O EMPODERAMENTO DAS MULHERES E A LEI MARIA DA PENHA COMO TECNOLOGIA DE GÊNERO: POSSIBILIDADES COM OS ESTUDOS FEMINISTAS E DE GÊNERO PARA O SERVIÇO SOCIAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n35p305-320

Resumo

Este artigo objetiva analisar a Lei no. 11.340/06, conhecida por Lei Maria da Penha, como uma tecnologia de gênero voltada para o enfrentamento de casos particulares de violência contra as mulheres, e para a transformação das relações desiguais de gênero. Compreendemos a violência contra as mulheres como uma das áreas de atuação de assistentes sociais por se tratar de uma das expressões questão social. A análise operada está ancorada no pensamento oriundo dos Estudos Feministas e de Gênero, no conhecimento do Serviço Social e no pensamento de Michel Foucault.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago F. Sant'Anna, Universidade Federal de Goiás/ Regional Cidade de Goiás

Historiador e Assistente Social. Doutor em História pela Universidade de Brasília (UnB). Pós-Doutorado em Arte e Cultura Visual (UFG). Professor dos cursos de graduação em Serviço Social e de Arquitetura e Urbanismo; e do Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual da Universidade Federal de Goiás (UFG, Goiânia, Brasil). Av. Esperança, s/n, Chácaras de Recreio Samambaia, Goiânia (GO), CEP.: 74690-900. E-mail: <thiagof.santanna@yahoo.com.br>. ORC ID: <https://orcid.org/0000-0001-9197-668X>.

Referências

43% DAS MULHERES já foram vítimas de violência doméstica, segundo anunário. Agência Brasil, Brasília (DF), 5 jul. 2011. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/governo/2011/07/43-das-mulheres-ja-foram-vitimas-de-violencia-domestica-segundo-anuario>. Acesso em: 10 fev. 2014.
BRAIDOTTI, Rosi. Sujetos nómades: corporización y diferencia sexual en la teoria feminista contemporânea. Buenos Aires; Barcelon; México: Paidós, 2000.
BRASIL. Presidência da República. Lei n° 11.340/06, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília (DF), 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm>. Acesso em: 22 de set. 2010.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 151-176.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Código de Ética do/a Assistente Social. 10. ed. Brasília (DF), 2012.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 25. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

IAMAMOTO, Marilda. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LAURETIS, Teresa. Tecnologias do Gênero. In: HOLLANDA, Heloísa (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 4. ed. Campinas: Pontes, 2002. p. 43.

RAGO, Margareth. Feminizar é preciso ou por uma cultura filógina. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 53-66, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/spp/v15n3/a09v15n3.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2003.

SWAIN, Tania Navarro. "A invenção do corpo feminino ou a hora e a vez do nomadismo identitário". Textos de História, Brasília (DF): UnB, v. 8, n. 1 (Feminismos: Teorias e Perspectivas. Número organizado por Tânia Navarro Swain), p. 47-85, 2000.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2018-06-30