SERVIÇO SOCIAL E RELAÇÕES SOCIAIS DE SEXO: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

Autores

  • Renata Gomes da Costa Professora do curso de Serviço Social da Universidade Federal do Tocantins.
  • Paulo Wescley Maia Pinheiro Professor do curso de Serviço Social da Universidade Federal do Tocantins.

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2016v16n31p357-378

Resumo

Neste artigo debateremos a necessidade do Serviço Social se apropriar das discussões, e mesmo aprofundar as suas produções teóricas, sobre as relações sociais de sexo. Apresentamos alguns elementos que aproximaram a profissão desse debate e que impulsionaram sua produção acadêmica. Explicitamos, ainda, o contexto histórico dessas pesquisas no seio da profissão, para então propor que essas análises incorporem a categoria marxiana da alienação. Categoria essa que nos possibilita entender os determinantes da manutenção e radicalização das opressões de sexo no capitalismo, contrariando as teses que desarticulam o fundamento dessas opressões na sociedade de classe ao argumentar que elas existiram em outros modos de produção – sendo assim, seria dispensável entendê-las como elementos fundados e radicalizados na sociabilidade do capital.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. Código de ética do assistente social. Lei n. 8.662/93 de regulamentação da profissão. 10. ed. Brasília-DF: Conselho Federal de Serviço Social, 2012. (Atualizado em 13.3.1993, com alterações introduzidas pelas Resoluções CFESS n.290/94, 293/94, 333/96 e 594/11).

CISNE, M. Gênero, divisão sexual do trabalho e serviço social. São Paulo: Outras Expressões, 2012.

______. Feminismo, luta de classes e consciência militante feminista no Brasil. 2013. 409 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

DEVREUX, A. M. A teoria das relações sociais de sexo: um quadro de análise sobre a dominação masculina. Sociedade e Estado, Brasília-DF, v. 20, n. 3, p. 561-584, set./dez. 2005.

FAURY, M. Estudando as questões de gênero em serviço social. Pro-Posições, Campinas, v. 14, n. 1, p. 107-119, jan./abr. 2003.

GUILLAUMIN, C. Práctica del poder e ideia de Naturaleza. In. FALQUET, J.; CURIEL, O. (Orgs.) El patriarcado al desnudo: tres feministas maerialistas: Colette Guillaumin, Paola Tabet - Nicole Claude Mathieu. Buenos Aires: Brecha Lésbica, 2005. [Publicado inicialmente em Questions Féministes, n. 2 e 3, fev./maio 1978].

______. Pratique du pouvoir et idée de nature. In. ______. Sexe, race et pratique du pouvoir. L'idée de Nature. Paris: Côté-femmes, 1992 [1978].

HUBERMAN, L. História da riqueza do homem. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

KAMEYAMA, N. A trajetória da produção de conhecimentos em Serviço Social: avanços e tendências (1975 -1997). Cadernos ABESS, São Paulo, v. 8, n. 1, p, 33-76, nov. 1998.
KERGOAT, D. Relações sociais de sexo e divisão sexual do trabalho. In: LOPES, M. J. M.; MEYER, D.E.; WALDOW, V.R. (Orgs.) Gênero e saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

KONDER, L. Marxismo e alienação: contribuição para um estudo do conceito marxista de alienação. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

LISBOA, T. K. PINHEIRO, E. A. A intervenção do serviço social junto à questão da violência contra a mulher. Katálysis, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 199-210, jul./dez. 2005.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010.

______; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Cortez, 1998.

MIRALES, R. Algumas reflexões sobre gênero e serviço social. Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos, Florianópolis, p. 1-10, 2010. Disponível em: <http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/1275850948_ARQUIVO_textoremetido.pdf >. Acesso em: 4 jul. 2012.

PAULO NETTO, J. Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2011.

PFEFFERKORN, Roland. Genre et rapports sociaux de sexe. Paris: Editions Page deux, 2012.

RAGO, M. Descobrindo historicamente o Gênero. Cadernos Pagu, São Paulo, n. 11, p. 89-98,1998.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

______. A mulher na sociedade de classe. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SANTOS, C. M. D. Na prática a teoria é outra? Mitos e dilemas na relação entre teoria, prática e instrumentos e técnicas no serviço social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, jul./dez. 1990.

SOUZA, V. B. D. 60 anos d’o segundo sexo: a (in)visibilidade de Beauvoir no debate sobre as relações de gênero. 2010. 469 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

TEIXEIRA, M. Serviço Social Gênero e violência. In. SEMINARIO LARTINOAMERICANO DE ESCUELAS DE TRABAJO SOCIAL: LA GLOBALIZACIÓN Y SU IMPACTO EN EL TRABAJO SOCIAL HACIA EL SIGLO XXI, 16., 1998. Santiago. Seminário Virtual - Ponências. Costa Rica, v. 1, p. 1-16, 1998.

Downloads

Publicado

2017-02-13