COMO A GENTE LIDA? A ATUAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA EM SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONJUGAL

Autores

  • Iara de Souza Januário ESCOLA MULTICAMPI DE CIÊNCIAS MÉDICAS/ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
  • Priscilla Brandão de Medeiros ESCOLA MULTICAMPI DE CIÊNCIAS MÉDICAS/ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n35p339-354

Resumo

O artigo ora apresentado é subsidio para conclusão de residência multiprofissional e traz a sistematização do estudo sobre a atuação da equipe de Estratégia de Saúde da Família (ESF) na problemática da violência doméstica contra mulher em sua interface na relação conjugal, a partir da pesquisa realizada junto aos profissionais da Unidade “Sílvio Bezerra de Melo” na cidade de Currais Novos/RN. Objetiva apresentar análises das percepções desses profissionais abordando desde os aspectos conceituais desta violência até a avaliação de sua própria intervenção, bem como, uma breve avaliação dos serviços que compõe a rede de enfrentamento a violência contra a mulher. Partindo da discussão de gênero inter-relacionando com a teoria crítica dialética, são feitas reflexões sobre preconceitos presentes nas falas e até mesmo tenta-se inferir o quanto esses profissionais – enquanto sujeitos sociais imbuídos de uma totalidade – estão imbricados da influência cultural e histórica do patriarcado. Os passos metodológicos se deram em uma pesquisa de caráter qualitativo, sob o viés do método crítico-dialético, usando da estratégia da entrevista guiada por questionário semi-estruturado. Sugere-se, portanto, que este serviço é de significativa importância na assistência a mulher vítima de violência, por estar territorializado, sendo capaz de criar vínculo com a comunidade e assim, conseguir trabalhar prevenção, prestar atendimento digno e ser ordenador do cuidado para os demais serviços da rede

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iara de Souza Januário, ESCOLA MULTICAMPI DE CIÊNCIAS MÉDICAS/ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Assistente Social residente do Programa Multiprofissional em Atenção Básica da UFRN

Priscilla Brandão de Medeiros, ESCOLA MULTICAMPI DE CIÊNCIAS MÉDICAS/ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Mestre em Serviço Social pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB

Referências

BANDEIRA. Lourdes Maria. Violência, gênero e poder: múltiplas faces. Mulheres e violências: interseccionalidades - Brasília/DF: Technopolitik, p. 14-35, 2017.

BARALDI. Ana Cyntia Paulin. et al. Violência contra a mulher na rede de atenção básica: o que os enfermeiros sabem sobre o problema? Rev. Bras. Saúde Materno Infantil. Recife, 12 (3): 307-318 jul. / set., 2012

BERGER. Sandra Maria Dantas; GIFFIN. Karen. A violência nas relações de conjugalidade: invisibilidade e banalização da violência sexual?. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21(2):417-425, mar-abr, 2005

BRASIL. Rede de Enfrentamento a Violência contra as Mulheres Brasília. Secretaria de Políticas para Mulheres. Coleção Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, 2011

__________. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Política Nacional de Humanização. 1 Ed. Brasília, 2004.

__________. Política Nacional de Enfrentamento à violência contra as Mulheres. Secretaria de Políticas para Mulheres/ Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres Secretaria de Políticas para as Mulheres. Brasília, 2011.

__________. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde da Mulher. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Politica Nacional de Atenção Integral a Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes – 1 Ed. 2 reimpr. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011.

__________. Lei Federal nº 10.778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Diário Oficial da União. Seção 1. 25/11/2003. p. 11.

FREIRE. Mariana Frizieiro da Silva; PASSOS. Rachel Gouveia. Ensaios acerca da notificação da violência doméstica contra as mulheres: a realidade dos municípios de São Gonçalo e Niterói. In: Políticas públicas, gênero e violência: contribuições para o Serviço Social – Campinas: Papel social, p. 59-80, 2015.

HIRATA, Helena; KERGOAT. Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa. V. 37, n 132, p. 595-609, set/dez. 2007

LISBOA. Teresa Kleba. A intervenção do Serviço Social junto a questão da violência contra a mulher. Revista Katálysis, Florianópolis SC, v. 8, n. 2, p. 199-210, jul./dez. 2005.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MIOTO. Regina Celia Tamaso. Para que tudo não termine como um "caso de família": aportes para o debate sobre a violência doméstica. Revista Katálysis, Florianópolis SC, v. 6, n. 1, p. 96-103, Jan./Jun. 2003

NARVAZ. Martha Giudice; KOLLER. Sílvia Helena. Famílias e patriarcado: da prescrição
normativa à subversão criativa. Psicologia & Sociedade. Vol 18 (1): p. 49-55, jan/abr. 2006.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Relatório Mundial sobre violência e saúde. Genebra. 2002

PORTO. Madge. A Permanência de Mulheres em Situações de Violência: Considerações de Psicólogas. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa. Vol. 30, n. 3, p. 267-276, Jul-Set 2014

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo– Coleção Brasil Urgente, 2004.

ZAGO, Luis Henrique. O método dialético e a análise do real. Kriterion, Belo Horizonte, nº 127, p. 109-124, Jun./2013.

Downloads

Publicado

2018-06-30