Uma crítica Marxista à economia política da contrarreforma previdenciária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2017v17n34p153-172

Resumo

Diante da ofensiva capitalista contra as condições de acesso à proteção previdenciária pela classe trabalhadora brasileira torna-se imperioso o uso do arcabouço teórico-metodológico marxiano para revelar a verdadeira natureza do processo em curso. Assim, este artigo teve como objetivo geral fornecer elementos para uma crítica marxista à economia política da contrarreforma previdenciária e, como objetivo específico, pretendeu desvendar o caráter liberal e conservador que permeia os pressupostos, argumentos e algumas das propostas da marcha contrarreformista. Em última instância, foi possível identificar que todo o movimento está revestido por uma visão de mundo burguesa propagada especialmente pelo Banco Mundial e que busca potencializar a subsunção do trabalho ao capital.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thais Soares Caramuru

Analista Técnica de Políticas Sociais da Carreira de Desenvolvimento de Políticas Sociais. Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Mestrado em Política Social pela Universidade de Brasília. (UnB).

Referências

ANFIP. Análise da Seguridade Social 2015. Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil e Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social 16. ed. Brasília: ANFIP, 2016. 150p. Disponível em: https://www.anfip.org.br/doc/publicacoes/20161013104353_Analise-da-Seguridade-Social-2015_13-10-2016_Anlise-Seguridade-2015.pdf. Acesso em: 28/09/2017.
BANCO MUNDIAL. Envejecimiento sin crisis: políticas para la protección de los ancianos y la promoción del crecimiento. Washington D.C.: Banco Mundial. 1994
BEHRING, E. Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2 ed. 3ª reimpr. São Paulo: Cortez, 2008.
______; BOSCHETTI, I. Política Social: fundamentos e história. 9. Ed. 6ª reimpressão. São Paulo: Cortez, 2011. 213 p.
BOSCHETTI, I. Assistência social e trabalho no capitalismo. São Paulo: Cortez, 2016.
BRASILa. Ministério da Fazenda. Anuário Estatístico da Previdência Social. AEPS 2015. Brasília: MF/DATAPREV. 2015. v. 24. 917p. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2015/08/AEPS-2015-FINAL.pdf. Acesso em: 28/09/2017.
BRASILb. Proposta de Emenda à Constituição nº 287 de 2016. Altera os arts. 37, 40, 109, 149, 167, 195, 201 e 203 da Constituição, para dispor sobre a seguridade social, estabelece regras de transição e dá outras providências. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=5BC988856C5651E8FBA39DE210E3B4CF.proposicoesWebExterno2?codteor=1514975&filename=PEC+287/2016. Acesso em: 28/09/2017.
COUTINHO, C.N. A hegemonia da pequena política. In: BRAGA, R., et. al. (orgs.). Hegemonia às avessas. São Paulo: Boitempo. 2010. pp. 29-43.
DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS SOCIOECONÔMICOS - DIEESE. PEC 287-A: A reforma da Previdência e da Assistência Social na versão aprovada pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados. Nota Técnica nº 186. Julho/2017. Disponível em: https://www.dieese.org.br/notatecnica/2017/notaTec287Substitutivo.html. Acesso em: 28/09/2017.
FAGNANI, E. Apresentação. In: A Previdência Social em 2060: as inconsistências do modelo de projeção atuarial do governo brasileiro./PUTY, C.A.C.B; GENTIL, D. L. G. (orgs.) – Brasília: ANFIP. 2017. pp. 8-12. Disponível em: https://www.dieese.org.br/evento/2017/aPrevidenciaSocialEm2016.pdf. Acesso em: 28/09/2017.
______. Previdência social: reformar ou destruir? In: Por que gritamos golpe? : para entender o impeachment e a crise política no Brasil / André Singer ... [et.al]. 1.ed. – São Paulo: Boitempo, 2016. pp. 85-92.
FONTES, V. O Brasil e o Capital-Imperialismo: teoria e história. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz e Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.
GRANEMANN, S. Para uma interpretação marxista da “previdência privada”. (Tese de Doutorado). Escola de Serviço Social da UFRJ. 2006.
______. PEC 287/16: falácias para a desconstrução dos direitos do trabalho. SER Social: Previdência Social e Trabalho, Brasília, v. 18, n. 39, p. 672-688, 2. sem./2016. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/24469/17551. Acesso em: 28/09/2017.
IANNI, O. A questão social. In: IANNI, O. A ideia de Brasil moderno. São Paulo: Brasiliense. 1996. pp. 87-112.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Síntese de indicadores 2015. Rio de Janeiro: IBGE. 2016. 108p.
LOWY, M. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. 20. ed. São Paulo: Cortez, 2015.
MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã: Feuerbach: A contraposição entre as cosmovisões materialista e idealista. Trad. Frank Muller. São Paulo: Editora Martin Claret. 2007. 145p.
______. Contribuição à crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008. 288p.
______. O capital: Crítica da economia política. Volume I. Livro Primeiro. Tomo 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
______. O Capital. A Assim Chamada Acumulação Primitiva. In: O Capital: Crítica da Economia Política. Volume I. Livro Primeiro. Tomo 2. Editora Nova Cultural: São Paulo. 1996. pp. 338-381.

PAIVA, S. O. C. Envelhecimento, saúde e trabalho no tempo do capital. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2014. 303p.
PAULANI, L. M. Neoliberalismo e Individualismo. Revista Economia e Sociedade, Campinas, (13): 115-127, dez. 1999. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8643138/10688. Acesso em: 28/09/2017.

PEREIRA, J. M. M. (org.) A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde (1980-2013). Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2014. 300 p. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l240.pdf. Acesso em: 25/09/2017.

SALVADOR, E. Fundo público e seguridade social no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010. 430p.
SILVA, M. L. L. Previdência social no Brasil: (des) estruturação do trabalho e condições para sua universalização. São Paulo: Cortez, 2012. 492p.
WORLD BANK. Growing old in an older Brazil: implications of population aging on growth, poverty, public finance and service delivery. Washington D.C.: The World Bank. 2011.

Downloads

Publicado

2017-12-29