Fundamentos para a consciência ética e política do ser social: ensaios sobre Agnes Heller

Autores

  • Renato Tadeu Veroneze Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)
  • Maria Lúcia Martinelli Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p405-428

Resumo

No momento em que avança a crise estrutural do capital em nível mundial e onde as expressões da questão social se intensificam, torna-se necessário rever aportes teórico-filosóficos que contribuíram para a “intenção de ruptura” do Serviço Social brasileiro. O objetivo central deste artigo é refletir sobre a contribuição do pensamento de Agnes Heller, compreendido entre os anos de 1956 a 1978, no âmbito da formação e da práxis profissional do assistente social, buscando contribuir para a tomada de consciência ética e política dos sujeitos sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Tadeu Veroneze, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)

Assistente Social e Especialista em Educação, Didática e Metodologia no Ensino Superior e em Filosofia Contemporânea. Mestre e Doutorando em Serviço Social, membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Identidade (NEPI) da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) e coordenado pela Profa. Dra. Maria Lúcia Martinelli.

Maria Lúcia Martinelli, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)

Assistente Social, Doutora em Serviço Social, Docente e Pesquisadora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Identidade (NEPI) da mesma Universidade.

Referências

BARROCO, M. L. S. Fundamentos éticos do Serviço Social. In: ______. (Org.). Serviço Social: direitos e competências profissionais. Brasília-DF: CFESS/ABESPSS, 2009.

______. Os fundamentos sócio históricos da ética. In: Capacitação em Serviço Social e política social. Módulo 02: Reprodução social, trabalho e Serviço Social. Brasília-DF: CFESS/ABEPSS/CEAD, UNB, 1999.

CHAUI, M. Convite à filosofia. 12. ed. São Paulo: Ática, 1999.

COSTA, M. H. M. da. A exteriorização da vida nos escritos econômico-filosóficos de 1844. Ensaios Ad Hominem, São Paulo, n. 1, tomo IV, p. 165-212, 2001.

ESTEVÃO, A. M. R. A comunidade como valor. 1989. 156 f. Tese (Mestrado em Serviço Social)- Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1989

GOLDMANN, L. Ciências humanas e filosofia: que é a sociologia? Tradução de Lupe Cotrim Garaude e José Arthur Gianotti. São Paulo: Difel, 1986.

HELLER, A. O Cotidiano e a História. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

______. Para mudar a vida: felicidade, liberdade e democracia. Entrevista a Ferdinando Adornato. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Brasiliense, 1982a.

______. O homem do renascimento. Tradução de Conceição Jardim e Eduardo Nogueira. Lisboa: Presença, 1982b.

______. La revolução de la vida cotidiana. Tradução de Gustau Muñoz, Enric Pérez Nadal e Iván Tapia. Barcelona: Península, 1982c.

______. Teoría de las necesidades en Marx. Tradução de J. F. Yvars. Barcelona: Península, 1978.

______. Sociología de la vida cotidiana. Tradução de J. F. Yvars e E. Pérez Nadal. Barcelona: Península, 1977.
______. Hipótesis para uma teoria marxista de los valores. Tradução de Manuel Sacristán. Barcelona: Grijaldo, 1974.

LUKÁCS, G.; SCHAFF, A. Sobre o conceito de consciência de classe. Tradução de Patrícia Boanova e M. Amaral. Porto: Escorpião, 1973. (Cadernos: O homem e a sociedade).

KOSIK, K. Dialética do concreto. Tradução de Célia Neves e Alderico Toribio. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

KUNDERA, M. A insustentável leveza do ser. Tradução de Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca. 9. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MARTINS, J. S. Uma sociologia da vida cotidiana: ensaios na perspectiva de Florestan Fernandes, de Wright Mills e de Henri Lefebvre. São Paulo: Contexto, 2014.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858, esboço da crítica da economia política. TradUÇÃO DE Mario Duayer; Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 2011.

______. Para a crítica da economia política. Tradução de Edgard Malagodi. São Paulo: Nova Cultural, 2005. (Coleção: Os Pensadores).

______. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

______. O 18 Brumário e cartas a Kugelmann. Tradução de Leandro Konder e Renato Guimarães. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da novíssima filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. Tradução de Marcelo Backes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MÉSZÁROS, I. A montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do Estado. Tradução de Maria Izabel Lagoa. São Paulo: Boitempo, 2015.

PAULO NETTO, J. Uma face contemporânea da barbárie. In: ENCONTRO INTERNACIONAL “CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE”, 3, 2010. Sepre, 30-31 de outubro/1º de novembro de 2010. Anais eletrônico... Sepre-Portugal: Vértice, 2010. Disponível em: pcb.org.br/portal/docs/umafacecontemporaneadabarbarie.pdf> Acesso em: 27 jul. 2015.

PRIOR, A. Axiologia de la modernidad: ensayos sobre Agnes Heller. Madri: Frónesis, Cátedra de la Universitat de València, 2002.

TERTULIAN, N. O grande projeto da ética. Ensaios ad Hominem, São Paulo, n. 1, tomo I, 1999.

VERONEZE, R. T. As reflexões estéticas na perspectiva lukasciana: uma expressão ontológica da realidade social. Pesquisa realizada pelo Programa de Iniciação Científica do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé – UNIFEG. Guaxupé: UNIFEG, 2006.

Downloads

Publicado

2016-01-08