Questão ambiental e precarização do trabalho a partir da realidade do lixão de Iguatu - Ceará

Autores

  • Maria Williana Alves Lucas
  • Evelyne Medeiros Pereira
  • Luana Paula Moreira Santos

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2017v17n34p195-224

Resumo

O artigo busca desvelar a questão ambiental como refração da questão social e suas interlocuções com os processos de precarização das condições de vida e trabalho dos (as) catadores (as) de materiais recicláveis do lixão de Iguatu/CE, de onde extraem as fontes de sobrevivência e tecem suas teias de sociabilidade. Compreender as contradições inerentes ao cotidiano adverso e desafiador desses sujeitos, associada à dinâmica atual do padrão de (re)produção capitalista e seus reflexos no mundo do trabalho, é nosso fio condutor. Assim travamos uma interlocução com os (as) trabalhadores (as) do referido lixão, buscando identificar as particularidades que atravessam tendências cada vez mais vigorosas na realidade contemporânea: de um lado, a precarização do trabalho e o adensamento da questão ambiental como expressão da questão social; de outro, a perpetuação de segmentos invisíveis, desprotegidos pelas políticas públicas e negligenciados em suas necessidades sociais básicas. Para isto utilizamos como percurso metodológico a abordagem qualitativa articulada ao método histórico crítico dialético e a técnicas etnográficas, por meio das seguintes técnicas de coleta de dados: observação de campo, diários de campo, aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas junto a 10 (dez) trabalhadores, cujos dados obtidos foram articulados à pesquisa bibliográfica presente durante todo o processo de elaboração teórica. Os resultados e discussões realizadas atestam um cotidiano de trabalho adverso e desafiador, que submetidos à lógica do capital vivenciam condições de precariedade e exploração. Verifica-se o agravamento destas condições, em decorrência da inexistência de uma política pública efetiva de gestão de resíduos sólidos em âmbito municipal, conforme preconiza a Política Nacional de Resíduos Sólidos, o qual submete esta parcela de trabalhadores à intensificação da exploração, consubstanciada pelo estado e pelo capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Williana Alves Lucas

Assistente Social no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do município de jucás / CE. Graduada em Serviço Social, pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), campus Iguatu. Integrante do Núcleo de Educação, Políticas Sociais e Serviço Social (NEPSSS / IFCE). 

Evelyne Medeiros Pereira

Doutoranda em Serviço Social na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Graduada em Serviço Social na Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professora do quadro efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE campus Iguatu). Membro do Núcleo de Educação, Políticas Sociais e Serviço Social (NEPESSS / IFCE).

Luana Paula Moreira Santos

Assistente Social, mestre em sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora assistente da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

