PINA MANIQUE: UM ENTENDENTE DE POLÍCIA LUSO NO FIM DO SÉC. XVIII

Autores

  • Fabrício André de Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Resumo

Diogo Inácio de Pina Manique foi nomeado Intendente Geral de Polícia no ano de 1780, permanecendo no Cargo até o ano de 1805. Criador da Casa Pia de Lisboa, Pina Manique tinha o objetivo de dar amparo aos órfãos, ressocializar os marginais e educar os desamparados. Todavia a história de Pina Manique foi por muito tempo analisada somente do ponto de vista de seu de Cargo de Intendente Geral de Polícia, tornando-o assim uma figura histórica controversa no século XVIII. Nessa conjectura, a presente comunicação, é o início de uma pesquisa cientifica ao qual busca na visão dos autores citados, estudar o lapso temporal onde Pina Manique permaneceu no Cargo de Intendente Geral de Polícia, identificando seus comportamentos através das decisões cumpridas e ordenadas. Trazer a reflexão com apoio sociológico de Pierre Bourdieu e o conceito de Habitus, para entender o comportamento inicial repressivo de Pina Manique no seu início na carreira política e já como criador da Casa Pia, um comportamento com decisões humanas e sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Laurinda. Pina Manique: um reformador no Portugal das Luzes. Lisboa: Gradiva, 2013. Disponível em: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/12858.pdf. Acesso em: 03/02/2018.
BILÉU, Maria Margarida Correia. Diogo Inácio de Pina Manique, Intendente Geral da Polícia: inovações e persistências. FSCH/UNL (História, Dissertação de mestrado), 1995.
COELHO, José Maria Latino. Historia politica e militar de Portugal: desde os fins do XVIII seculo até 1814. Imprensa Nacional, 1874.
DICCIONARIO aristocratico contendo os alvarás dos foros de fidalgos de casa real que se achão registados nos livros das mercês - Archivo da Torre do Tombo – Lisboa Imprensa Nacional 1840
FRANCO, José Eduardo. Massacres ou martírios do Marquês de Pombal? Memória e mito. In: Revista Lusófona de Ciências da Religião – Ano VIII, N.º 15, 2009, p. 283-301. Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cienciareligioes/article/v iew/3871. Acesso em: 03/02/2018.
MOREIRA, Luís Miguel. Desenhar a linha: a fronteira luso-galega do Alto Minho na cartografia militar portuguesa dos séculos XVIIXIX. In: Revista de historiografía, N.º 23, 2015, p. 47-65. Disponível em: https://erevistas.uc3m.es/index.php/REVHISTO/article/view/2755/14 90. Acesso em: 03/02/2018.
PORTUGAL. Leis, decretos etc. [Alvará com força de Lei da criação da Intendência Geral da Polícia e seu Regulamento, de 25 de Junho de 1760]. - [Lisboa]: reimpresso na Officina de Miguel Rodrigues, [1760].
RAMOS, Luís António de Oliveira. Um marginal do século XVIII: o jacobino Manuel Negreiros. Porto: Universidade do Porto, 1991. Disponível em: https://repositorioaberto.up.pt/handle/10216/54016. Acesso em: 03/02/2018.
RODRIGUES, Neuma Brilhante. Para a utilidade do Estado e “Glória à Nação”: a Real Casa Pia de Lisboa nos tempos de Pina Manique (1780-1805). Territórios e Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 25-46, 2008. Disponível em: http://www.ppghis.com/territorios&fronteiras/index.php/v03 n02/article/view/15/14. Acesso em: 03/02/2018.

Downloads

Publicado

2018-05-06

Edição

Seção

Artigos