Serviço Social e questão agrária: apontamentos acerca da questão social no campo brasileiro

Autores

  • Kamilla Alves Duarte Universidade Federal de Sergipe - UFS.

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p307-333

Resumo

O presente trabalho tem como objeto de análise o Serviço Social e a questão agrária, tendo como objetivo principal discutir a questão agrária como particularidade da questão social e, por isto, como objeto de trabalho dos assistentes sociais. A problemática que norteia esta pesquisa é o incipiente diálogo destes profissionais especializados com as temáticas relacionados ao mundo rural. Partiu-se do pressuposto de que a ausência de compreensão acerca dos nexos que ligam a questão agrária ao desenvolvimento capitalista e, por conseguinte, a questão social dificulta a intervenção qualificada dos assistentes sociais junto aos sujeitos rurais enquanto usuários de políticas sociais. Em termos metodológicos, tomou-se como referência o método dialético. Esta pesquisa tem cunho exploratório e utilizou como instrumento de investigação a pesquisa bibliográfica. Como resultado alcançado, constatou-se que a pouca aproximação dos profissionais com os temas relacionados ao mundo rural leva ao desconhecimento das especificidades culturais e sociais, do modo de vida e trabalho dos sujeitos do campo, impedindo o reconhecimento de suas demandas particulares pelos profissionais de Serviço Social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kamilla Alves Duarte, Universidade Federal de Sergipe - UFS.

Mestranda em Serviço Social pelo Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e bolsista CAPES. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Marxistas (GEPEM) na UFS. Representante discente suplente de Pós-graduação da Associação de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS), Regional Nordeste, gestão 2015-2016.

Referências

BEZERRA, C. S. A questão agrária no Brasil e os desafios contemporâneos ao movimento dos sem-terra: uma análise sobre estratégias produtivas e políticas do movimento. In: ABRAMIDES, M. B. C.; DURIGUETTO, M. L. (Orgs.). Movimentos sociais e Serviço Social: uma relação necessária. São Paulo: Cortez, 2014.
DUARTE, K. L. Entre possibilidades e contradições no espaço rural: exercício profissional do Serviço Social no CRAS – Rural de Batingas, Arapiraca (AL). Palmeira dos Índios: Universidade Federal de Alagoas, 2012.

ENGELBRECHT, M. R. Desenvolvimento do capitalismo no campo: as transformações do trabalhador rural em proletariado agrícola. In: SANT'ANA, R. S.; CARMO, O. A.; LOURENÇO, E. A. S. (Orgs.). Questão agrária e saúde do trabalhador: desafios para o século XXI. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5. ed. São Paulo: Globo, 2005.

IAMAMOTO, M. V. O serviço Social na cena contemporânea. In: CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. (Org.). Direitos e competências profissionais. Brasília-DF: CEAD/UNB, 2009.

______. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

______; CARVALHO, R. de. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 38. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

IANNI, O. Origens agrárias do estado brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1984.

LUSA, M. G. Lutas sociais no campo e políticas públicas: do cotidiano, a construção de identidades e a conquista de direitos pelas mulheres camponesas. Maceió: EDUFAL, 2011.

______. A (in) visibilidade do Brasil rural no Serviço Social: o reconhecimento dos determinantes a partir da análise da mediação entre a formação e o exercício profissional em Alagoas. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2012.

MARTINS, J. S. Os camponeses e a política no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1983.

______. O cativeiro da terra. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2013.

MARX, K. O capital: critica da economia política. 22. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

MELO, J. M. C. de. Capitalismo tardio. 11. ed. São Paulo: Editora UNESP; Campinas, SP: FACAMP, 2009.

MOURA, A. M. P. de. Questão agrária em Alagoas: a problemática do latifúndio canavieiro. In: ALMEIDA, L. S.; LIMA, J. C. S.; OLIVEIRA, J. S. (Orgs.). Terra em Alagoas: temas e problemas. Maceió: EDUFAL, 2013.

OLIVEIRA, A. U. de. Modo capitalista de produção e agricultura. 2. ed. São Paulo: Ática, 1987.

OLIVEIRA, F. de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

PAULINO, E. T. Capitalismo rentista e luta pela terra: a fragilidade do parâmetro de renda monetária no estudo dos assentamentos rurais. Revista Nera, Presidente Prudente, ano 9, n. 8, p. 52-73, jul./dez. 2006.

PAULO NETTO, J. Capitalismo monopolista e Serviço Social. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

______; BRAZ, M Economia política: uma introdução crítica. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 2006.

SANT’ANA, R. S. Trabalho bruto no canavial: questão agrária, assistência e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2012.

SANTOS, J. S. Questão social: particularidades no Brasil. São Paulo: Cortez, 2012.

SILVA, J. G. Progresso técnico e relações de trabalho na agricultura. São Paulo: Hucitec, 1981.

______. O que é questão agrária. São Paulo: Brasiliense, 1980.

WANDERLEY, M. N. B. et al. Reflexões sobre a agricultura brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

______ A ruralidade no Brasil moderno. Por un pacto social pelo desenvolvimento rural. En publicacion: ¿Una nueva ruralidad en América Latina? Norma Giarracca.CLACSO, ConsejoLatinoamericano de CienciasSociales, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2001.

YAZBEK, M. C. O significado sócio histórico da profissão. In: CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. (Org.). Direitos e competências profissionais. Brasília-DF: CEAD/UNB, 2009.

Downloads

Publicado

2016-01-08