OS DESAFIOS DO NOVO SÉCULO À FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

Autores

  • Carlos Antonio de Souza Moraes Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2016v16n31p105-132

Resumo

O articulista analisa, por meio de pesquisa bibliográfica e documental, as determinações político-ideológicas do “neoliberalismo do século XXI” sobre a política de educação para o Ensino Superior brasileiro, avaliando as diretrizes dos organismos internacionais (FMI, Banco Mundial, OMC) e as implicações sobre medidas e ações contrarreformistas adotadas pelos governos brasileiros nos últimos anos. A partir de ofensivas direcionadas à mercadorização, massificação e destituição da capacidade crítica dos sujeitos no interior da política de educação superior pública e privada, examina suas implicações para a formação do assistente social brasileiro nos primeiros anos do século XXI. De forma geral, os resultados apontam que as ameaças à dimensão intelectiva do trabalho do assistente social na perspectiva do projeto ético-político profissional podem estar se enraizando nos espaços da formação e se manifestando veementemente nos serviços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Antonio de Souza Moraes, Universidade Federal Fluminense

Doutor em Serviço Social pela PUC/SP; Professor Adjunto na Universidade Federal Fluminense/ Departamento de Serviço Social de Campos/ Rio de Janeiro/ Brasil. Líder do Grupo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisa em Cotidiano e Saúde (GRIPES - CNPq).

Referências

ABEPSS. Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Diretrizes gerais para o curso de Serviço Social. Rio de Janeiro: ABEPSS, 1996. Disponível em: <http://www.abepss.org.br/uploads/textos/documento_201603311138166377210.pdf>. Acesso em: 11 nov. 2011.

BANCO MUNDIAL. La enseñanza superior: las lecciones derivadas de la experiencia. Washington, D.C.: 1995.

CASTELO, Rodrigo. O social-liberalismo brasileiro e a miséria ideológica da economia do bem-estar. In: MOTA, Ana Elizabete (Org.). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2012.

CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. Sobre a incompatibilidade entre graduação à distância e Serviço Social. Brasília- DF, 2014. V. 2.

CHAUI, Marilena. A universidade em ruínas. In: TRINDADE, Hélgio. (Org.). Universidade em ruínas na república dos professores. Petrópolis, RJ: Vozes/Rio Grande do Sul: CIPEDES, 1999.

CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise. A “era das diretrizes”: a disputa pelo projeto de educação dos mais pobres. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 49, p. 11-37, jan./abr., 2012.
CISLAGHI, Juliana Fiuza A formação profissional dos assistentes sociais em tempos de contrarreformas do ensino superior: o impacto das mais recentes propostas do governo Lula. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 106, p. 241-266, abr./ jun. 2011.

FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO. Realizações do governo Dilma na educação. FPA De Fato! [2014]. Disponível em: <http://www.fpabramo.org.br/fpadefato/?p=281>. Acesso em: 10 out. 2014.

IAMAMOTO, Marilda Vilella. Formação profissional na consolidação do projeto ético-político do Serviço Social brasileiro: fundamentos, resistências e desafios conjunturais. Palestra proferida no 7º Seminário Anual de Serviço Social. Organização Editora Cortez. Vídeo 54:33 min. Publicado em: 9 jun. 2014a. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=zDOnXgCH_1Y> Acesso em: 10 out. 2015.

______. A formação acadêmico-profissional no Serviço Social brasileiro. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 120, p. 608-639, 2014b. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282014000400002> Acesso em: 10 nov. 2015.

______. Serviço social em tempo de capital fetiche: capitalismo financeiro, trabalho e questão social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LEHER, R. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para ‘alívio’ da pobreza. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 1998.

LEMOS, Denise Vieira da Silva. Alienação do trabalho docente? O professor no centro das contradições. Universidade e Sociedade, Brasília-DF, n. 45, p. 27-37, 2010.

LIMA, Kátia. Contra-reforma da educação superior: de FHC a Lula. São Paulo: Xamã, 2007.

______. Trabalho docente e formação profissional nas Universidades Federais. Revista de Políticas Públicas, São Luís, v. 14, p. 313-321, 2010.

LIMA, Rodrigo Silva. Apontamentos sobre a educação universitária e os cursos particulares de Serviço Social no Brasil. Ser Social, Brasília, v. 16, n. 34, p. 162-186, jan./jun. 2014.

MARANHÃO, Cezar Henrique. Desenvolvimento social como liberdade de mercado: Amartya Sen e a renovação das promessas liberais. In: MOTA, Ana Elisabete (Org.). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2012.

MARTINS, Valter. O trabalho do assistente social no fio da navalha: a cena das aparências e a performatividade. 2015. 208f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

MÉSZARÓS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.


MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Censo da educação superior. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013.

______. O PNE 2011-2020: metas e estratégias. [2010]. Disponível em: <http://fne.mec.gov.br/images/pdf/notas_tecnicas_pne_2011_2020.pdf> Acesso em: 8 out. 2015.

MORAES, Carlos Antonio de Souza. A ‘viagem de volta’: significados da pesquisa na formação e prática profissional do assistente social. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 114, p. 240-265, abr./jul. 2013.

______. A particularidade da dimensão investigativa na formação e prática profissional do assistente social. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 122, p. 294-316, abr./jun., 2015.

______. O Serviço Social brasileiro na entrada do século XXI: formação, trabalho, pesquisa, dimensão investigativa e a particularidade da saúde. 2016. 318f. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

PEREIRA, Larissa Dahmer. A expansão dos cursos de Serviço Social em tempos de contra-reforma do ensino superior brasileiro: impactos na formação profissional em Serviço Social. Revista de Políticas Públicas, São Luís, n. esp., p. 323-331, 2010.

______. Mercantilização do ensino superior, educação a distância e Serviço Social. Katálysis, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 268-277, jul./dez. 2009.

______. A reação burguesa à crise capitalista e o processo de mercantilização do ensino superior no pós-1970. Textos e Contextos, n. 5, ano V, nov. 2006.

______. Expansão dos cursos de Serviço Social na modalidade de EAD: direito à educação ou discriminação educacional? Ser Social, Brasília, v. 14, n. 30, p. 30-49, jan./jun. 2012.

PFEIFER, Mariana. O “social” no interior do projeto neodesenvolvimentista. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 120, p. 746- 766, out./dez. 2014.

SANTOS, Francine Helfreich Coutinho dos. Mercantilização do ensino superior e o Serviço Social brasileiro. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 102, p. 387-390, abr./ jun. 2010.

SIQUEIRA, Ângela C. de. A regulamentação do enfoque comercial no setor educacional via OMC/GATS. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 26, p. 145-156, maio-ago, 2004. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n26/n26a11.pdf>. Acesso em: 8 out. 2014.

TRINDADE, Rosa Lúcia Prédes. Interiorização da formação profissional e do mercado de trabalho do assistente social na atualidade. In.: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM SERVIÇO SOCIAL, 12., 2010, Rio de Janeiro. Anais eletrônico... Rio de Janeiro: UERJ/ABEPSS. Disponível em: <http://enpess.silvaebrisch.com.br/_trabalhos/mesa_00901_01741.doc>. Acesso em: 15 out. 2014.

YAZBEK, Maria Carmelita. A dimensão política do trabalho do assistente social. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 120, p. 677-693, out./dez. 2014.

Downloads

Publicado

2017-02-13