Morador de rua: causas, entraves e serviços ofertados

Autores

  • Elucleia Oliveira Balieiro Faculdades Integradas do Norte de Minas
  • Carla Patrícia Dias Soares Faculdades Integradas do Norte de Minas
  • Eliana de Araújo Vieira Faculdades Integradas do Norte de Minas

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2017v17n34p333-353

Resumo

O morador de rua é entendido como a pessoa que reside na rua, e utiliza o espaço da rua ou albergues públicos para pernoite. O intuito do trabalho foi analisar quais as perspectivas por parte de moradores de rua, identificados em Montes Claros – MG, em sair da situação na qual se encontram em referência aos serviços públicos ofertados a este fim. Tratou-se de um estudo transversal, descritivo, de caráter qualitativo. O lócus de pesquisa constituiu nas unidades/serviço de atendimento aos moradores de rua em Montes Claros – MG: Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua – Centro Pop, o Serviço Especializado em Abordagem Social, e o  Consultório na Rua. Quanto ao universo de pesquisa, foi composto tanto por moradores de rua, quanto por profissionais das unidades/serviço supra-referidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elucleia Oliveira Balieiro, Faculdades Integradas do Norte de Minas

Assistente Social efetiva pela Prefeitura Municipal de Espinosa, Minas Gerais, no âmbito da assistência social. Graduada em Serviço Social pela Faculdades Integradas do Norte de Minas - FUNORTE.

Carla Patrícia Dias Soares, Faculdades Integradas do Norte de Minas

Graduada em Serviço Social pela Faculdades Integradas do Norte de Minas - FUNORTE.

Eliana de Araújo Vieira, Faculdades Integradas do Norte de Minas

Mestranda em Sociedade, ambiente e território pela Universidade Federal de Minas Gerais. Pós-graduada em Docência no Ensino Superior pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e, em Gestão de Recursos Humanos pelas Faculdades Santo Agostinho. Graduada em Serviço Social pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas Santo Agostinho - Montes Claros (MG). Mestre em Ciências da Educação pela Universidade Autônoma de Assunção. É coordenadora do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), do território Maracanã, em Montes Claros (MG)

Referências

BRASIL. Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Decreto n. 7.053 de 23 de dezembro de 2009 – Política Nacional para a População em Situação de Rua. Brasília: Casa Civil/Subchefia para Assuntos Jurídicos, 2009.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe Sobre as Condições Para a Promoção, Proteção e Recuperação da Saúde, a Organização e o Funcionamento dos Serviços Correspondentes e Dá Outras Providências. Brasília-DF, 1990.

BRASIL. Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Lei Orgânica da Assistência Social. Brasília, 1993.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social - PNAS/2004 e Norma Operacional Básica NOB/SUAS. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília: MDS, 2009.

BRASIL. Secretaria Nacional de Renda e Cidadania e Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – MDS. Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua – Centro Pop. Brasília: Brasil LTDA, v. 3, 2011.

BOURDIEU, Pierre. Gostos de Classe e Estilos de Vida. In: ORTIZ, Renato (Org.). A Sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Editora Olho D’água, 2003.

BRITO, Giliarde de Souza. Migrações rural/urbano e fluxos de conhecimento agroecológico: o caso de Montes Claros, Minas Gerais. Montes Claros: Instituto de Ciências Agrárias/Universidade Federal de Minas Gerais Campus Regional de Montes Claros, 2011.

CFESS, Conselho Federal de Serviço Social. Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Assistência Social. Série Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais: Brasília (DF), 2011.

COSTA, Ana Paula Motta. População em situação de rua: contextualização e caracterização. Revista Textos & Contextos, v. 1, n. 4, p. 1-15, dez. 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewArticle/993. Acesso em: 15 de outubro de 2015.

ESCOREL, Sarah. Vivendo de teimoso: moradores de rua da cidade do Rio de Janeiro. In: BURSZTYN, Marcel (org.). No meio da rua: nômades, excluídos e viradores. Brasília: Garamond, 2000, p. 139-171.

ESTEVÃO, Ana Maria Ramos. O que é Serviço Social. 6 ed. São Paulo: Brasiliense, 2007.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. Nova Fronteira, 1986.

FERREIRA, Frederico Poley Martins. População em situação de rua, vidas privadas em espaços públicos: o caso de Belo Horizonte 1998–2005. Belo Horizonte, Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado de Minas Gerais, 2006.

IAMAMOTO, Marilda Vilela; CARVALHO, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 19. Ed. São Paulo: Cortez, 2006.

JUNIOR, Nivaldo Carneiro; et al. Serviços de saúde e população de rua: contribuição para um debate. Saúde e Sociedade, v. 7, n.2, p. 47-62, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v7n2/05.pdf. Acesso em: 25 de março de 2015.

MATTOS, Ricardo Mendes; FERREIRA, Ricardo Franklin. Quem vocês pensam que (elas) são? Representações sobre as pessoas em situação de rua. Psicologia e Sociedade, v. 16, n. 2, p. 47-58, maio/ago, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v16n2/a07v16n2. Acesso em: 17 de maio de 2015.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

MENDES, Aline Aguiar; MACHADO, Maria Fernanda. Uma clínica para o atendimento a moradores de rua: direitos humanos e composição do sujeito. Psicologia ciência e profissão, Brasília, v. 24, n. 3, p. 100-105, set. 2004. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932004000300013. Acesso em: 10 de agosto de 2015.

MENDONÇA, Gabriel Coelho. SENTIDOS SUBJETIVOS DE MORADORES DE RUA FRENTE AO FUTURO. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2006.

MDS, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Esplanada dos Ministérios: Brasília, 2008.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA Nº 2.488, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Gabinete do Ministro, 2011.

PIMENTA, Carlos Alberto Máximo; SILVA, Cláudia Lúcia. Moradores de rua e realidade social contemporânea: subsídios para intervenções no município de Taubaté/SP. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 6, n. 3, 2010.

SANTOS, Daiane dos Santos. O RETRATO DO MORADOR DE RUA DA CIDADE DE SALVADOR-BA: UM ESTUDO DE CASO. 2009. 71 f. Curso de Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização)-Direitos Humanos e Cidadania, Fundação Escola do Ministério Público, Salvador, 2009.

SNOW, David; ANDERSON, Leon. Desafortunados: um estudo sobre o povo da rua. Petrópolis: Vozes, 1998.

SPOSATI, Aldaíza de Oliveira; et al. A assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras: uma questão em análise. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

VARANDA, Walter; ADORNO, Rubens de Camargo Ferreira. Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e sociedade, v. 13, n. 1, p. 56-69, jan/abr, 2004.

VIEIRA, Maria Antonieta da Costa; BEZERRA, Eneida Maria Ramos; ROSA, Cleisa Moreno Maffei (orgs.). População de rua: quem é, como vive, como é vista. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

Downloads

Publicado

2017-12-29