Relações de trabalho e competências profissionais dos assistentes sociais na região metropolitana de Porto Alegre

Autores

  • Jane Cruz Prates Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/ Faculdade de Serviço Social
  • Thaísa Teixeira Closs Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/ Faculdade de Serviço Social

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p357-380

Resumo

O presente artigo enfoca estudo realizado sobre a formação e a inserção de assistentes sociais egressos de unidades de formação da Região Metropolitana de Porto Alegre no mercado de trabalho. Apresenta-se um recorte dos dados analisados enfatizando a coleta realizada com 86 profissionais que explicitam as competências requisitadas, as condições e relações de trabalho, as dificuldades encontradas para a materialização do exercício profissional e necessidades de educação permanente. Analisam-se os resultados à luz do projeto ético-político profissional e das competências requisitadas pela profissão que não se reduzem às demandas do mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jane Cruz Prates, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/ Faculdade de Serviço Social

Assistente social. Mestre e doutora em Serviço Social, docente da Faculdade de Serviço Social da PUCRS e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRS.

Thaísa Teixeira Closs, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/ Faculdade de Serviço Social

Assistente social e especialista em Atenção Básica/Saúde Coletiva. Mestre e doutora em Serviço Social, docente da Faculdade de Serviço Social da PUCRS.

Referências

ABEPSS. Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Diretrizes gerais para o curso de Serviço Social. Rio de Janeiro: ABEPSS, 1996. Disponível em: <http://www.abepss.org.br/files/Lei_de_Diretrizes_Curriculares_1996.pdf>. Acesso em: 22 fev. 2014.

ALVES, G. Trabalho e subjetividade. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

BRASIL. Lei n. 8.662, de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. Diário Oficial da União. Poder Executivo. Brasília-DF, 8 jun. 1993. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8662.htm> Acesso em: 10 mar. 2015.

CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. Resolução n. 273, de 13 de março de 1993. Institui o Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais. Disponível em: <http://www.cfess.org.br/arquivos/resolucao_273-93.pdf> Acesso em: 18 ago. 2014.

______. ______. (Org.). Assistentes sociais no Brasil: elementos para o estudo do perfil profissional. Brasília-DF: CFESS, 2005. Disponível em: <http://www.cfess.org.br/pdf/perfilas_edicaovirtual2006.pdf> Acesso em: 20 nov. 2014.

CFESS. Política de educação permanente do conjunto CFESS-CRESS. Brasília-DF: CFESS, 2012.

CLOSS, T. T. Fundamentos do Serviço Social: um estudo a partir da produção da área. 2015. 253 f. Tese (Doutorado em Serviço Social)- Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015. Disponível em: <http://tede2.pucrs.br/tede2/bitstream/tede/6271/2/474062%20Texto%20Completo.pdf>Acesso em: 30 nov. 2015.

DIEESE. Salário mínimo nominal e salário mínimo necessário. Disponível em: <http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html> Acesso em: 10 ago. 2015.

DRUCK, G. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. spe 1, p. 37-57, 2011 Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ccrh/v24nspe1/a04v24nspe1.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2014.

FERREIRA, J. W. Questão social e intervenção profissional dos assistentes sociais. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 9 n. 2, p. 209-217, ago./dez. 2010.

FRANCO, T.; DRUCK, G.; SELIGMANN-SILVA, E. As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 35, n. 122, p. 229-248, 2010.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Tradução de Reginaldo Sant Anna, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, l980.

NERI, M. Escolhas universitárias e performance trabalhista. In: RADAR: tecnologia, produção e comércio exterior, n. 1, abr. 2009. Brasília: IPEA, 2009. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/radar/130703_radar27.pdf>.Acesso em: 8 dez. 2014.

PRATES, J. C. Formar para além do mercado e para o uso substantivo do instrumental de trabalho. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 1-6, jan./jun. 2013.

PRATES, J. C. et al. As revisões curriculares na área do Serviço Social e o desenvolvimento de competências para inserção profissional no mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre. Relatório da Pesquisa. Porto Alegre, CNPq/ PUCRS, 2012.

RAICHELIS, R. O assistente social como trabalhador assalariado: desafios frente às violações de seus direitos. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n.107, p. 420-437, jul./set. 2011.

SILVA, S. S. Transformações nos processos de trabalho e configurações do trabalho do serviço social: contribuições a partir da região noroeste do Rio Grande do Sul/Brasil. 2014. 250 f. Tese (Doutorado em Serviço Social)- Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

Downloads

Publicado

2016-01-08