PARÂMETROS PARA A ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS NA POLÍTICA DE SAÚDE: O SIGNIFICADO NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

Autores

  • Débora Cristina da Silva Universidade Federal de Santa Catarina
  • Tânia Regina Krüger Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n35p265-288

Resumo

Este artigo tem como objetivo identificar o significado que os Parâmetros para a Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde representam para o exercício profissional no âmbito hospitalar. Este documento de subsídio para atuação do serviço social na saúde completará uma década, em que se observa a necessidade de refletir sobre o seu significado e em que medida representa adensamento teórico-metodológico, político e operativo para o exercício profissional. Metodologicamente, a pesquisa se caracterizou como exploratória e qualitativa, através da realização de grupos focais com assistentes sociais que atuam em dois hospitais da grande Florianópolis. Os resultados apontam que há um superficial conhecimento do referido documento, com ênfase no eixo de atendimento direto aos usuários e o reconhecimento de práticas vinculadas essencialmente às demandas socioassistenciais e emergenciais. Em grande medida, ficou ausente nos grupos focais a referência política do documento em relação aos fundamentos do projeto ético político do serviço social e do Sistema Único de Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Cristina da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Assistente Social. Mestranda em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Cursou Residência no Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde na ênfase em Alta Complexidade pelo Hospital Universitário – HU/UFSC.

Tânia Regina Krüger, Universidade Federal de Santa Catarina

Assistente Social. Mestre em Educação e Doutora em Serviço Social pela UFPE. Professora Associada do Departamento de Serviço Social da UFSC.

Referências

AROUCA, Antônio Sérgio da Silva. Saúde e democracia. Anais 8ª Conferência Nacional de Saúde, 1986. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde, 1987.

BONIN, Silvana. KRÜGER, Tânia Regina. Planejamento e Serviço Social. Revista Sociedade em Debate, 21 (2): 63-83, 2015.

BRAVO, Maria Inês. MATOS, Maurílio Castro. O projeto ético-político do Serviço Social e sua relação com a Reforma Sanitária: Elementos para o Debate. In. MOTA, A. E. et al (org.). Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007. p. 199 -215.

BRAVO, Maria Inês. Saúde e Serviço Social no século XX. In. Saúde e Serviço Social no Capitalismo: fundamentos sócio-históricos. 1. ed., São Paulo: Cortez, 2013.

CFESS, Conselho Federal de Serviço Social. Código de Ética Profissional do Assistente Social. 10ª ed. Brasília, 2012.

CFESS, Conselho Federal de Serviço Social. Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde. Série: Trabalho e projeto profissional nas políticas sociais. Brasília, 81 p., 2010.

CFESS, Conselho Federal de Serviço Social (org.). O Controle Social e a Consolidação do Estado Democrático de Direito. Seminário Nacional, 2008. Brasília, 2011.

CFESS. Resolução nº 383, de 29 de março de 1999. Caracteriza o assistente social como profissional da saúde. Resolução CFESS 383/99.

GUERRA, Yolanda. A dimensão investigativa no exercício profissional. In: Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. 20 p., 2009

KRÜGER, Tânia Regina. Serviço Social e Saúde: espaços de atuação a partir do SUS. Revista Serviço Social & Saúde. UNICAMP Campinas, v. IX, n. 10, Dez. 2010.

KRÜGER, Tânia Regina. Serviço Social e SUS: Conjuntura Regressiva e Exercício Profissional. Conselho Regional de Serviço Social Região 12ª – Santa Catarina. Boletim Eletrônico, edição nº 44, outubro de 2016.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social na Comtemporaneidade. Ed. Cortez. 2007.

MACHADO, Angelita Gnecco. A percepção dos usuários do plantão social acerca da atuação do serviço social. 2008. 94 p. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Socioeconômico, Florianópolis.

MACHADO, Cristiane Ferrari Canez. Os assistentes sociais nos conselhos de assistência social como representantes do gestor. 2015. 203 p. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Socioeconômico. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Florianópolis.

MARTINELLI, Maria Lúcia. O trabalho do assistente social em contextos hospitalares: desafios cotidianos. Ser. Soc. Soc., São Paulo, n. 107, p. 497-508, jul./set. 2011.

PEREIRA, Raffaelle Pedroso. O projeto profissional crítico e a intervenção dos assistentes sociais nos hospitais gerais do município de Juiz de Fora – MG. Dissertação de mestrado. Juiz de Fora, MG, 2013, 264 p.

SIMIONATTO, Ivete. As expressões ideoculturais da crise capitalista na atualidade e sua influência teórico-política. In: Serviço Social: Direitos sociais e competências profissionais. Ed. CFESS, 2009. 760p.

SOARES, Raquel Cavalcante. A contrarreforma na política de saúde e o SUS hoje: impactos e demandas ao serviço social. Recife, 2010, 209 p.

SÓ FILOSOFIA (Brasil). Dicionário de Filosofia. Disponível em: http://www.filosofia.com.br/dicionario.php. Acesso em: 10 jan. 2018.

VASCONCELOS, Ana Maria. A prática do Serviço Social: cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. 3ª ed. São Paulo, Cortez, 2006, p. 21-39.

VASCONCELOS, Ana Maria. Serviço Social e Práticas Democráticas na Saúde. In: Serviço Social e saúde: formação e trabalho profissional. 4. Ed. – São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2009.

YASBEK, Maria Carmelita. Prefácio: Serviço Social no Brasil... In. SILVA, M. L. O. (org.) Serviço Social no Brasil: histórico de resistências e de rupturas com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016, p. 25-48.

Downloads

Publicado

2018-06-30