Os projetos de assistência social em disputa e o padrão híbrido de gestão do SUAS

Autores

  • Robson Roberto Silva Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2017v17n34p225-252

Resumo

 

Este trabalho busca, por meio de uma pesquisa bibliográfica e documental, analisar a construção da política pública de assistência social no Brasil, considerando os distintos projetos em disputa nessa área. Assim, procura demonstrar que –, como resultado do projeto neoliberal hegemônico de assistência social, que conserva aspectos de um projeto tradicional, e que colide e convive com um projeto que concebe a assistência como direito social e dever do Estado –, vem sendo construído desde o meado da década de 1990 um padrão híbrido de gestão, cujos principais traços de continuidade e rupturas são apresentados neste trabalho no período de construção do Sistema Único de Assistência Social (SUAS).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Roberto Silva, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Serviço Social (2005) e mestrado em Política Social (2007), ambos pela Escola de Serviço Social (ESS) da Universidade Federal Fluminense (UFF). É especialista em Serviço Social, Direitos Sociais e Competências Profissionais (2010) pela Universidade de Brasília (UNB). Doutor em Serviço Social pelo Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor Adjunto da ESS da UFF de Niterói, onde participa como pesquisador do Grupo de Pesquisa sobre Política Social e Desenvolvimento (GPODE). Tem experiência profissional em ensino na área de Fundamentos de Serviço Social e em pesquisa e extensão relacionadas às políticas sociais e aos espaços sócio-ocupacionais de atuação dos assistentes sociais. Sua produção acadêmica concentra-se nas áreas: avaliação e gestão de politicas sociais; seguridade social e política de assistência social; e Serviço Social.

Referências

BARING, Anne; CASHFORD, Jules. El mito de la diosa evolución de uma imagen. Madrid: Ediciones Siruela, 2005.

BETTO, Frei; BOFF, Leonardo. Mística e Espiritualidade. 6. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BERGANT, Dianne; KARRIS, Robert J (orgs.). Comentário Bíblico II: profetas posteriores, escritos, livros deuterocanônicos. 3ª ed. São Paulo: Loyola, 2001.

CALVET, Louis-Jean. Tradição oral & tradição escrita. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

COHN, Norman. Cosmos, Caos e o Mundo que Virá: as Origens das Crenças no Apocalipse. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FÄRBER, Sonia Sirtoli. Considerações sobre a morte no Antigo Testamento: aproximações entre teologia e tanatologia. Anais do Congresso Internacional da Faculdades EST. São Leopoldo: EST, v. 1, 2012, p.1053-1065.

FOHRER, G. História da Religião de Israel. São Paulo: Academia Cristã/ Paulus, 2012.

FOHRER, G.; SELLIN, E. Introdução ao Antigo Testamento. São Paulo: Academia Cristã/ Paulus, 2012.

FINKELSTEIN, Israel; SILBERMAN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, 2003.

JÜNGLING, Hans-Winfried. “O Livro de Isaías”. In: ZENGER, Erich (org). Introdução ao Antigo Testamento. São Paulo: Loyola, 2003.

LELLIS, Nelson. Deus é bom e o Satan é mau: encontros e construções na fé judaica. Unitas – Revista Eletrônica de Teologia e Ciências das Religiões. Vitória-ES, vol. 1, jan.-jun., 2014, p. 111-120. Disponível em: <http://revista.faculdadeunida.com.br/index. php/unitas>.

LENHARDT, P.; COLLIN, M. A Torah dos Fariseus. 2ª ed. São Paulo: Paulus, 2007.

MAIER, Johann. Entre os dois testamentos: história e religião na época do segundo templo. São Paulo: Loyola, 2005.

LÍNDEZ, J.V. Eclesiastes ou Qohélet. São Paulo: Paulus, 1999.

NELIS, J. Verbete “Ressurreição”. In: VAN DEN BORN, A. (org.). Dicionário Enciclopédico da Bíblia. 3ªed. Lisboa: Centro do Livro Brasileiro; Petrópolis: Vozes, 1971.

NICKELSBURG, G.W.E. Resurrection, immortality, and eternal life in intertestamental Judaism and early Christianity. Cambridge: Harvard Divinity School, 2006.

SALDARINI, Anthony. Fariseus, escribas e saduceus na sociedade palestinense. São Paulo: Paulinas, 2005.

SANTOS, Eduardo da Silva. A ressurreição da carne: estudo comparativo entre a posição de teólogos contemporâneos e a posição tradicional da Igreja sobre o moento da ressurreição da carne. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

SCHMIDT, Werner H. A fé do Antigo Testamento. São Leopoldo, Rs: Sinodal, 2004.

SCHÜRER, Emil. Storia del popolo giudaico al tempo di Gesú Cristo (175ª.C.-135c.C.). Vol. 1, Brescia, Paideia Editrice, 1985.

SCHUTTE, P.J.W. The origin of the resurrection idea: A dialogue with George Nickelsburg. Disponível em: <http://www.hts.org.za/index.php/HTS/article/view File/52/49>.

SHAKED, Shaul. “Iranian Influence on Judaism: First Century B.C.E. to Second Century C.E”. In: DAVIES, W. D.; FINKELSTEIN, Louis (orgs.). The Cambridge History of Judaism: Introduction; the Persian Period. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

SOARES, Dionísio Oliveira. As influências persas no chamado judaísmo pós-exílico. Revista Theos – Revista de Reflexão Teológica da Faculdade Teológica Batista de Campinas. Campinas: 6ª Edição, V.5 - Nº2 – Dez. 2009. ISSN: 1980-0215.

STEGEMANN, Ekkehard W.; STEGEMANN, Wolfgang. História social do protocristianismo: os primórdios no judaísmo e as comunidades de Cristo no mundo mediterrâneo. São Leopoldo: Sinodal; São Paulo: Paulus, 2004.

THEISSEN, Gerd; MERZ, Annette. O Jesus histórico – um manual. 2ª ed. São Paulo: Loyola, 2004.

TILLY, Michael. Assim viviam os contemporâneos de Jesus – cotidiano e religiosidade no judaísmo antigo. São Paulo: Loyola, 2004.

Von RAD, Gerhard. Teologia del Antiguo Testamento. Vol. II. 7ª ed. Salamanca: Ediciones Síngueme, 2000.

WILLI-PLEIN, Ina. Sacrifício e Culto no Israel do Antigo Testamento. São Paulo: Loyola, 2001.

ZENGER, Erich (et al). Introdução ao Antigo Testamento. São Paulo: Loyola, 2003.

Downloads

Publicado

2017-12-29