Referências

ALVES, Giovanni. Crise da globalização e lógica destrutiva do capital – notas sobre o sócio-metabolismo da barbárie. In: Revista Katálysis. v.7, n.1, jan./jun. Florianópolis, 2004. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/katalysis/article/view/6912/6377>. Acesso em: 01.06.2014.
_______. O que é precariado? 2013a. Disponível em: <http://blogdaboitempo.com.br/2013/07/22/o-que-e-o-precariado/>. Acesso: 16.05.2014.
_______. Neodesenvolvimentismo e precarização do trabalho – parte III. 2013b. Disponível em: <https://blogdaboitempo.com.br/2013/09/23/neodesenvolvimentismo-e-precarizacao-do-trabalho-no-brasil-parte-iii/>. Acesso em 13.01.2017.
_______. Prometeu envelhecido: proletariedade e velhice no século XXI. 2015. Disponível em: <http://blogdaboitempo.com.br/category/colunas/giovanni-alves/>. Acesso em: 03.03.2015.
ALVES, Maria Aparecida; TAVARES, Maria Augusta. A dupla face da informalidade do trabalho: “autonomia” ou precarização. In: ANTUNES, Ricardo (org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2006.
ANTUNES, Ricardo. A nova morfologia do trabalho e o desenho multifacetado das ações coletivas. In: SANTANA, Marcos Aurélio; RAMALHO, José Ricardo. Além da fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo: Boitempo, 2003.
_______. Os Sentidos do Trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2.ed. São Paulo: Boitempo, 2009.
_______. “A ideia de eleição geral precisa vir acompanhada de fortes rebeliões sociais” (Entrevista). Correio da Cidadania. 2017, Disponível em: <http://correiocidadania.com.br/34-artigos/manchete/12310-ricardo-antunes-a-ideia-de-eleicao-geral-precisa-vir-acompanhada-de-fortes-rebelioes-sociais>. Acesso em: 11.02.2017.
BORTOLI, Maria Aparecida. Processos de organizações de catadores de materiais recicláveis: lutas e conformações. In: Revista Katálysis, v.16, n.2, jul./dez. Florianópolis, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rk/v16n2/11.pdf>. Acesso em: 09.04.2015.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas emendas constitucionais nº 1/92 e pelas emendas constitucionais de revisão Nº 1 a 6/94. 35. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara: 2012.
FLORESTAN, Fernandes. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. São Paulo: Globo, 2005.
_______. Sociedade de Classes e subdesenvolvimento. São Paulo: Global, 2008.
GÉRIN-LAJOIE, Diane. A aplicação da Etnografia Crítica nas Relações de Poder. In: Revista Lusófona de Educação. 14, 2009, p. 13-27. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/1101/913>. Acesso em: 13/05/2015.
HARVEY, David. Condição pós-moderna. 22ª ed. São Paulo: Edições Loyola, Brasil, 1992.
_______. Os limites do Capital. São Paulo: Boitempo, 2013.
IAMAMOTO, Marilda Villela. A questão social no capitalismo. In: Revista Temporalis. Brasília: ABEPSS, n.3, p.09-32, jan./jul. 2001.
_______. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 5 ed. – São Paulo: Cortez, 2011.
LENIN, Vladimir Ilyich. Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edição Brasileira: Expressão Popular, São Paulo, 2012.
MANDEL, Ernest. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural, 1982.
MARANHÃO, Cézar Henrique. Acumulação, trabalho e superpopulação: crítica ao conceito de exclusão social. In MOTA, Ana Elizabete (org.). O Mito da Assistência Social: ensaios sobre Estado, Política e Sociedade. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.
MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.
_______. O Capital: crítica da economia política. Livro I, vol. I e II. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.
MÉSZÁROS, István. O desafio e o fardo do tempo histórico: o socialismo no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2007.
MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec/Abrasco, 1998.
MONTAÑO, Carlos; DURIGUETTO, Maria Lúcia. Estado, classe e movimento social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2011.
MOTA, Ana Elizabete. Crise contemporânea e as transformações na produção capitalista. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL; ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL. Serviço Social: Direitos e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/Abepss, 2009.
NETTO, José Paulo. Introdução ao estudo do método em Marx. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.
NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia política: uma introdução crítica. V.1. São Paulo: Cortez, 2006.
NOGUEIRA, Claudia Mazzei. A feminização do mundo do trabalho: entre a emancipação e a precarização. In: ANTUNES, Ricardo; SILVA, Maria Aparecida Morais (orgs.). O avesso do trabalho. 2 ed. São Paulo: Expressão popular, 2010.
POCHMANN, Márcio. Desempregados do Brasil. In: ANTUNES, Ricardo (org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2006.
SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
SILVA, Maria das Graças e. Questão ambiental e desenvolvimento sustentável: um desafio ético-político ao serviço social. São Paulo: Cortez, 2010.
SITCOVSKY, Marcelo. Reconciliação entre assistência social e trabalho: o impacto do Bolsa Família. In: MOTA, Ana Elizabete (org.). Desenvolvimento e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2012.
TAVARES, Maria Augusta. Os fios (in)visíveis da produção capitalista: informalidade e precarização do trabalho. Cortez. São Paulo: 2004.
TAVARES, Maria Augusta; SITCOVSKY, Marcelo. O caráter provisório dos mecanismos de reprodução da força de trabalho. In: MOTA, Ana Elizabete (org.). Desenvolvimento e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2012.
VASAPOLLO, Luciano. A precariedade como elemento estratégico determinante do capital. In: Pesquisa & Debate. V. 16. N. 2 (28), p. 368-386. São Paulo: 2005. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/rpe/article/view/11876/8595>. Acesso em: 28.04.2014.
_______. O trabalho atípico e a precariedade: elemento estratégico determinante do capital no paradigma pós-fordista. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2006.
WACQUANT, Loic. Punir os Pobres. A Nova Gestão da Pobreza nos Estados Unidos. Rio de Janeiro. REVAN/Instituto Carioca de Criminologia, 2013.

Downloads

Publicado

2017-12-29