PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: A REALIDADE DAS MULHERES NO MUNDO DO TRABALHO

Autores

  • Sara Diniz Nascimento Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2014v14n28p39-56

Resumo

Este artigo aborda a precarização do trabalho feminino tendo como contexto a Reestruturação Produtiva do capital. Enfatiza as desigualdades sócio-históricas construídas entre o masculino e o feminino, a divisão sexual do trabalho, apontando como isso incide na inserção e na realidade das mulheres no mundo do trabalho. O intenso processo de mudanças no mundo do trabalho, baseado nas formas contemporâneas de organização da produção, tem gerado um contexto onde as condições de trabalho tornam-se cada vez mais flexíveis. Nesse sentido, há um aumento da precarização dos postos de trabalho, evidenciada na instabilidade dos empregos, na informalização, no trabalho subcontratado e em tempo parcial e ainda na perda de direitos e garantias trabalhistas historicamente construídas. Essas mudanças têm repercutido fortemente sobre a classe trabalhadora, atribuindo um grande peso na inserção e nas condições de trabalho do segmento feminino, pois são as mulheres que mais sofrem com todo esse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sara Diniz Nascimento, Universidade Federal do Maranhão

Assistente Social no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão e discente no Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas - Mestrado da Universidade Federal do Maranhão.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho?: ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez; Campinas: Universidade Estadual de campinas, 2005.

______. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2002.

ARAÚJO, Ângela Maria Carneiro. Ameaças aos direitos trabalhista das mulheres e a configuração de novas demandas relativas às questões de gênero. In: LIMA, Maria Ednalva B. et al. (Org.). Transformando a relação trabalho e cidadania: produção, reprodução e sexualidade. São Paulo: CUT/BR, 2007. p. 81-101.

CARLOTO, Cássia Maria. Gênero, reestruturação produtiva e trabalho feminino. Disponível em: <www.ssrevista.uel.br/c_v4n2_carlotto.htm>. Acesso em: 20 abr. 2008.

GONÇALVES, Renata. Dinâmica sexista do capital: feminização do trabalho precário. In: Dossiê trabalho e capital: dimensões, soberania e imperialismo no séc. XXI. Revista Lutas Sociais, São Paulo, n. 9/10, p. 125-131, 2003.

HIRATA, Helena. A nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

NOGUEIRA, Claudia Mazzei. A feminização no mundo do trabalho: entre a emancipação e a precarização. Campinas: Autores Associados, 2004.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1976.

______. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, Graciete et al. Gênero e Economia Solidária: as mulheres rumo à IV plenária da economia solidária. In: Rumo à IV Plenária Nacional de Economia Solidária. Caderno de aprofundamento aos debates. FBES, 2007.

Downloads

Publicado

2014-11-30