômicos e ambientais na vida dos catadores de materiais recicláveis pós-encerramento do lixão de Gramacho. 2015. 124 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2015.

MEIRELLES, Delton Ricardo Soares; GOMES, Luiz Cláudio Moreira A busca da cidadania: a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias-RJ. Rio de Janeiro. 2009. Disponível em: <http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2008/docsPDF/ABEP2008_1139.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2015.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável. Brasília-DF: IPEA, 2013. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/pdfs/situacao_social/131219_relatorio_situacaosocial_mat_reciclavel_brasil.pdf>. Acesso em: 12 maio 2015.

NOGUEIRA, Vera Maria R. Avaliação e monitoramento de políticas e programas sociais: revendo conceitos básicos. Katálysis, Florianópolis, v. 5, n. 2, p.141-152, jul./dez., 2002.

RAICHELIS, Raquel. Esfera pública e conselhos de assistência social. São Paulo: Cortez. 1998.

RIBEIRO, Ricardo Laino; CARMO, Maria Scarlet do. O impacto do encerramento do aterro metropolitano de Jardim Gramacho para os comerciantes do setor informal de alimentos da região. Gestão e Sociedade, Belo Horizonte, v 7. n. 17, p. 220-248, maio/ago., 2013.

RUMO SUSTENTÁVEL. EcoD Básico: lixão, aterro controlado e aterro sanitário. 2010. Disponível em: <https://rumosustentavel.com.br/2010/05/12/ecod-basico-lixao-aterro-controlado-e-aterro-sanitario/> Acesso em: 10 mar. 2016.

SCHONS, Selma Maria. A questão ambiental e a condição de pobreza. Katálysis, Florianópolis, v.15, n.1, p. 70-78,jan./ jun. 2012.

TELLES, Vera da Silva. Pobreza e cidadania. São Paulo: USP, 2001.

TETOBRASIL. Relatório enquetes Jardim Gramacho 2013. Disponível em: <http://docplayer.com.br/6913123-Relatorio-enquetes-jardim-gramacho-2013.html> Acesso em: 12 maio 2015.

Downloads

Publicado

2017-02-13