FIDELIZAÇÃO DE UM ARTISTA PLÁSTICO NA CORTE LUSA: NOBILITAÇÃO DE MACHADO DE CASTRO (17701782)

Autores

  • Juliano Gomes Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar alguns apontamentos preliminares de nossa pesquisa sobre a trajetória do escultor Joaquim Machado de Castro (17311822), no quadro da Modernidade Ibérica, em Portugal, e suas particularidades no que tange aos usos áulicos da arte e a condição do artífice na Corte brigantina do Setecentos. Buscamos recompor os contextos que marcaram sua ascensão dentro da Corte, com ênfase no reticulado de 1770-1782, assim como as redes de interlocução articuladas por Machado de Castro nesse transcurso. Tomamos como fontes sua vasta produção intelectual e documentação de cunho privado, em especial, a compilação intitulada “Joaquim Machado de Castro – Escultor Conimbricense. Notícia Biográfica e Compilação dos seus Escritos Dispersos” (1925), organizada por Henrique de Campos Ferreira Lima. Dentre os principais escritos há que se destacar sua principal obra, intitulada “Descripção analytica da execução da estatua equestre, erigida em Lisboa á gloria do Senhor Rei Fidelíssimo D. José I” (1810). Nosso trabalho inscreve-se na esteira de diversos outros estudos cuja abordagem preocupa-se com a reconstituição de trajetórias que tomam como referência os apontamentos de Pierre Bourdieu (1996) e Sabina Loriga (1998), dentre outros. Por isso, acompanhar a trajetória política de Machado de Castro passa por esquadrinhar sua rede de sociabilidade, buscando compreender seu contributo, assim como sua relação com os artistas coevos que atuaram em trabalhos conjuntos ou paralelos aos seus na Corte lusa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

CASTRO, Joaquim M. Descripção Analytica da Execução da Estátua Equestre Erigida A Gloria do Senhor rei fidelíssimo D. José I. Lisboa, 1810.
LIMA, Henrique de C. F. Joaquim Machado de Castro – Escultor Conimbricense. Notícia Biográfica e Compilação dos seus Escritos Dispersos. 2 ed. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1989.
MACHADO C. V. Colecção de Memórias, relativas a’s vidas dos pintores, e escultores, architectos, e gravadores portuguezes, E dos Estrangeiros, que estiverão em Portugal. Lisboa: Na imp. De Victorino Rodrigues da Silva, 1823.
RODRIGUES, Francisco d’Assis. Comemorações. In: Revista Universal Lisbonense, de 17 de novembro de 1842, pp. 99102. Disponível em: http://hemerotecadigital.cmlisboa.pt/OBRAS/RUL/1842-1843/1842-1843.htm. Visto em: 15/05/2017.
__________. Diccionario technico e historico de pintura, esculptura, architectura e gravura . Lisboa: Impr. Nacional, 1875.

Bibliografia

FRANÇA, José-Augusto. Como pôde ser Machado de Castro. In: FARIA. Miguel Figueira de (Coord.). Machado de Castro – da utilidade da escultura. Lisboa: Caleidoscópio, 2014, pp. 9-14.
HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. 27ª Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
KRAUSE, Thiago Nascimento. Em busca da honra: os pedidos de hábitos da Ordem de Cristo na Bahia e em Pernambuco, 164476. In: XIII Encontro de História Anphu-Rio , 2008, pp. 110. Disponível em: http://encontro2008.rj.anpuh.org/resources/content/anais/121 2608874_ARQUIVO_ThiagoKrause-ANPUHRJ2008.pdf. Acesso em: 17/07/2017.
MAXWELL, Kenneth. O Marquês de Pombal – Paradoxo do Iluminismo. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
OLIVAL, Fernanda. As Ordenações Militares e o Estado Moderno : honra, mercê e venalidade em Portugal (1641-1789). Lisboa: Estar Editora, 2001.
PEREIRA, José Fernandes. Dicionário de arte barroca em Portugal . Lisboa: Presença, 1989.
__________. A Escultura de Mafra. Lisboa: IPPAR, 2003.
__________. As leituras de Machado de Castro. In: Arte Teoria. Lisboa: Faculdade de Belas Artes, 2007, pp. 7-25. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/10395/2/ULFBA_PER_Arte%20Teoria%209_Jos%C3%A9%20Fernandes%20Per eira%201.pdf. Acesso em: 15/07/2017.
SANTOS, Maria Irene Ramalho de Sousa. A Escrita na Vida da Gente: sobre <<autobiografias operárias>>. In: Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 1980. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/publicacoes/rccs/artigos/04%20%2005/_Maria%20Irene%20Ramalho%20de%20Sousa%20S antos%20%20A%20Escrita%20na%20Vida%20da%20Gente,%20Sobr e%20Autobiografias%20Operarias.pdf. Acesso em: 15/07/2017.
TEIXEIRA, Francisco Augusto Garcez. “Para a História do Monumento de D. José I.”, in: Revista de Arquelogia , tomo I, 1932.
VIANA JUNIOR, Fernando S. C. Dos Sabores Fortes aos Suaves : os limites da modernização à francesa nos livros de cozinha da corte portuguesa, 1680-1780. Dissertação de Mestrado. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2015.

Downloads

Publicado

2018-05-06

Edição

Seção

Artigos