Reflexões críticas sobre as políticas de geração de trabalho e renda no Brasil

Autores

  • Aline Fardin Pandolfi Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p135-160

Resumo

Este artigo busca refletir criticamente sobre a implementação das políticas de geração de trabalho e renda no Brasil. Para isso, realizamos um recorte metodológico que articula a configuração do trabalho no modo de produção capitalista, o processo de superexploração do trabalho, ao qual estão submetidas às classes trabalhadoras brasileiras e, a configuração das políticas sociais no Brasil em período neoliberal. Ao final, refletiremos sobre as políticas de geração de trabalho e renda, as quais estão sendo implementadas no Governo do Partido dos Trabalhadores (PT) com o intuito de responder às demandas imediatas de trabalho e renda, garantindo, sobretudo, a acumulação do capital no país. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Fardin Pandolfi, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutoranda em Política Social pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) (2013-2017), sob orientação do Prof. Dr. Paulo Nakatani. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Mestre em Política Social pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) (2010). Professora do curso de Serviço Social da Faculdade Católica Salesiana de Vitória-ES.

Referências

ALENCAR, M. M. T. As políticas públicas de emprego e renda no Brasil: do “nacional-desenvolvimentismo” ao “nacional-empreendedorismo”. In: ALMEIDA, M. H. T. de; BEHRING, E. R. (Orgs.). Trabalho e seguridade social percursos e dilemas. Rio de Janeiro: Cortez, 2008.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? um ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

BARBOSA, R. N. C. Economia solidária: estratégias de governo no contexto da desregulamentação social do trabalho. In: SILVA, M. O. S; POCHMANN, M.; ANTUNES, R. et al. (Orgs.). Políticas públicas de trabalho e renda no Brasil contemporâneo. São Paulo: Cortez, 2006.

BEHRING, E. R. Brasil em contra reforma: desestruturação do estado e perda de diretos. São Paulo: Cortez, 2003.

BRASIL. Relação Anual de Informações Sociais. Evolução do emprego formal, segundo a RAIS, período de 2003 a 2014. Brasil, 2015a. Disponível em: < http://portal.mte.gov.br/portal-mte/rais/ >. Acesso em: 13 set. 2015.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. Programas de Geração de Emprego e Renda. Brasil, 2015b. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/proger/oquee.asp>. Acesso em: 1 set. 2015.

______. Economia solidária. 2015c. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/ecosolidaria/ecosolidaria_oque.asp>. Acesso em: 1set. 2015.

______. Programa Nacional do Microcrédito Produtivo Orientado. 2015d. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/pnmpo/pnmpo_apresentacao.asp>. Acesso em: 1 set. 2015.

______. Bases de uma nova Política Pública de Formação. Programa Nacional de Qualificação. Brasil, 2003. Disponível em: < http://www.mte.gov.br/pnq/conheca_base.pdf> Acesso em: 1 set. 2015.

CARCANHOLO, R.; NAKATANI, P. O capital especulativo parasitário: uma precisão teórica sobre o capital financeiro, característico da globalização. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 284-304, jun. 1999.

______. et.al. A categoria marxista de trabalho produtivo. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, 12, 2007, São Paulo. Anais..., São Paulo, 2007.

CARVALHO, J. M. de. Cidadania no Brasil o longo caminho. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômico. Pesquisa de emprego e desemprego. São Paulo, Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos socioeconômicos, 2014. Disponível em: < http://www.dieese.org.br/analiseped/ped.html>. Acesso em: 13 set. 2014.

GOUNET, T. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo, 1999.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 16. ed. São Paulo: Loyola, 2007.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2008.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores IBGE: pesquisa mensal de emprego. Jul. 2015. Disponível em: < <ftp://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Mensal_de_Emprego/fasciculo_indicadores_ibge/2015/pme_201507pubCompleta.pdf > Acesso em: 13 set. 2015.

LUKÁCS, G. Os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da dependência, uma ontologia da obra de Ruy Marini. Petrópolis: Vozes, 2000.

MARQUES, R. M.; REGO, J. M. (Org.). Economia brasileira. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. 25. ed. Rio Janeiro: Civilização Brasileira, 2008. Livro I, v. 1.

______. ______. São Paulo: Nova Cultura, 1996. Livro I, v. 2.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. Rio de Janeiro: Boitempo, 2011.

PAULO NETTO, J. Capitalismo monopolista e Serviço Social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SOARES, L. T. Os custos sociais do ajuste neoliberal na América Latina. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

TAVARES, M. A. Os fios invisíveis da produção capitalista: informalidade e precarização do trabalho. São Paulo: Cortez, 2002.

Downloads

Publicado

2016-01-08