ENTRE TEMORES E TREMORES: A PERSPECTIVA KANTIANA DA HECATOMBE DE LISBOA DE 1755

Autores

Resumo

Propomos analisar as explicações dadas sobre a hecatombe de Lisboa de 1755, tendo como foco a perspectiva de Immanuel Kant, expoente da ilustração alemã, tendo como base seus escritos publicados no primeiro trimestre de 1756. A partir da análise do material citado, pretendemos conhecer a ótica kantiana sobre o terremoto de Lisboa, apresentando sua argumentação geológica e moral que ele apresenta sobre a catástrofe, se afastando assim do debate acerca da Providência divina predominante no período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Leila J, Eltink CF. A visão do graduando de enfermagem perante a morte do paciente. Enferm. Nursing, Ribeirão Preto. 2011; 29(3): 176-182.

Santos FS (a). A arte de morrer: visões plurais. V1. Bragança Paulista, São Paulo: Ed. Comenius, 2009.

Combinato DS, Queiroz MS. Um estudo sobre a morte: uma análise a partir do método explicativo Vigotski. Ciencia Saúde Colet, Rio de Janeiro. 2008; 16(9): 3893-900.

Salomé GM, Cavali A, Espósito VH C. Sala de Emergência: o cotidiano das vivências com a morte e o morrer pelos profissionais de saúde. Rev. Bras. Enferm, Brasília. 2009; 62(5): 681-86.

Leite MA, VILA VSC. Dificuldades vivenciadas pela equipe multiprofissional na unidade de terapia intensiva. Rev. Latino-Am Enf, Ribeirão Preto. 2005; 13(2): 145-150.

Sousa DM, Et. al. A vivência da enfermagem no processo de morte morrer dos pacientes oncológicos. Texto Contexto Enferm, Florianópolis. 2009; 18(1): 41-7.

Santos FS (b). Cuidados paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer. São Paulo: Atheneu, 2009.

Aguiar IR, Et al. O envolvimento do enfermeiro no processo de morrer de bebês internados em Unidade Neonatal. Acta paul. Enferm, São Paulo. 2006; 19(2): 131-137.

Almeida LF, Falcão EBM. Representação social de morte e a formação médica: a importância da UTI. Rev. Bras. Educ. Med, Rio de Janeiro. 2013; 37(2): 226-234.

Cherer EQ, Quintana AM, Pinheiro UMS. Sofrimento e libertação: Significações sobre a morte na UTI pediátrica. Psico. 2013; 44(4): 482-489.

Gaudencio D, Messeder O. Dilemas sobre o fim da vida: informações sobre a prática médica nas UTIs. Ciênc. Saúde. Colet. Rio de Janeiro. 2011; 16(1): 813-20.

Gutierrz BAO, Ciampone MHP. O processo de morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem em UTIs. Rev. Esc. Enferm, São Paulo, 2007; 41(4): 660-667.

Jaskowiak CR, Zamberlan P, Fontana RT. Death and R. pesq.: Cuid. Fundam. São Paulo. 2013; 5(1): 3515-522.

Moreira EC, Biehl JG. Práticas médicas de aceitação da morte na UTI de um hospital geral no Nordeste do Brasil. Rev. Bioé. 2004; 12(1): 22-28.

Sanches PG, Carvalho MDB. Vivência dos enfermeiro de terapia de unidade intensiva frente a morte e o morrer. Rev. Gaucha. Enferm. Porto Alegre. 2009; 30(2): 289-96.

Silva RS, Campos ERA, Pereira A. A cuidando do paciente no processo de morte na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Esc. Enferm, São Paulo. 2011; 45(3): 738-744.

Silva RS, Pereira Á, Mussi FC. Conforto para uma boa morte: perspectiva de uma equipe de enfermagem intensivista. Esc. Anna Nery. Rio de Janeiro. 2015; 19(1): 40-6.

Palú LA, Labronici LM, Albini L. A morte no cotidiano dos profissionais de enfermagem de uma Unidade de Terapia intensiva. Curitiba: Universidade Federal do Paraná: 2004.

Poles K, Baliza MF, Bousso RSR. Morte na unidade de terapia intensiva pediátrica: experiência de médicos e Enfermeiras. Enferm. Cent. O. Min. Belo Horizonte. 2013; 3(3): 761-79.

Downloads

Publicado

2018-05-06

Edição

Seção

Artigos