DOCÊNCIA E SERVIÇO SOCIAL: CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE

Autores

  • Rita Lourdes Lima Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2016v16n31p261-280

Resumo

Este artigo apresenta parte dos resultados de uma pesquisa que se gestou de um esforço coletivo de várias pesquisadoras de diversas universidades (UFRN, UERN, UFAL, UFSC e UnB) em face da necessidade da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS) conhecer o perfil e condições de trabalho e saúde de suas/seus filiadas/as. Objetivou, portanto, analisar as dificuldades, desafios, condições de trabalho e saúde das/os docentes dos cursos de Serviço Social presenciais no Brasil, filiados a ABEPSS. O universo das instituições filiadas a ABEPSS era de 108 unidades acadêmicas e o universo das/os docentes era de, aproximadamente, 1620. A ideia era aplicar 570 questionários, com uma amostra representativa do tipo estratificada de fração ótima. A principal dificuldade foi o não retorno de grande parte dos questionários enviados via e-mail. Diante disso, optou-se por aplicar os questionários com as/os docentes de Serviço Social de todo o Brasil, que se reuniriam no XIV Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social (ENPESS). O evento foi realizado na UFRN, em Natal (RN), de 30 de novembro a 4 de dezembro de 2014. Ao final do trabalho de coleta, tínhamos 168 questionários respondidos. Os resultados analisados, em parte, apontam um perfil docente de assistentes sociais – que foram ao ENPESS - predominantemente feminino, brancas, casadas, na faixa etária entre 31 e 60 anos, católicas, trabalhando em instituições públicas, concursadas, trabalhando frequentemente além de seus horários de trabalho, bem como em finais de semana e feriados e com diversos problemas de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita Lourdes Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

ABEPSS. Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Gestão e organização. [2016]. Disponível em: < http://www.abepss.org.br/gestao-e-organizacao-8> Acesso em: 10 jul. 2016.

ERGAS, Yasmine. O sujeito mulher: o feminismo dos anos 1960-1980. In: DUBY, George; PERROT, Michelle (Orgs.). História das mulheres no Ocidente: o século XX. Tradução de Maria Helena da C. Coelho, Irene Maria Vaquinhas, Leotina Ventura e Guilhermina. Mota. Porto: Afrontamento; São Paulo: EBRADIL, 1994. v. 5.

FONSECA, Tânia Mara Galii. Gênero, subjetividade e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

HIRATA, Helena. Crise mundial e o impacto da reestruturação produtiva na divisão sexual do trabalho. In: COSTA, Albertina; ÁVILA Maria Betânia; SILVA, Rosane; (Orgs.). Divisão sexual do trabalho, Estado e crise do capitalismo. Recife: SOS Corpo – Instituo Feminista para a Democracia, 2010.

IAMAMOTO, Marilda V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

KERGOAT, Daniele. De la condition feminine aux raports sociaux de sexes: repères pourune évolution de la définition sociologique des catégories de sexe. In. SÉMINAIRE:
“LA DIVISIÓN SOCIALE DU TRAVAIL”, 1984. Université de Provence. Aix-en-Provence, 1984.

LIMA, Kátia. Expansão da educação superior brasileira na primeira década do novo século. In: PEREIRA, Larissa Dahmer; ALMEIDA, Ney L. (Orgs). Serviço Social e educação. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

LIMA, Rita de Lourdes. Formação profissional em Serviço Social e gênero: algumas considerações. Serviço Social & Sociedade. São Paulo, n. 117, p. 45-68, jan./mar. 2014.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Obras Escolhidas. Ed. Alfa-Ômega, [1969?]. V. 3.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Censo da Educação Superior. Brasília-DF: CENSUP/INEP, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=14153-coletiva-censo-superior-2012&Itemid=30192>. Acesso em: 2 jul. 2015.

OSTERNE, Maria do Socorro F. Família, pobreza e gênero: o lugar da dominação masculina. Fortaleza: EDUECE, 2001.

PUC VIVA. Revista da Associação de Professores da PUC-São Paulo. Ano 10, nº 35. São Paulo: APROPUC, 2009.

SAFFIOTI, Heleieth. Quem tem medo dos esquemas patriarcais de pensamento? Crítica Marxista, São Paulo, n. 11, p. 71-75, out. 2000.

TARNAS, Richard. A epopéia do pensamento ocidental: para compreender as idéias que moldaram nossa visão de mundo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

TOSCANO, Moema; GOLDENBERG, Miriam. Retomando o fio da história. In: ______; ______. (Orgs.). A revolução das mulheres: um balanço do feminismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1992.

Downloads

Publicado

2017-02-13